JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Esta é uma história passada num país distante. Uma história de uma menina que apenas sentia. Esta era a única coisa que sabia fazer. Diziam pelas ruas da cidade que seu coração era grande, tão grande, que tinha até um lago no meio. Acho que inventaram isso porque a menina chorava quando sentia muito as coisas. A menina não falava tanto das coisas que sentia, então escrevia cartas. Ela até inventava gente ou animava objetos, porque as pessoas de verdade não a entendiam muito bem. Uma vez encontrei uma carta da menina que só sabia sentir num sonho. Foi numa noite de vento forte. A carta dizia assim:
ל י לָ ה
(A menina sabia escrever em hebraico e escreveu uma carta endereçada à noite)
Tuas estrelas piscam e eu nem imagino o lugar da mais distante. Te olho como quem vê um espelho e se pergunta: O que é a coisa mais importante da vida? E vem tanta resposta na cabeça que não escolho uma. Encontrar o outro? Ser humano? Amar? Sonhar? Inventar? Respirar? Desejar? Tudo isso é existir? Cada um tem uma resposta? Eu tô lembrando de um quase afogamento que tive e fiquei sem respirar e entrou muita água em meu pulmão. Acho que fez um lago em meu peito. Tem muitos peixes e meu coração fala a língua do aquário. Outro dia eu borbulhei novecentas letras de uma vez só. Imagine o mar feito de letras. Era muito mais que H2O. Eram letras misturadas e eu podia fazer delas o que quisesse. Eu sentia que viver mais parecia inventar um país e nova língua. Eu queria falar amorolês... Talvez todos pudessem compreender... (Flávia Muniz Cirilo)

Exibições: 44

Respostas a este tópico

Esse editor não deixa eu começar o hebraico pela direita!!!hunf!
Flávia, seu nome hebraico bem q. podia ser mesmo Laila ,mas Laila shel kochavim - Noite de Estrelas...
Não creio q.exisa um "algo mais importante", muita coisa é muito importante, prá começar todos estes verbos que você cita acima, em amarolês,
Bjs.
Elias

RSS

© 2020   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço