JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Pass ItOn

A guerra de Assad, em 20 meses,  fez quatro vezes mais vítimas , do que o conflito Israel-Palestina nos últimos 20 anos.

Por RON PROSOR

No mês passado, um grupo de Escandinavos levantou âncora em um porto Sueco e partiu para o Oriente Médio sob o pretexto de levar ajuda humanitária. A neblina Nórdica pode os ter confundido quanto a escolha do destino. A bússola moral desses auto-proclamados ativistas dos direitos humanos os guiou para a Faixa de Gaza, não para a Síria.

As frotas de flotilhas, balsas, iates, veleiros, canoas e catamarãs, e as que têm zarpado para Gaza nos últimos anos rivalizam em tamanho à Armada Espanhola. No entanto, alguém poderia argumentar que flotilhas humanitárias estão sendo necessárias com um pouquinho mais de urgência na Síria, onde mais civis foram assassinados pelo regime de Assad do que os que morreram no terremoto do Japão em 2011, no tsunami,no furacão Katrina, e no 11 de Setembro somados.

O conflito na Síria também fez, aproximadamente, quatro vezes mais vítimas nos últimos 20 meses do que as que foram mortas no conflito Israelense-Palestino nos últimos 20 anos. Os residentes de Gaza continuam gozando de mais assistência internacional do que praticamente qualquer outra população do planeta, porém, quase nenhuma ajuda está chegando aos quase dois milhões de pessoas desalojadas dentro da Síria - cerca de 10% da população do país.

As massas das flotilhas têm prioridades diferentes. Eles preferem trabalhar dia e noite para protestar contra a legítima defesa de Israel contra os terroristas que objetivam atingir seus cidadãos e disparam milhares de foguetes em suas cidades. Talvez nós não devessemos nos surpreender: É muito mais fácil enfrentar câmeras de televisão em Tel Aviv do que balas em Damasco.

De fato, Israel é o destino de luxo escolhido por este tipo de "ativista dos direitos humanos." Em Israel, estes revolucionários de fim de semana, estão livres dos perigos de prisão arbitrária, prisão e execução que abundam nos Estados totalitários que compõem o resto da região. Em vez de tentar cavar o abismo escuro de abusos em estados da vizinhaça, eles preferem estar no conforto dos saguões das instituições democráticas de Israel, sociedade civil e meios de comunicação independentes, que oferecem uma riqueza de informações de fácil acesso que eles usam para atacar Israel.

O fardo da democracia é sempre pesado, e Israel tem orgulho de carregá-lo. Com mais repórteres e ativistas de direitos humanos per capita do que qualquer outro lugar do planeta, nós entendemos profundamente o papel inestimável da sociedade civil, mesmo que as suas instituições possam às vezes serem usadas e abusadas por aqueles com a mais radical das agendas.

Hoje, muitas das arenas de direitos humanos internacional se assemelham a um baile de máscaras, onde os mais extremos pontos de vista podem ser facilmente mascarados por baixo de expressões vazias no uso de palavras como "democracia" e "direitos humanos". O estudioso Norueguês Johan Galtung, líder do navio Escandinavo para Gaza, foi recentemente suspenso da Academia Suíça para a Paz Mundial por uma série de discursos inflamados e anti-semitas . Ele recomendou que todo estudante universitário lesse "Os Protocolos dos Sábios de Sião", a obra infame de propaganda do século 19 uzada pelos Nazistas em salas de aula.

Longe de criticar os tiranos do Oriente Médio, as massas das flotilhas muitas vezes juntam suas mãos às deles. Bem agora, em maio, o grupo ativista Britânico Viva a Palestina desfrutou da hospitalidade de Bashar Assad, ao fazer um pit stop na Síria em seu caminho para tentar entrar em Gaza. Na mesma época em que os bandidos de Assad, estavam se preparando para massacrar crianças em Houla, os membros do Viva a Palestina estavam orgulhosamente twittando sua localização e postando fotos no Facebook de si mesmos ao lado de representantes do regime.

Em vez de dançar com ditadores e tiranos, que tal se as massas das flotilhas realmente partissem na direção de onde a ajuda é tão desesperadamente necessária?

-O sr. Prosor é o embaixador de Israel nas Nações Unidas

Exibições: 81

Responder esta

© 2021   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço