JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Os perigos da Halakhá por Haim Cohen

Halachá é a lei rabínica de decisões judiciais. Suas resoluções no presente são como um “urso no jardim”. Centenas de decisões com relação às questões rabínicas - cada um em seu próprio julgamento, cada um ao seu próprio rebanho - as leis estatais que estabelecem a desobediência ao comando militar e vão de contra às regras modernas. Este “urso no jardim” tornou possível para um aluno atento religiosamente à retidão assassinar o primeiro-ministro de Israel.

O homem preso sob suspeita de ter assassinado o falecido primeiro-ministro fez a seguinte afirmação em tribunal: a de que "Halachá (lei rabínica) afirma que, se um judeu deixar de mão o seu povo ou entregar sua terra para o inimigo, ele deve ser morto de uma vez". Não é claro de acordo com esta declaração se ele chegou a essa conclusão por sua própria decisão, se foi entregue a ele por alguém autorizado a fazer decisões halakhicas ou se ele fundamentou seu comportamento baseado em sua lembrança do seu período de estudos Talmúdicos. Seja qual for o caso, pode-se supor que ele fez a declaração na plena convicção de que isto era realmente o que Halakhá obrigou-o a fazer.

Quem é um autorizado a emitir pareceres Halakhicos?
Ouvir uma declaração como a citada acima desperta uma série de perguntas. O que exatamente é essa coisa chamada Halakhá? Quem tem a autoridade para tomar decisões e pronunciar julgamentos halakhicos? Qual é o status de decisões conflitantes e contraditórias prestados por entidades diferentes? Como pode ser obrigatório cumprir a Halakhá, em oposição à lei do Estado? Pode o cumprimento de um mandamento religioso ser usado como uma defesa em um julgamento criminal? Pode haver uma Halakhá criminal?
A natureza da "Halakhá" tem sido discutida inúmeras vezes. Dos muitos atributos atribuídos ao corpo da Halakhá ou Halakhot [plural de Halakhá: a Halakhá designa tanto o corpo da lei rabínica quanto uma única decisão], só é relevante para a presente edição: Halakhá é o que prescreve a Torá que deve ser feito, ou o corpo de tais prescrições. Halakhá é fácil de ser reconhecida nos julgamentos coletados nas grandes codificações, como as do Rambam [a.k.a Maimônides,] do século 11 e do rabino Joseph Caro [autor do Shulchan Arukh] do século 16, apesar de muitas sentenças serem necessárias a sua aplicação em determinados casos encontrarem problemas em seu embasamento nesses dois códigos estabelecidos como referência geral. É mais difícil reconhecer Halakhá nas decisões das autoridades dos últimos dias. Eles têm dado decisões sobre uma série de questões contemporâneas que são levadas ao seu conhecimento sob a forma de perguntas dos discípulos e admiradores. Embora eles tendo destinado as suas decisões como respostas, a validade de tais respostas no geral, não têm sido reconhecidas como válidas, entre todas as comunidades do mundo judaico. Até hoje ainda existem rabinos halakhicos ocupados em deliberar e renderizar - e não só no âmbito dos tribunais rabínicos -, aumentando assim o corpus da lei rabínica.
De onde é que essas autoridades retiram a sua autoridade? A partir do texto bíblico: "... e você deve observar escrupulosamente todas as instruções dadas a você. Você deve agir sobre as instruções dadas a você e os estatutos proferidos pelos líderes, você não deve desviar-se da sentença que anunciada a vocês nem para a direita ou para a esquerda "(Dt 17:10-11). Já em tempos talmúdicos, nossos Sábios ensinaram que "as instruções dadas a você" significava a sentença proferida por uma autoridade Halakhica, enquanto "as decisões proferidas para você" se referia à decisão dos juízes ou dayanim em um [tribunal rabínico dayanim é o plural de dayan =] juiz religiosos do tribunal. Para ambas as autoridades que você deve obediência, mesmo que "eles deveriam dizer-lhe que é esquerda a direita, e que a direita é esquerda". (Sifrei Devei Rav Deuteronômio, 154).
Outros encontraram sua prerrogativa no texto: "Pergunte ao seu pai, ele irá informá-lo, os mais velhos, eles vão te dizer" (Deuteronômio 32:7). "Anciãos" que encontramos logo na montagem de setenta anciãos que Moisés nomeous para ajudá-lo (Números 11: 16-17). Foi por força especial de Moisés, que o Divino Espírito aliviou o peso em seus ombros. Mais tarde substituído por outras gerações de "Ansiões", confundidos com "Sábios" ("Ninguém pode ser um ancião que não é um sábio" [Kiddushin 32b]). A autoridade dos Anciãos é a de prescrever regras para o comportamento passado dos sábios. Um Midrash hagádico [comentários iniciais sobre os textos bíblicos] informa-nos com absoluta certeza que os sábios "que aparecem em cada geração, cada um deles recebeu a sua parte do monte Sinai", isto é, da parte de Deus (Shemot Raba 28).
Mas quem é um "sábio"? Os sábios talmúdicos definidamente simplesmente se destacam: eles são verdadeiros sábios de originalidade maravilhosa. Quando eles se diferenciavam entre si e davam instruções conflitantes, eles próprios, afirmavam que "estes e estas são as palavras vivas de Deus". Eles também encontraram critérios objectivos para resolver a diferença de opiniões. Por exemplo, "Entre um parecer e outro, a maioria obtém que decide qual deles seria válido era a maioria governista". Houve também um critério subjetivo: o parecer de um grande erudito e importante não é como a de um rabino ordinário. Às vezes a Halakhá foi determinada de acordo com as opiniões de alguns sábios, cujo parecer foi preferido ao dos seus rivais, tanto em todos os casos ou com respeito a um domínio específico do direito.

Cada rabino é o maior de sua geração'
Um rabino "grande" é reconhecido por "sua sabedoria e seus números". Os números (dos seus alunos ou de seus anos de idade) podem ser contados, mas como medir a sabedoria? Talvez tenha sido assumido que a sabedoria de tal "grande rabino" seria um fato geralmente reconhecido, uma sabedoria de qualidade que trouxe fama ao seu possuidor, cuja reputação correu antes dele. Já no período talmúdico, e mais ainda durante a Idade Média e até os tempos modernos, a grandeza de um sábio foi descoberto na proximidade de Deus que lhe foi atribuído. Assim, é contada pelo Rabino Yokhanan Ben Zakai que ele compreendeu "a conversa dos anjos, dos demônios e das palmeiras"; de Rabi Dossa Ben Hanina que ele tinha o poder de fazer maravilhas e mudar a ordem da criação ; do rabino Akiva, que havia descoberto os segredos do céu e sentou-se na companhia dos anjos. [Estudantes da Cabala (o misticismo judaico)] cabalistas contaram como seus professores entravam e saíam do palácio celestial. Os Hassidim atribuem aos seus Tzadikim [o líder rabino, geralmente carismático, de uma comunidade hassídica] o contato freqüente e regular com Deus e seus anjos. Tais prodígios de grandeza conferiam como uma questão de autoridade absoluta em curso da Halakhá. Ele é escrito em um dos livros que o hassidicos Tzadikim são "as leis e os mandamentos" - uma identificação total da obediência aos mandamentos da Torá, com obediência aos mandamentos do Tzadik. O Talmud também lhes forneceu uma justificação para a sua fé em seus líderes: "Para um únic Tzadik o mundo foi criado", "Os Tzadikim são maiores do que os anjos e irão a Deus", "Deus anula o seu veredicto em favor daquele Tzadik" --- se poderia ir em frente.
Em todas as correntes do judaísmo, a mais alta autoridade em qualquer momento, o líder predominante, é conhecido como o "grande da nossa geração". Talvez houvesse momentos em que todo o Israel sabia quem era o “grande da geração” (embora nem todos os contemporâneos do Rambam eram da mesma opinião sobre ele). Hoje, esse consenso já não é sequer remotamente possível. Por falta de um reconhecimento de um 'Maior', o título tem se propagado de forma indiscriminada - um rabino dá-lo em outro; discípulos, alunos e admiradores reconhecem-o em sucessão a seu rabino. Títulos como "gênio", "luz da justiça ',' santo ',' homem de Deus», «paradigma», «grande luz», tornaram-se tão comum que já não nos dizem uma coisa de capacidade verdadeira do homem ou habilidade. E uma vez que qualquer rabino em Israel pode ser dada - e, geralmente, é dada - o título de "Maior de nossa geração," não houve nenhuma forma de prevenir a fragmentação da autoridade halakhica o “Maior” tem em paralelo dez mil ou autoridades rivais, que culmina com a perda de toda a coerência. Quem quer que tenha sido formalmente ordenado rabino, por implicação goza de autoridade para emitir juízos halakhicos e não há nenhum rabino em Israel livre desse poder. Assim, cada geração gera um novo exército de mil vozes “aptos” a toamarem 'decisão'.

O escárnio ea zombaria dos Rabinos
Já escrevi em outro lugar que a autoridade formal não é suficiente, mas ser deve complementada por uma autoridade carismática (kharisma, em grego, o favor divino, =). Essa é a credibilidade que irradia da personalidade de uma autoridade halakhica [a Halakhá posek] ou as qualidades divinas que lhe são atribuídas, ou que deriva do estado de seu cargo ou função. A lei israelense concedeu o status de Halakhá posek sobre os dois grandes Rabinos de Israel e ao Conselho do Rabinato Chefe. Eles são autorizados a entregar "responsa e decisões sobre questões de Halakhá às pessoas que procuram os seus conselhos". A lei do Estado, entretanto, não é a Halakhá. Do ponto de vista puramente halakhico, a posição oficial do rabino-chefe não pode dar ao seu proprietário qualquer estatuto especial. Na verdade, sabemos que alguns rabinos desprezam as decisões halakhicas do Rabinato Chefe de não-vinculativa; outras autoridades halakhicas vêm no escritório do Rabinato Chefe uma pretensão de poder presumir a culpa por sua própria autoridade, ou mesmo a cogitar uma "interpretação que não consta na Torá de acordo com a Halakhá "- um terrível pecado.
O coração ea alma da autoridade carismática é a respeitabilidade atribuída a uma posek (autoridade halakhica) por seus seguidores e estudantes. Quem se recusa a reconhecer a autoridade do Rabinato Chefe tem o seu próprio rabino que reconhece a sua autoridade. Hassidim reconhecem a autoridade do rabino para cuja comunidade a que pertencem, e rejeitam a de qualquer outro rabino. Os Mitnagdim [adversários históricos do movimento hassídico desde o seu início no século 18] rejeitam a autoridade do rebbes ou Hassidim ', enquanto aderindo aos seus próprios mentores - e há tantos mentores quantos existem congregações. Não há uma comunidade, nãohá uma escola de pensamento religioso que não tem a sua própria autoridade halakhica para estabelecer a lei. A decisão proferida pelo rabino fulano se liga apenas àqueles que não lhe rendem homenagem – é que cada posek vai admitir o fato. Cada posek considera sua decisão, de boa-fé, como a verdadeira interpretação da Halakhá, e, tanto quanto ele se preocupa, os judeus têm de obedecer.
No entanto, seus rivais na Halakhá, uns porque desprezam sua personalidade, outros que rejeitam as suas credenciais acadêmicas, são muito propensos a rejeitar suas decisões fora de mão, e não raro, não hesitaram em elevar a voz de seu escárnio e tornar público o zombar dele. Mas o que o ridicularizam os rivais, os seguidores executam fielmente, enquanto eles, por sua vez, escarnecem os rivais, e queconsiste em raspar a própria barba fora de tempo em vez de observar a jurisprudência do rabino rival.

 

A politização da Halachá
Um observador externo, por vezes, sentirá a sensação de que a Halakhá é, mas o barro nas mãos do oleiro: a cada posek seu próprio público, a cada autoridade halakhica suas decisões próprias. Há, naturalmente, alguns princípios básicos que todos concordam, mas é precisamente no que respeita às questões contemporâneas, que exigem novos acordos, que existem divergências de opinião e de instrução. Um julga com misericórdia, outr com rigor implacável. Um Posek A diz que as leis do Estado de Israel devem ser obedecidas, um Posek B vai proibir obedecer esta ou aquela lei. Posek X é tudo para a dignidade humana eo amor do homem, enquanto Posek Y prega o ódio dos gentios e dos judeus ímpios. O que é verdadeiramente maravilhoso é que todas estas decisões conflitantes são designadas na Halakhá, e que todos e cada um deles vai encontrar adeptos ansiosos para tomar o seu jugo sobre eles.
As questões contemporâneas conflitantes que mencionamos são principalmente na esfera da política atual e de rabinos que proferem decisões sobre estas questões que têm objetivos políticos em vista. Eles fazem perguntas e dão as suas respostas, e não para a maior glória da Torah, nem com a finalidade de resolver esta ou aquela questão difícil de caráter halakhico, mas para seu próprio bem, mas a fim de fornecer uma base halakhica aos movimentos políticos e programas. Rabi Avraham Shapira, ex-Rabino Chefe de Israel, recentemente advertiu contra os rabinos "tentando ganhar estatura entre as pessoas comuns e ignorantes da terra, precipitando-se para assumir a liderança e prescrições das questões em Israel". Por suas decisões políticas, diz ele, "puseram o povo ainda mais em contradição uns com os outros e estão destruindo o mundo [judaico]" (Ha'aretz, 16 de dezembro 95). No entanto, o rabino Shapira manifestou mais de uma vez o seu selo sobre as decisões político-halakhica: aparentemente ele quer essa autoridade reservado ao 'os grandes da geração'. Ainda assim, mesmo no campo religioso existem muitas pessoas respeitáveis, cujo parecer é de que a Halakhá e política não se misturam; à sua mente qualquer politização da Halakhá “dói” na Halakhá eperturba a política. Uma das maiores autoridades halakhicas nos Estados Unidos, o rabino Yosef Soloveichik, já emitiu uma decisão, requer que a Halakhá política é para ser deixada aos políticos e à guerra para os soldados. Autoridades halakhicas próprias de Israel, no entanto, não aceitam o seu julgamento como Halakhá.
Quase todos afirmam que não há nenhuma questão em todo o mundo para que a "Halakhá" não tem a resposta: "Procure nela e procure novamente, está tudo lá" (Avot 5:22). Além disso, assim como um juiz do estado do sistema jurídico não pode subtrair-se dos acordos, alegando que não há resposta para a questão em disputa é para ser encontrado em todas as suas leis e precedentes, por isso nenhum posek pode negar que a Halakhá pode fornecer uma solução para todos os problemas. A respeito do nosso próprio problema particular, não temos outra escolha senão aceitar que a tomada de decisões halakhicas para fins políticos é um fato e uma prática comum. Partes dos ultra-ortodoxos políticos proclamam que todas as suas ações políticas devem receber o selo de aprovação prévia do seu «Conselho dos Grandes da Torah 'ou da' Sábios da Torah". E embora estas aprovações sejam concedidas ou retidas na fonte sobre os cálculos políticos, os Grandes da Torá e sábios são assumidos para combinar os seus cálculos para o corpo da Halakhá cuja autoridade deve se reconhecer.
(Por exemplo: a questão política da existência ou não permitir que seus deputados para se juntar à coalizão de governo, eles são assumidos ter considerado a decência de se sentar em uma assembléia de judeus descrentes ou na sociedade das mulheres, e se as  'transgressões "cometidos por participar da coalizão são contrabalançados pelos benefícios de se esperar, no reforço da Torá e ampliar o bem-estar dos seus alunos).


A Portaria halakhica proibe a evacuação dos territórios ocupados
Mesmo em questões puramente políticas, decisões halakhicas ainda são baseadas em interpretações da Torá oral ou escrita. Uma decisão que impôs a todos os judeus israelenses o direito de matar árabes (Ha'aretz, 05 de dezembro 94), foi baseada em cinco mandamentos da Torá: para erradicar todos os vestígios de Amaleque [como as primeiras pessoas a atacar os israelitas depois do êxodo do Egito, que representam] todos os inimigos de Israel hereditária, para ocupar a terra, para santificar a glória de Deus, para não ficar de lado quando a vida de seu vizinho está em jogo, a vingança exata do Senhor. O fato de interpretações deste posek particular não pode ser contestado, nem aqui nem lá. Não só os posek em si mesmo, mas também seus alunos e os membros de sua comunidade todos aceitam suas leituras, como se proferida do Sinai propriamente dita. Os árabes mais se encontram em seus corações para matar o mais louvável que dentre eles estão, e melhor garantia de recompensa do céu.
O perigo da Halakhá é, em grande parte, uma cegueira dos que a obedecem. As palavras da Torá: "Vocês não devem ocupar a terra e resolver com ele" (Dt 11, 31) são interpretados como uma ordem divina para não desistir de uma polegada de terra para os gentios. O fato de que há outras interpretações desse versículo - por exemplo, como uma promessa e não como uma injunção - não faz a menor diferença para a validade da decisão halakhica prestada. Uma decisão halakhica proibindo o governo a evacuar os territórios ocupados é flagrante ingerência política, no entanto halakhicamente está correto. Ainda poskim [plural de posek] não se absteem de interferir, mesmo quando é óbvio para eles que o governo não será capaz de tomar suas decisões em consideração, não porque são halakhicamente doentias, não porque seus autores não são competentes para emitir pareceres halakhicos, mas simplesmente porque um governo político – as decisões de qualquer governo não deve ser determinada dessa forma - e nunca deve ser determinada - por Halakhá. O governo deve fazer suas deliberações sobre a base da substância da questão em discussão, e são limitados apenas pela lei da terra.
Mesmo assim, políticos halakhicos, são perigosos. O próprio ato de fazer tais decisões não só põe em causa os pilares do Estado de direito quanto faz uma paródia da democracia, que dá às pessoasa idéia de  que devem obedecer as ordens legais com pretexto religioso-consciente para evitar o seu dever. E para remover a menor dúvida da mente de alguém que foi precisamente essa conclusão perigosa de que o poskim (da decisão que proíbe a evacuação dos territórios ocupados) destina-se, eles passaram a adicionar (ou que outros) a decisão do explícito que, de acordo com Halakhá, os soldados não têm de obedecer às ordens dos seus superiores que se relacionam com a evacuação dos territórios. Assim como os Poskim Halakhi estão bem cientes do fato de que suas decisões não terão influência sobre o governo, eles também são igualmente conscientes de que haverá muitos soldados religiosos praticantes que reconhecem o direito dos Poskim de comandar e da autoridade de suas decisões e é assim que se coloca em risco a segurança do exército e da segurança do Estado! Temo que esta decisão particular halakhica também se destine a ser uma espécie de manifesto - um anúncio para torná-lo público e abundantemente claro para todo o país que nenhuma lei, nenhuma ordem jurídica, pode estar contra uma receita halakhica.
(É comum ouvir poskim justificando seu comportamento como, por exemplo; que é fora de dúvida que eles estão autorizados a proibir os soldados de obedecer a uma ordem para violar o Sábado. Este faz fronteira com a demagogia, por uma das melhores regras conhecidas do exército de Israel é que os comandantes estão proibidos de ordenar soldados para violar o Sábado, exceto em caso de emergência (quando o Estado de Nefesh Pikuakh se aplica, ou seja, salvar a vida tem prioridade). Qualquer comandante que quebrar essa proibição está dando uma ordem ilegal, embora não tão flagrantemente ilegal, que não deve ser obedecida, e um soldado acusado de não obedecer tem a defesa que, na emissão da ordem, o oficial excedeu sua autoridade.

Mesmo as perigosas regras halakhicas devem ser obrigatórias
A halachá proíbe devolver os territórios capturados e que um soldado cumpre com o seu dever quando não obedece a uma ordem de evacuação destes territórios, é notável o número excepcional de poskim que emitiu esta sentença. Não é definitivamente “a grandeza” do número aqui. Não é para me dizer se existe também a grandeza da sabedoria. "Não só a maioria dos rabinos da Judéia e Samaria são encontrados na lista, mas também nada menos que um ex-rabino-chefe, o rabino Goren, que impulsionou -se à frente dos proscritos. Os rebanhos que seguem estas dezenas de milhares de rabinos - talvez mais do que aqueles que seguem os rabinos que se pronunciaram contrários, por exemplo, Rabinos Ovadia Yosef e Yehuda Amital. O facto é que esta "Halakhá" tem aspectos que podem ser interpretadas dessa ou daquela maneira e que não é apreciada pelo homem na rua. De alguma forma, o público tem a impressão de que a política do governo para troca de paz por terra viola a lei da Torá e que os judeus que desejam proteger suas almas da ira divina é ordenado ao homem a violação e recusar passagem.
É o direito de Israel de que qualquer autoridade halakhica seja livre para publicar suas decisões de forma aberta e amplamente, desde que sua publicação não constitua uma infração penal. Costumo pensar que, mesmo "halakhot perigosas" devme ser permitidas por uma só voz, desde que a publicação é feita, expressa ou implicitamente, com a finalidade de ensinar a Torá em si, ou, como os sábios colocam-na, para ensinar, para que outros possam aprender e beneficiar-se da sua aprendizagem.
Todo homem tem o direito de pensar e dizer que a política do governo está errado e deve ser corrigida, éa base de tal pensamento ou dizer sobre a Halakhá. Escusado será dizer que poskim podem, como qualquer outro homem, propor ao governo ou Knesset que eles mudem suas políticas em conformidade com a Halakhá. Não há conflito entre a lei ea Halakhá teórica [essa categoria de Halakhá que não é, necessário ser realizada] ou Halakhá acadêmica. Mesmo a decisão proibindo a halakhica devolução do território - assim como a plataforma política que se opõe a devolução do território - tem direito a uma barraca no mercado local.

 

Poskim que incitam ao ódio e à revolta
Não existe tal direito, no entanto, é dada as Halakhot o crédito do convite às pessoas para matar árabes ou desobedecer as ordens jurídicas.
Vamos voltar Para o tema das Halakhot permitirem assassinar. Como obedecer as ordens legais, a situação é que qualquer pessoa pode subornar ou incitar uma pessoa servindo no exército para que este não venha a obedecer a uma ordem legal, o mesmo será passível de sete anos de prisão (Código Penal, artigo 110). Também pode-se argumentar que uma chamada para os soldados não obedecer às ordens dos seus superiores constitua uma incitação ao motim e deslealdade, que é punível com uma pena de cinco anos (artigo 134).
No que diz respeito a incitação ao motim, a questão é saber se o argumento invocado para justificar a escritura é verdadeiro ou é irrelevante (artigo 137): o fato é que a indiferente Halakhá proíbe a obediência à ordem. Os crimes de sedição e de incitação ao motim estão comprometidos, mesmo que nem um só soldado esteja convencido de desobedecer: o crime está em muito proferindo palavras de sedição ou de incitação ao motim, com a intenção de causar rebelião ou motim.
Os poskim que emitem tais decisões halakhicas estão aos olhos da lei a cometer sedição e de incitação ao motim e se os consultor jurídicos do governo decidirem, como é no seu critério legal de fazer, a não cobrar deles (que também é o que eu decidiria ), é só por respeito a Torah e aqueles que a estudam, e para evitar a tempestade que iria ser agitada por ir contra eles. Se eles são levados a julgamento ou não tem qualquer influência sobre a criminalização de suas decisões. A presunção de que um homem é inocente até condenado por um tribunal competente, aplica-se a "infractor" o único indivíduo. Não tem nada a ver com o caráter criminoso do delito em si.
O argumento de que a Halakhá mandatou o delito pelo qual o réu está em julgamento não é uma defesa contra a sua condenação. Halakhah não pode ficar no caminho de execução de lei estadual. O mesmo, porém, não é verdade quanto à severidade da sentença. Um homem que, no delito foi guiado por sua consciência ou pela Halakhá, pode receber uma sentença mais leve, a menos que - como é igualmente possível - o tribunal aplique o pensamento oposta e mantendo as mãos para baixo um longo período, porque o homem dá motivos para medo de que ele irá repetir o seu crime a fim de satisfazer os mandamentos religiosos.

Rabinos que permitem a morte de árabes
O mandamento de matar árabes não é da Halakhá só para incitado atos de assassinato, e outras perigosas e penas halakhicas, decisões têm sido tomadas nos últimos dias à esse respeito. Considerando que as proibições halakhicas no território proíbe o regresso e obedecer a ordens de evacuação é contradizer a Halakhá, tais ordens foram promulgadas e assinadas com grande exibição por rabinos de nome e fama, essas decisões foram emitidas por outros rabinos, a maioria dos quais não tiveram a coragem civil tornar pública a sua denominação - ou, após o assassinato de Rabin, a defender a decisão que tinham tomado. Eles preferiram o anonimato ea refugiar-se em um “underground halakhic”. Um deles, que na época tinha feito pública sua decisão, tentou negar depois de Rabin ter sido assassinado. (Rabi Yoel Bin-Nun, um homem honesto que quis publicar os nomes desses poskim, foi forçado por medo de sua vida para ficar em silêncio.)
Uma vez que é só por ouvir dizer que eu sei que alguns dos nomes, não vou expor aqui sua desgraça.

Uma dessas "autoridades" que considera a interdição contra a devolver os territórios tão grave que ele permitiu ou recomendou o plantio de minas e explosivos ao longo de estradas que levam aos assentamentos a seemr evacuados. Então soldados israelenses ou transeuntes podem serem mortos?- Que foi superado pela necessidade de evitar a evacuação de uma polegada da terra de Israel. A existência desses fatos não foram publicados na imprensa e de todo não são negados - exceto em termos muito fracos, e depois do assassinato de Rabin - seria impossível imaginar que a Halakhá judaica poderia ser explorada e blasfemada pelos poskim para tais intenções assassinas. Apologia às estradas de minas é o mesmo que a incitação ao ofender o artigo 339 do Código Penal, e talvez até uma ameaça de assassinato. Alguém que escreve e envia uma carta com uma ameaça desse tipo é passível de prisão de sete anos (artigo 307). O simples fato de publicar uma carta com uma ameaça de matar um animal é punível com três anos de prisão (artigo 460). quer dizer, o Código Penal não faz distinção não permitindo que o posek tenha a intenção de magoar "apenas" soldados palestinos e árabes transeuntes.

Qual é o significado de Rodef Din?
[Rodef Din é o estado em Halakhá de uma pessoa que exerça uma outra função, a fim de matá-lo.] Com relação à Halakhá colocação de minas, pode-se dizer que, apesar de exibir uma corrupção de valores para além da crença, o perigo de ele vir a sangrenta fruição não era muito grande. Certamente, os voluntários podiam sempre ter sido encontrados prontos e ansiosos - para plantar as minas, mas os olhos do exército alerta provavelmente teriam detectado eles antes do desastre. Duas outras decisões, no entanto, também distribuída recentemente, representam enorme perigo. Mais do que isso, não há razão para temer que foram eles que causaram o assassinato do Primeiro-Ministro. A primeira é que a Halakhá Din Rodef aplica-se a quem faz a paz com os palestinos, o segundo que as mesmas pessoas também estão sujeitas a Din Moser [o estatuto halakhico de um judeu que trai um colega judeu para o inimigo (Moser = informante) ].
 O que faz ou diz um Din Rodef? Na formulação do Rambam: «Sempre que um persegue o outro para matá-lo, todo judeu é mandado para salvar o atacado do atacante, mesmo à custa da vida do atacante (Mishne Torá, sobre assassinos e o preservar a vida, 1:1). Em outras palavras, se vê um homem prestes a matar um outro homem, é preciso detê-lo, mesmo à custa de matá-lo. (No nosso Código Penal, este mandamento se tornou um argumento para a defesa: matar um homem para proteger a pessoa ou propriedade de outro homem não é um crime). No entanto, o Rodef deve estar no ponto de abate. Ele deveria estar prestes a cometer outro crime (com a exceção do estupro de uma menina prometida), mesmo os mais graves, como a idolatria, é proibido matá-lo, ele deve ser levado à justiça (op. cit 11.). Logicamente, que um homem prestes a cometer "o crime" de devolver os territórios devem ser levados ao tribunal, em outras palavras, que é proibido matá-lo. O fato de que o tribunal pode absolvê-lo, ou que poderia ser difícil de trazê-lo a julgamento, não é suficiente para punir a sua morte. Além disso, é proibido matar o Rodef se existe uma forma alternativa para impedi-lo de matar - por exemplo, prendendo-o, ligando-lo ou feri-lo (ou por via parlamentar). Quem mata o Rodef quando a pessoa atacada poderiam ter sido salva por outros meios é considerado ter cometido assassinato e pode vir a ser condenado à morte por Deus (op. cit. 13.
Eu estou perdido, pois, não consigo compreender como Din Rodef pôde ter sido aplicado ao primeiro-ministro.A questão é: quem exatamente ou o que estava prestes a ser morto por ele? Quem era a vítima que o assassino destinado salvou dele? Mesmo se há motivo para temer que a paz que ele estava prestes a fazer com os palestinos coloquesse a vida em perigo, que o perigo ainda estava longe e não havia nenhuma vítima precisando de resgate imediato. Real acrobacia intelectual (e, o escusado diria; acrobacia halakhica) são necessários para identificar, na pessoa do Primeiro-Ministro, ou qualquer outro pacificador, um Rodef como a Halakhá define.
Deve ser entendido que estas não foram presunção dos poskim de introduzir inovações nas Halakhot que governam Din Rodef. O conteúdo ea formulação destas Halakhot foram corrigidos por centenas de anos e toda criança sabe disso. O que os poskim fizeram foi aplicar as regras de Din Rodef, de todas as pessoas, ao primeiro-ministro de Israel, eles fizeram uma sentença como se fosse factual que descobriu o Primeiro-Ministro nas qualidades de um Rodef. Temo que esse argumento contraria os próprios fundamentos do Din Rodef. O próprio fato de que uma autoridade halakhica ou tribunal pode vagarosamente discutir se essa pessoa é ou não é uma Rodef é uma prova clara de que a pessoa em questão não pode ser um, desde que o perigo não pode ser «presente e imediato." Um homem planejando matar outro no futuro não pode ser um rodef de quem a vítima - que ainda não existe - deva ser guardada imediatamente. Declarando que Din Rodef aplica-se a um homem sentado em sua casa e escritório e indo sobre seu negócio regular, em face disso, a última palavra entra em auto-contradição.
Até o rabino Shapira disse, após o assassinato, que ele não teria acreditado que é possível que "Qualquer um no Estado podesse permitir matar um judeu em razão do Din Rodef por causa dos atos decorrentes de uma divergência de opinião ou de conflito entre organizações públicas ". Ele acrescentou que "não há nenhuma ligação entre este crime desprezível e os valores da Torá - que decorre do pensamento herético venenoso" (Ha'aretz, 23 de novembro 95). E ainda todos os sinais apontam para o fato de que a extensão de alguns posekim em questão de Din Rodef ao primeiro-ministro levou um mandamento de observação, o judeu de acordo com a Halakhá não pode cometer assassinato.
Não é uma migalha de conforto para ser derivado do fato de que o homem e seus mentores são condenados à morte por visitação divina.

Qual é o significado de Moser Din?
Demorou as acrobacias não menos ridículas - a serviço do mesmo objectivo de alargar - Moser Din também ao primeiro-ministro. Isto é como Rambam define Moser Din: "É vedada a mão sobre um judeu para gentios, nem sua pessoa nem os seus bens, mesmo que ele é mau e pecador, mesmo que ele causa sofrimento e dor aos seus colegas judeus. Quem põe as mãos sobre um judeu em favor dos pagãos não tem nenhuma parte no mundo vindouro. É permitido matar um Moser onde ele está. É ainda permitido matá-lo antes que ele entregue um judeu, logo que ele tenha dito: vou entregar assim e assim, a sua pessoa ou sua propriedade, ele se colocou sob a sentença de morte. E se o homem é advertido, e disse para não entregar, mas responde corajosamente que ele vai fazê-lo, no entanto, é um mandamento divino para matá-lo, e quanto mais cedo, melhor ... existem inúmeros casos, nas cidades do Magrebe, onde informantes que são conhecidos para revelar o dinheiro das pessoas são mortas ou são entregues às autoridades pagãs para serem condenadas à morte ou espancados ou presos de acordo com o grau de iniqüidade "(Mishne Torá , Torts 8, 9-11).
É tão claro como o dia que o contexto da codificação Rambam é a vida na diáspora, era uma época em que a ameaça de assassinato legal seguiu no encalço de todos os judeus e seus bens era esporte aberto. Um judeu que deu seus compatriotas judeus para os gentios, para provocar seus instintos mal a ele ou a sua propriedade, como era um traidor. "Os inúmeros casos" de matar o traidor, o Moser, ou entregá-lo aos tribunais dos gentios não eram mais do que actos de auto-defesa. A tentação de ganhar dinheiro fácil ou para bajular os gentios por trair um judeu era às vezes muito fortes. Essa traição foi como desertar do acampamento judaico em tempo de guerra - um Moser coloca os membros de sua comunidade em perigo real. Mas nós, em Israel, não temos Mosrim [plural de Moser], não vivemos com medo, dependente da boa vontade dos gentios. Nem é preciso buscar proteção deles. Nós temos nossos próprios traidores e espiões - aqueles que põem em perigo a segurança do nosso Estado e de conspirar contra suas instituições legais - mas não têm absolutamente nada em comum com os Mosrim.
O raciocínio tortuoso das “autoridades” halakhicas que fizeram desta decisão poder ser entendida como que ceder os territórios para os palestinos é o mesmo que entregar propriedades dos judeus para os gentios. Mas, se os territórios são, na verdade de propriedade de Israel, então eles são propriedade do Estado. O Estado, por intermédio do governo, faz com sua propriedade o que considere oportuno e necessário. O fato de que é errado fazê-lo na mente de alguns posek não o torna um Moser. Ela pode ser comparada com a situação da espécie de gueto, que tem a propriedade de judeus ricos para apaziguar ou subornar os gentios. Mesmo que suas expectativas tenham se enganado, mesmo que todos os ricos judeus se opuseram a ele no momento, ele não merece morte de Moser, apenas um mau administrador, talvez, e não mereça a reeleição. A essência da traição (o ato de um Moser) é que ele é feito em segredo, como qualquer outro ato de informar. A passagem de feito abertamente e à vista pode ser um erro político ou econômico, ou mesmo uma violação da liminar contra os ditos halakhicos no caso de devolver os territórios - mas nunca o ato de um Moser.
É um ato de estupidez assustador para comparar o primeiro-ministro de Israel, um Estado que tomou um assento orgulhoso entre as nações do mundo, para os miserável e bajuladores, portadores de contos que colocaram os judeus em risco de tortura e perseguição na Idade Média . Na minha ingenuidade, pensei que nenhum homem com os olhos em sua cabeça jamais poderia pregar tal veneno.
Então eu pensei: “Mas o que os jornalistas descobriram agora?” - Que três rabinos da Judéia e Samaria, todos os homens de boa reputação em boa posição, há nove meses, enviaram uma pergunta escrita de trinta das maiores autoridades em Israel em assuntos de Torá e seu ensino (incluindo o rabino Avraham Shapira): Será correto para aplicar Moser Din ao primeiro-ministro e seus ministros? Nem um único dos trinta retornaram uma resposta negativa. Nem um único deles ergueu a voz para o céu em sinal de protesto e indignação. Não que eles deram o seu aval a esta decisão abominável: eles simplesmente não responderam. Quem pode, então, ser surpreendido por algum aluno fanático que poderá ler a Halakhá e ter um parecer favorável no seu silêncio? Agora, os rabinos tentam - todos eles ou alguns deles - para lavar as mãos da sujeira, não eram suas mãos, eles declaram em voz alta, que derramaram o sangue. Verdade?

"Como se criou o mundo inteiro"
Todas essas decisões 'halakhicas' - e talvez outras que não tenham chegado ao meu conhecimento - teve um único propósito e resultado - agitar os instintos (mal) dos discípulos destes poskim obedientes, de modo a torná-los vigilantes e desafiadores em defesa dos Territórios não -, pereça o pensamento, ao colocar em perigo a sua própria vida, mas ao colocar um preço sobre as cabeças dos ministros do estado. As decisões foram projetadas para estimular e seduzir e transformar sinceros judeus tementes a Deus em assassinos desprezíveis. Muito perigosos são os ditos das Halakhot, de fato.
Não há dúvida, mas que estes foram gerados pelas Halakhot e gerados em um clima de fanatismo religioso-nacionalista eo fundamentalismo (muito semelhante ao tipo muçulmano que tem nos afligido). Este fanatismo tem alimentado sobre a excomunhão e ostracismo e maldições e imprecações que alguns rabinos e cabalistas foram amontoando na cabeça do governo civil durante anos. Doutrinação fanática à violência "para a maior glória de Deus" conseguiu além das mais loucas esperanças e expectativas de seus autores.
E quem sabe o que o amanhã vai trazer? Qualquer pessoa que trabalha fielmente para a paz com os palestinos e os sírios coloca sua vida em risco. O veneno destilado nos corações ainda não está dissolvido, ea ira de fanáticos valentões infantis podem incendiar-se novamente. Quem nos garante que amanhã alguém não vai descobrir que cada epikoiros, todo judeu livre-pensador, está sob uma sentença de morte halakhica - uma decisão maravilhosa que permitam a erradicação de todos os judeus não-crentes (os ministros do governo incluído) do país e no mundo.
E o que vai acontecer com a Torá ", cujos caminhos são os caminhos de delícias e suas formas os caminhos da paz"? E a maior regra da Torá não fazer para outro o que você não gostaria que ele fizesse com você? Será que vai ser de fato os fanáticos religiosos e poskim halakhicos que conseguiram fazer Israel se esquecer de sua Torah da verdade e da misericórdia?
Rambam termina o trecho da Torá no Mishne Din Rodef com os Sábios da Mishnah;"comemorou dizendo:" Quem extermina uma única vida em Israel, é como se tivesse destruído o mundo inteiro: quem salva uma única vida em Israel, é como se ele viesse a criar o mundo inteiro ". Relativamente a um particular da vida em Israel, ou "como se" pode ser deixada de fora.

Exibições: 8

Responder esta

© 2022   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço