JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

 

 

GAZA: PERGUNTAR NÃO CUSTA NADA

 

Não acredito que exista uma só pessoa séria no mundo que considere que Israel não tinha razões de peso para atacar Hammas.

 

Tenho certeza que todas as pessoas que enxergam além do próprio umbigo ou da sua “infalível” ideologia, consideram que era e ainda é intolerável o assédio (leia-se foguetes Kassam e similares) que Hammas impôs a uma parte da população do Estado de Israel.

 

Sim, podia afirmar-se sem medo de errar, que uma resposta israelense a esses ataques era uma questão de dias, ou semanas, ou meses, mas ninguém duvidava de que a resposta viria.

 

Ao olhar o mapa que os fatos desenharam na epiderme do (vitalício?) conflito, políticos sérios; população pensante; paises democráticos; organizações internacionais – como um todo – chegavam à mesma conclusão: nenhum pais pode aceitar o ataque indiscriminado de grupos armados que, atuando desde a clandestinidade, ponham em perigo a vida dos cidadãos.

 

Tal conclusão unânime continha no seu bojo uma aprovação implícita dos atos de defesa apropriados que Israel viesse a adotar para eliminar esse ataque indiscriminado.

 

Porém – sempre um maldito porém – essas bases comuns que justificavam a priori uma reação de Israel, duraram menos do que se podia imaginar.

 

Motivos não faltaram para o desmoronamento desse olhar comum, desse sentir uníssono, que poderiam ser resumidos numa só palavra que contém no seu intestino muito sangue inocente; intolerável falta de respeito às regras do jogo; absoluto desinteresse pela vida do inimigo, de sua família, dos seus amigos, dos seus vizinhos, e essa palavra é: desproporção.

 

Pareceria que Israel não aprende dos erros pasados e insiste em atuar como um elefante atacando a um pequeno batalhão de formigas. Tentou isso no Líbano e teve que sair de lá carregando seus mortos na mochila e a derrota escrita nas páginas da sua História.

 

Pareceria que Israel não soubesse que ganhar uma batalha militar ao preço de perder a batalha da opinião pública mundial (porque a israelense pesa pouco, quase nada, e a dos Estados Unidos está cada vez mais dividida) significa de fato perder a guerra. E isso é o que está acontecendo, e o pior de tudo é que o preço real dessa derrota é a imparável deslegitimação do Estado de Israel, graças às meias verdades que propagam os inimigos e às enormes mentiras que fabricam os amigos.

 

Bom, para começar por algum ponto que não seja a destruição do templo ou o pogrom de Hebron de 1929 (pontos que usam e abusam os fanáticos como álibi para justificar qualquer ato de vandalismo contra o povo palestino ou parte dele), tomemos como ponto de partida e único exemplo neste artigo, a “desconexão” de Gaza, que é a grande farsa que gera enormes custos em vidas e em respeito aos direitos humanos de todos os humanos.

 

Israel abandonou Gaza sem jamais abandonar Gaza. Nunca deixou de controlar os passos fronteiriços, os portos, o suministro de combustível e alimentos. Ou seja, a ocupação continúa até a presente data, o que – per se – serve como argumento de peso para os que defendem o uso da força para alcançar a auto-determinação do povo palestino, ainda que tal defesa requeira malabarismos incríveis, dada a hipocrisia usada para ignorar ou minimizar os defeitos de forma e de fundo dessa “estrategia da morte”.

 

Proibido esquecer que Israel primeiro (durante os 80) armou e treinou a Hammas, e depois (Ariel Sharon) apoiou um “golpe de Estado” contra Hammas e a favor da chamada Autoridade Nacional Palestina. Certamente muitos gostariam que o mundo esquecesse que Hammas foi quem ganhou – limpamente – as eleições, e que a posteriori, com a ajuda de Israel, modificou-se a lei para que o presidente que perdera as eleições (Abbas) pudesse governar. Não cabe a menor dúvida que esse foi o detonante da toma do poder em Gaza por Hammas, valendo-se do uso da força contra a ANP.

 

Suponho que insistir nos detalhes fará que este artigo seja demasiado extenso e carregado de fatos por todos conhecidos. Por isso é que apenas adicionarei algumas perguntas e uma só resposta, que é a forma em que a vida propõe e o homem dispõe:

 

1.- Pelo simples fato de que um temido terrorista de Hammas more num quinto andar de um edifício céntrico, pode Israel bombardear o edifício, matando o terrorista, sua esposa, seus 6 filhos, seus 19 vizinhos?...

 

2.- Pelo simples fato de que os atiradores de foguetes Kassam circulem pela avenida principal de Gaza, pode Israel destruir essa via pública de circulação usada por mais de um milhão de habitantes da cidade?...

 

3.- Pelo simples fato de que um grupo de terroristas se refugie na Universidade Islâmica de Gaza, pode Israel bombardear a Universidade na qual trabalham e estudam milhares de pessoas que não são terroristas?...

 

4.- Pelo simples fato de que um grupo de terroristas ponha em xeque a dezenas de milhares de israelenses com os seus foguetes, pode Israel bombardear as estações de rádio, de televisão, as escolas, os hospitais de Gaza, como resposta?...

 

5.- Pelo simples fato de realizar-se eleições, pode o governo de Israel usar as bombas como arma eleitoral?...

 

6.- Pelo simples fato de que Israel tenha o direito inalienável de viver em paz sem a ameaça de grupos terroristas, pode Israel ignorar as convenções internacionais, os tratados assinados, as leis escritas, a jurisprudência internacional, como se fosse dona e senhora absoluta da Razão e da Verdade?...

 

Perguntas, como podem ver e ler, não faltam, e NÃO é a única resposta digna que merecem tais perguntas. O resto é burda ideologia, azedo fanatismo, sujo racismo.

 

Um Estado de Direito não pode atuar em nenhuma circunstância como se fosse uma gangue de mafiosos, ou uma célula terrorista ou Estado totalitário.

 

A brutal desproporção da resposta israelense em Gaza e no caso da “flotilha” entre outras muitas, coloca o seu governo em alguma dessas categorias, porque sitúa a resposta no mesmo nivel de baixeza e indignidade do ataque.

 

Lamentavelmente o povo em Israel sabe pouco ou nada. A imprensa (com a honrosa exceção do jornal Ha'aretz) é absolutamente unilateral. A Verdade sofre os rigores da censura militar, da auto-censura, da desinformação. Pouco ou quase nada se vê ou se fala  dos terríveis efeitos – incluidos os numerosos mortos – da desproporcional resposta israelense.

 

Chegou a hora de parar. Uma trégua indefinida deve ser imposta às partes se estas insistem em continuar a barbárie.

 

Hammas tem que saber e entender que enquanto caiam foguetes em Israel, serão eles os responsáveis dos mortos palestinos.

 

Israel tem que saber e entender que enquanto insista em querer decidir o destino de Gaza, impondo o ferrolho nas fronteiras, o black-out, a fome, serão eles os responsáveis dos mortos israelenses.

 

Não haverá paz para Israel sem que haja paz para os palestinos.

 

Não haverá paz para os palestinos sem que haja paz para Israel

 

Chegou a hora dos Políticos e não dos generais. Israel tem que assimilar que é preciso negociar com Hammas, porque é com o inimigo que se negocia. Hammas tem que assimilar que é preciso negociar com Israel, porque é com o inimigo que se negocia.  O resto é um convite a mais sangue e mais mortos e menos paz.

 

 

Bruno Kampel

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Exibições: 131

Responder esta

Respostas a este tópico

Bruno,
Voce foi brilhante em sua explanação, e compartilho da mesma ideia,e lamento o poder da mídia nos povos para exercer o controle e poder do estado,mas lamentavel mesmo sao as vidas interrompidas estupidamente em nome do orgulho e soberba humana.
Bruno, seria simples demais apenas criticar o estado de Israel por revidar ataques e sugerir a velha diplomacia sem violencia, mas acontece que, se tu fores pesquisar, descobrirá que o Hammar tem uma ideologia anti-sionista, ou seja, de maneira alguma concordará com a existência dele e atacará até que nao possa mais. Então, vai ingorar o inimigo que cutucas a tua pele, querendo furar e te matar? Se o inimigo declara uma guerra interminavel até que tu sejas destruído, vai ignorar? E se ele te atacar 20 vezes, o que vai fazer?

Não estou querendo dizer que Israel deve destruir ou atacar gaza, mas não é tao simples esse conflito. O maior dano que é causado a Israel certamente não é o dos misseis que são lançados pelos terroristas, e sim a fama que fica quando a noticia é distorcida pelas fontes parciais de comunicação. Procure outras fontes de informação e desconfie dos jornais e da televisão.
Pronto, está instaurada a controvérsia!
Suponho que tenha sido assim que, desde o Gênesis – mais precisamente, desde a torre de Babel – os homens passaram a não mais escutar uns aos outros.
Vamos ler e reler o que o Bruno escreveu, gente! Depois respondemos, que tal?
E, evidentemente, com propostas de resolução do conflito que permitam que, ao final, haja pelo menos cinco judeus e cinco palestinos para contar a história...


maila fagioli disse:
Bruno,
Voce foi brilhante em sua explanação, e compartilho da mesma ideia,e lamento o poder da mídia nos povos para exercer o controle e poder do estado,mas lamentavel mesmo sao as vidas interrompidas estupidamente em nome do orgulho e soberba humana.


JLBorges: Deculpe eu saber tão pouco de Israel. Lamentvelmente não disponho das fontes infalíves das quais faz uso para construir sua teoria. Não consigo ir além dos fatos reais e da interpretação dos mesmos.

O que sim, parece que somos muitos judeus sionistas, humanistas, progressistas, muitos vivendo em israel, outros - como eu - que viveram lá 10 anos ou mais, que ajudaram a fundar o movimento Paz Agora em Israel (modestamente, eu), que prsidiram a Organização Sionista mundial e o parlamento israelense (Avraham Burg), que assinam colunas políticas no jornal Ha'aretz (Gideon levi, Uri Avnery, etc.) que cometemos o mesmo erra e tropeçamos uma e outra vez na mesma pedra: falar sem saber.

Sugiro-lhe um exercício de paciência: entre na página do Google e digite o meu nome: bruno kampel
Esqueci de mencionar um ponto que me parece relevante: Hammas não iniciou nada! Israel iniciou tudo, com a ocupação. Essa é a grande armadilha que a realidade põe aos pés dos argumentos como o seu. Quem ocupa é o agressor. Assim está estabelecido em todas as Convenções e tratados internacionais que, não esqueçamos foram assinados por Israel.



Bruno Kampel disse:


maila fagioli disse:
Bruno,
Voce foi brilhante em sua explanação, e compartilho da mesma ideia,e lamento o poder da mídia nos povos para exercer o controle e poder do estado,mas lamentavel mesmo sao as vidas interrompidas estupidamente em nome do orgulho e soberba humana.


JLBorges: Deculpe eu saber tão pouco de Israel. Lamentvelmente não disponho das fontes infalíves das quais faz uso para construir sua teoria. Não consigo ir além dos fatos reais e da interpretação dos mesmos.

O que sim, parece que somos muitos judeus sionistas, humanistas, progressistas, muitos vivendo em israel, outros - como eu - que viveram lá 10 anos ou mais, que ajudaram a fundar o movimento Paz Agora em Israel (modestamente, eu), que prsidiram a Organização Sionista mundial e o parlamento israelense (Avraham Burg), que assinam colunas políticas no jornal Ha'aretz (Gideon levi, Uri Avnery, etc.) que cometemos o mesmo erra e tropeçamos uma e outra vez na mesma pedra: falar sem saber.

Sugiro-lhe um exercício de paciência: entre na página do Google e digite o meu nome: bruno kampel

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço