JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Perdão não faz sentido.

Por que perdoaríamos os desafetos, os inimigos, os injustos e os caluniadores? Os políticos e os agressores? Os egoístas e os censores? Os críticos e os traidores?

Mesmo assim este é o dia. Esse é o dia para fazer isso.

Não se trata de uma superestimulação intelectual, nem de uma adesão acritica ao dogma religioso. Perdão faz parte de uma longa viagem que termina nesta janela aberta.

Atravessemo-la ou recusemo-la. Não importa sua decisão, ela continua real e se recusa a desaparecer.

A janela do perdão fica sobre um espelho muito maior. O tal quadro que nos viabiliza como sujeitos.

Perdoar não é um aceno à ingenuidade mas um passo forçado para a integração. A maturidade real e não aquela que se exige de adultos, que disfarçam as neuroses com a seriedade. Despistamos as angustias com trabalho e carreiras.

Perdoar é dar passo em falso. É cair no terreno das coisas não respondidas e das correspondencias extraviadas.

Perdoar é como brincar sem (nenhuma) razão.

Perdoe e pronto. O sentido, pode, talvez, ser redescoberto depois ou nunca.

Faça-o ou não, mas tente esquecer que a vida adulta nos traz responsabilidades e crescimento como torturas necessárias.

Desculpem-se

Dobrem-se ao postulado infantil, desçam ao transbordante poço das incoerencias que está para bem além de perdoar: a vontade e a necessidade de ser perdoado.

– Mas e se não fiz nada para ter que ser perdoado?

– Desculpe, melhor ainda, non sense é o que vale.

Exibições: 432

Responder esta

Respostas a este tópico

Maravilhoso!

Perdão: uma reflexão sobre Yom Kipúr por Paulo Rosenbaum

Perdão: uma reflexão sobre Yom Kipúr por Paulo Rosenbaum

Verdade; "um passo forçado a integração". Quer dizer: se não aprender-mos a perdoar logo estaremos só no mundo! Colecionar desafetos é razoalvelmente fácil. Apreder a perdoar é um exercício extenuante que requer força de vontade para executa-lo de forma consciente; verdadeira. Mas, apesar do trabalhão que dá; vale a pena. Perdão faz bem, primeiro, a quem perdoa!

Perdão: uma reflexão sobre Yom Kipúr por Paulo Rosenbaum

Perdão: uma reflexão sobre Yom Kipúr por Paulo Rosenbaum

Responder à discussão

RSS

© 2019   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço