JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

No aniversário dos ataques terroristas do 9/11 , o embaixador dos EUA na Líbia foi assassinado em um ataque terrorista contra o consulado Americano em Benghazi. Este ataque coincide com um protesto violento de extremistas Islâmicos no Cairo, perto da Embaixada dos EUA na capital Egípcia.

É possível que o dia destes ataques, de cunho religioso , contra alvos Americanos tenha sido coincidência. Também é possível, como alguns especialistas têm argumentado, que uma reação espontânea tenha acontecido nas ruas da Líbia e do Egito, em resposta ao lamentável e insultante vídeo , na opinião deles, sobre o profeta Maomé e o Islã. O que é interessante, naturalmente, é por que um filme que foi lançado online há alguns meses atrás, entre tantos outros dias, causou os ataques mortais especificamente no dia 11 de setembro?

No entanto, o que é realmente importante é que, independentemente dos elementos responsáveis pelo ataque , quem quer que eles sejam, para milhões de Muçulmanos em todo o mundo, as críticas contra o mundo Árabe e o Islã, análises críticas do Islã, ou mesmo uma caricatura do profeta Maomé , são justificativas para a violência e até mesmo mortes em nome da religião.

Não há nada de novo em tudo isso. Alguns anos atrás, protestos violentos eclodiram em todo o mundo Árabe e Muçulmano, após caricaturas do Profeta Maomé terem sido publicadas em um jornal Dinamarquês. Na ocasião, embaixadas Escandinavas também foram incendiadas em várias capitais Árabes, enquanto no Afeganistão os protestos foram dirigidos aos soldados Americanos estacionados lá. Todos também lembram do escritor Salman Rushdie, para quem foi emitida uma sentença de morte (in absentia) pelo Irã por seu livro "Os Versos Satânicos".

Naquela época, Muamar Kadafi e Hosni Mubarak governavam a Líbia e o Egito, respectivamente. Ambos, igualmente como os seus colegas  ditadores em todo o mundo Árabe, não permitiam que as embaixadas dos Estados Unidos em seus países fossem atacadas. Ao invés, eles permitiam que as massas furiosas desabafassem protestando em outro lugar. Caso contrário, eles temiam, que a ira da multidão se voltasse contra eles. Ao mesmo tempo, eles usavam esses protestos como justificativa para seus regimes opressivos que, na opinião deles, eram o último obstáculo que bloqueava o caminho do Islã radical.

Kadafi e Mubarak foram depostos há pouco tempo atrás da Líbia e do Egito, mas não sem alguma ajuda de Washington. Um regime Islâmico tomou o lugar de Mubarak, no Egito, enquanto na Líbia, as facções radicais Islâmicas desfrutam de amplo apoio em todo o país depois de finalmente terem recebido permissão para operar.

Washington foi abençoado com estas mudanças e procurou vê-las como um passo adiante no caminho para o mundo Árabe se tornar mais democrático. Os EUA também procuraram construir com base no firme apoio que o Ocidente havia dado a esses Árabes revolucionários . Ontem, no entanto, as expectativas Americanas desmoronaram diante das realidades do Oriente Médio.

Esta é a hora da verdade para o regime Líbio. E é também, especialmente, para o regime da Irmandade Muçulmana do presidente Egípcio Mohammed Morsi , que não precisa de legitimidade vinda de elementos religiosos, ao contrário do regime de Mubarak, e que poderia ter vindo à público emitindo uma severa condenação à violência.

A questão, claro, é se o Egito de Morsi será mais aberto e tolerante alguns anos à frente, ou se vai ser um país onde os extremistas controlarão a agenda. Em tal cenário, o próximo acesso de raiva  anti-Americano ou anti-Ocidente é apenas uma questão de tempo.

O fim da ingenuidade dos EUA?

No aniversário dos ataques terroristas do 9/11 , o embaixador dos EUA na Líbia foi assassinado em um ataque terrorista contra o consulado Americano em Benghazi. Este ataque coincide com um protesto violento de extremistas Islâmicos no Cairo, perto da Embaixada dos EUA na capital Egípcia.

É possível que o dia destes ataques, de cunho religioso , contra alvos Americanos tenha sido coincidência. Também é possível, como alguns especialistas têm argumentado, que uma reação espontânea tenha acontecido nas ruas da Líbia e do Egito, em resposta ao lamentável e insultante vídeo , na opinião deles, sobre o profeta Maomé e o Islã. O que é interessante, naturalmente, é por que um filme que foi lançado online há alguns meses atrás, entre tantos outros dias, causou os ataques mortais especificamente no dia 11 de setembro?

No entanto, o que é realmente importante é que, independentemente dos elementos responsáveis pelo ataque , quem quer que eles sejam, para milhões de Muçulmanos em todo o mundo, as críticas contra o mundo Árabe e o Islã, análises críticas do Islã, ou mesmo uma caricatura do profeta Maomé , são justificativas para a violência e até mesmo mortes em nome da religião.

Não há nada de novo em tudo isso. Alguns anos atrás, protestos violentos eclodiram em todo o mundo Árabe e Muçulmano, após caricaturas do Profeta Maomé terem sido publicadas em um jornal Dinamarquês. Na ocasião, embaixadas Escandinavas também foram incendiadas em várias capitais Árabes, enquanto no Afeganistão os protestos foram dirigidos aos soldados Americanos estacionados lá. Todos também lembram do escritor Salman Rushdie, para quem foi emitida uma sentença de morte (in absentia) pelo Irã por seu livro "Os Versos Satânicos".

Naquela época, Muamar Kadafi e Hosni Mubarak governavam a Líbia e o Egito, respectivamente. Ambos, igualmente como os seus colegas  ditadores em todo o mundo Árabe, não permitiam que as embaixadas dos Estados Unidos em seus países fossem atacadas. Ao invés, eles permitiam que as massas furiosas desabafassem protestando em outro lugar. Caso contrário, eles temiam, que a ira da multidão se voltasse contra eles. Ao mesmo tempo, eles usavam esses protestos como justificativa para seus regimes opressivos que, na opinião deles, eram o último obstáculo que bloqueava o caminho do Islã radical.

Kadafi e Mubarak foram depostos há pouco tempo atrás da Líbia e do Egito, mas não sem alguma ajuda de Washington. Um regime Islâmico tomou o lugar de Mubarak, no Egito, enquanto na Líbia, as facções radicais Islâmicas desfrutam de amplo apoio em todo o país depois de finalmente terem recebido permissão para operar.

Washington foi abençoado com estas mudanças e procurou vê-las como um passo adiante no caminho para o mundo Árabe se tornar mais democrático. Os EUA também procuraram construir com base no firme apoio que o Ocidente havia dado a esses Árabes revolucionários . Ontem, no entanto, as expectativas Americanas desmoronaram diante das realidades do Oriente Médio.

Esta é a hora da verdade para o regime Líbio. E é também, especialmente, para o regime da Irmandade Muçulmana do presidente Egípcio Mohammed Morsi , que não precisa de legitimidade vinda de elementos religiosos, ao contrário do regime de Mubarak, e que poderia ter vindo à público emitindo uma severa condenação à violência.

A questão, claro, é se o Egito de Morsi será mais aberto e tolerante alguns anos à frente, ou se vai ser um país onde os extremistas controlarão a agenda. Em tal cenário, o próximo acesso de raiva  anti-Americano ou anti-Ocidente é apenas uma questão de tempo.

Artigo Original: Israel Hayom

Exibições: 121

Responder esta

Respostas a este tópico

Parece que no mundo muçulmano há um rancor permanente, ou até mesmo um recalque em relação ao ocidente. Tudo é pretexto para atacar e matar. É uma pena que a civilização islâmica pareça estar tão atrasada. Vale mais reflexão.

Responder à discussão

RSS

© 2021   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço