JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

 

 

 

AS INTELIGENCIAS MULTIPLAS

 

O termo inteligencia emocional se refere à capacidade do ser humano de sentir, entender, canalizar e modificar estados emocionais em si mesmo e em outros. Inteligência emocional não é reprimir as emoções, mas sim vivenciá-las de forma positiva.

 

O conceito moderno de inteligência surgiu nos anos 1920 com o psicologo francês Binet, a pedido do ministério de educação francês. Este pediu a Binet que crie um teste para selecionar os mais capacitados, que possam assumir as lideranças científicas, acadêmicas, políticas, econômicas e sociais-políticas do País. Neste momento surgiu o precursor do teste de Q.I.

 

Inteligência se definiu como a capacidade do ser humano de captar o mundo (input), processar a informação (process) e encontrar soluções (output).

 

Este conceito permaceu único até os anos 80, quando Dr. Howard Gardner[1], da Universidade de Harvard, propõe a teoria de Inteligencias Multiplas, na qual define que o ser humano possui 7 inteligências distintas, ou seja sete formas de captar, processar e solucionar o mundo. Grosso modo, as sete inteligências são:

 

          Inteligencia Logica-Matematica: desenvolvimento do pensamento abstrato, simbolos, numeros, formulas, precisão e organização.

          Inteligencia Verbal: a capacidade verbal, linguagem, gramatica e a manipulação da palavra falada e escrita.

          Inteligencia Espacial: a capacidade de integrar formas, elementos espaciais, cores, ordenando-os no espaço e criando relações metaforicas entre eles.

          Inteligencia Musical: se relaciona diretamente com as habilidades musicais, ritmo, tom.

          Inteligencia Cinetica: engloba  tudo que se relaciona com o movimento corporal, objetos, reflexos, sensorial motorico.

          Inteligencia Intra-pessoal: o conhecimento e a conscientização de si, atraves  do sensorial, emotivo, racional e moral-etico.

          Inteligencia Inter-pessoal: a capacidade de conhecer e se conscientizar do outro, atraves do sensorial, emotivo, racional, moral-etico. A capacidade de ser empatico e criar relações interpessoais.

 

Cada ser humano possui um perfil das sete inteligencias unico e particular, sendo parte delas sobressalentes, parte delas medianas e parte debilitadas. Diagnosticar e definir o perfil individual significa criar um novo sistema de avaliação, diferente do Q.I., em parte quantitativo e em parte qualitativo. Isto significa, que aceitando a teoria de Gardner, deixamos de definir o individuo como inteligente ou não, e passamos a definir a area na qual ele é inteligente ou não. Estamos democratizando a inteligencia e redefinindo todos os valores psico-pedagogicos do sistema educacional – definição de curriculum, tematica, estrutura, metodologias, metodos de avaliação e principalmente filosofia e objetivos do sistema educacional.

 

A INTELIGENCIA EMOCIONAL

 

 Em 1990, dois psicologos norteamericanos, Dr. Peter Salovey e Dr. John Mayer, definiram a “inteligencia emocional”. A inteligencia emocional é a sinteses das inteligencias intrapessoal e interpessoal, sendo seu centro, independente, na amigdala, centrada na _____________ do cerebro.

 

A  divulgação do conceito se fez principalmente através do livro “Inteligencia Emocional” de Daniel Goleman, periodista do New York Times, em 1995. Nestes dez anos houve um desenvolvimento muito grande da pesquisa e da aplicação no campo da familia, educação e organização. Em 2005, no congresso de Inteligencia Emocial, na Holanda, o lema foi “Inteligencia Emocional para uma sociedade sustentável”. O novo conceito, uma vez aceito, tende a revolucionar a forma de ver o mundo, tomar decisões e buscar soluções de conflitos, assim como exige uma nova visão no processo e no dialogo nas terapias individual, de casal ou de familia, no sistema educacional, nas relações interpessoais em organizações, no trabalho e na coordenação e direção de empresas.

 

O CEREBRO HUMANO

 

O cerebro humano está formado por varias zonas diferentes que evoluiram em periodos distintos da evolução humana. Quando o cerebro de nossos ancestrais crescia e desenvolvia uma nova região, as regiões antigas não eram afetadas. Camada sobre camada se foi formando o cerebro humano ateé os dias de hoje. Definimos 3 principais areas – o cerebro reptil, o sistema limbico e o neo cortex.

 

Essas partes primitivas do cerebro humano seguem operando em concordancia com um esteriotipado e instintivo conjunto de programas, da mesma forma que operam em reptis e mamiferos primatas. Este é o motivo de se dar o nome de “cerebro reptil” ao primeiro estagio, que se responsabiliza por todas as funções relacionadas com a sobrevivencia – fome (resposta busca de comida), sede (busca de fontes de agua), instinto reprodutivo (desejo sexual) e o instinto de brigar-ou-fugir (fight X flight, F x F).

Nos reptis, as respostas a objetos sexuais, a comida, sede ou ameaça são automaticas e programadas. O neocortex[2], obviamente não existe nestes animais.

No entanto, muitas pesquisas demonstraram que grande parte do comportamento humano se origina nas zonas mais profundas do cerebro, as mesmas que em tempo dirigiram os comportamentos vitais de nossos antepassados. “Nos ainda temos em nossas cabeças estruturas cerebrais muito parecidas com as do cavalo e do crocodilo”[3]. Nosso cerebro primitivo de reptil, que remonta a mais de duzentos anos de evolução, gostemos ou não reconhecê-lo, seguem dirigindo nossos mecanismos para cortejar, casar, buscar moradia e selecionar dirigentes. É responsavel por muitos de nossos rituais e costumes.

 

O sistema limbico, tambem chamado de cerebro dos mamiferos, é a porção cerebral situada imediatamente debaixo do cortex cerebral e que comprende centros importantes como o Talamo, Hipotalamo, Hipocampo e a amigdala cerebral (não está situada na garganta).

 

Estes centros atuam em todos os mamiferos, sendo a base do comportamento emocional como o medo e a agressão. No ser humano estes são os centros da afetividade, e é aqui que se processam as varias emoções e as respostas a medos, raivas, dores, angustias, frustrações, inveja, alegrias, etc.

 

O papel da amigdala como centro de processamento dos “dados emocionais” é indiscutivel. Pacientes de amigdala lesionada deixam de ser capazes de reconhecer expressões faciais de alegria, tristeza, dor, de uma outra pessoa, de relacionar-se emocionalmente.

 

Há cem milhões de anos apareceram os primeros mamiferos superiores. A evolução do cerebro deu um salto quantico. Por cima do “bulbo raquideo” e do sistema limbico surge o neocortex, o cerebro racional, cerebro dos mamiferos superiores. Aos instintos, impulsos e emoções agregou-se desta forma a capacidade de pensar de forma abstrata e mas alem da imediatez do momento presente (espaço temporal)., de compreender relações globais existentes e de desenvovler um “eu consciente de sua existencia” e uma complexa vida emocional.

 

Hoje, a cortex cerebral, cobre e engloba as zonas cerebrais mais antigas e primitivas. Essas regiões não foram eliminadas e nem foi paralisadas suas ações. A maioria dos centros de absorção de informação, de processamento e de ação localizam-se no cortex cerebral.

 

O sistema limbico está em constante contato com o neocortex, atraves de uma rede eletrica e de neuronios, transmissores da informação emocional. Ao receber uma informação exterior, esta  se depositará no cortex e será examinada em primeira instancia pelo neocortex, e de lá será transferida a amigdala caso seja uma informação emocional. Esta rede de “dialogo” é que nos possibilita ter controle sobre nossas emoções. Assim que o neocortex nos capacita, alem de solucionar problemas de ordem cognitiva, solucionar problemas de ordem emocional. Amor e vingança, altruismo e intrigas, arte e moral, sensibilidade e entusiasmo vão muito além dos rudes modelos de percepção e comportamento espontaneo do sistema limbico ou do cerebro reptil. Por outro lado, em situações determinadas, nas quais o individuo sente-se ameaçado, o sistema de comunicação entre as varias zonas cerebrais se desestrutura, passando o dominio de processamento e de ação para o cerebros primarios e primeiramente a resposta de F x F.

 

O CIRCULO DO MEDO E DA RAIVA

 

Como foi dito anteriormente , em momento de ameaça o individuo reage instintivamente relacionando-se a sua formação primaria, atuando com resposta programada de F x F. A duzentos milhões de anos, a cem milhões de anos, a 1 milhão de anos, a dez mil anos o ser humano manipulava pouco o seu meio ambiente, e a reação F x F era uma reação de sobrevivencia, positiva.

 

Ao sentir-se ameaçado, o individuo reagia com medo ou com raiva. O medo criava a reação de fugir (flight) e a raiva a reação de agredir (fight). Assim, instintivamente o ser humano, frente a um desafio ou perigo, fugia ou agredia.

 

Com a manipulação do meio ambiente, através do entendimento do universo e da capacidade de transformar este entendimento em tecnologia, conseguiu o ser humano através de suas ações, modificar o mundo e enfrentar ameaças, antes jamais imaginaveis.

 

Nos ultimos dez mil anos, cada vez mais, o ser humano passou a dominar o mundo, a controla-lo e a redefinir seu meio ambiente. Esperariamos, que este processo, diminuisse a necessidade do ser humano de utilizar o processo de    F x F. Mas, paradoxalmente, cada vez mais, estamos envolvidos numa sensação de ameaça (em sua maioria mais psicologica  do que fisica) atuando, assim, através da reação de F x F.

 

A este processo chamamos, o Circulo do Medo e da Raiva (CMR). O Homem Moderno, entra constantemente neste circulo atraves de tres “portões” principais – frustrações, transborde emocional e crise, reagindo através de atitudes agressivas ou através da fuga, o famoso “escapismo”.

 

                                             frustração

 

 

 

                                                     CMR

 

                             transborde                           crise

                              emocional

 

                                           

                                             brigar          fugir

 

Todos nos entramos em momentos distintos de nossas vidas no CMR, atuando de forma instintiva de fxf. O problema surge quando entramos demasiadamente neste circulo, ou seja quando temos uma vida demasiadamente frustrante, com crises e que nos causa um constante transborde emocional.

A criança, no mundo moderno, no qual a falta da presença dos pais, por motivos economicos, carreiristas ou divorcio, de um sistema educativo-socializante claro e bem definido (com limites fechados ou abertos), no qual a criança passa a maior parte de seu tempo em contato com fatores socializantes como a internet, a televisão e a propaganda em massa, transmissores de valores materiais, ideologicos e fisicos praticamente inantingiveis pela maioria, esta propensa a um maior estado de frustração, de transborde emocional e de crise.

 

O adulto, incapaz, em sua maioria de responder as expectativas transmitidas pelos valores da sociedade (materialista e competitiva) e assumidos e interiorizados por ele proprio, tambem se torna mais propenso a um maior estado de frustração, transborde emocional e crise.

 

Desta forma a sociedade abre as portas do CMR, de forma constante, gerando

 que uma sociedade inteira passe a maior parte de seu tempo neste circulo, assim aumentando a violencia interna desta sociedade ou o escapismo de seus individuos, atraves do excesso ou vicios – sejam eles legais como a televisão e a internet, o jogo-apostas, o alcohol, a obesidade excessiva, o shoping, ou os ilegais como as drogas.

 

Estar por tempo demais no CMR, atuando atraves do fxf, cria um sistema estressante, que como consequencia uma baixa do sistema imunologico resultante um maior indice de enfermidades.

 

 

Até os anos 80 acreditava-se que o desenvolvimento cognitivo-racional do ser humano seria a resposta aos problemas e a capacidade do ser humano de buscar soluções para suas angustias, dores, frustrações. Hoje, sabemos claramente que a resposta é negativa. Dentro de nossa visão a solução está no desenvolvimento de individuos e sociedades mais inteligentes emocionais.

 

Para isto tentemos entender como se processa o desenvolvimento da Inteligencia emocional, quais são seus axiomas e quais são suas metodologias.

 

DESENVOLVIMENTO DA INTELIGENCIA EMOCIONAL

 

Assim como se desenvolveu uma sistematica e uma metodologia para o desenvolvimento das capacidades cognitivas, e portanto do Q.I., se desenvolveu uma sistematica e uma metodologia para o desenvolvimento da Inteligencia Emocional.

 

A Inteligencia Cognitiva desenvolve-se até os anos 20 +.  A partir deste momento o que se desenvolve são nossas capacidades instrumentalistas, que nos possibilitam solucionar problemas cada vez mais complexos. O Q.I., medido quantitativamente se fixa. O desenvolvimento da IE é espiral e não linear, isto significa que não existe um ponto inicial e um ponto final. Existe um processo aspiral superior, podendo iniciar-se a qualquer idade. Logicamente quanto mais cedo, mais vantajosos será. Até hoje não se encontrou uma forma de medir a inteligencia emocional quantitativamente. O Q.E. é medido qualitativamente e não é termo comparativo.

 

O desenvolvimento da inteligencia emocional se dá através de um processo espiral, no qual se desenvolvem 5 habilidades:

 

1. Autoconsciencia

2. Canalizaçõa de emoções

3. Motivação

4. Empatia

5. Relações interpessoais

 

 

1.Autoconsciencia

 

A inteligencia emocional começa com a auto-consciencia. O termo consciencia se usa para distinguir, entre funções mentais, as caracteristicas que se referem tanto ao chamado “estado de consciencia” como para designar os processos internos do ser humano com os quais é possivel adquirir consciencia. A este ultimo chamamos de auto-consciencia.

 

No primeiro caso a consciencia é vigilancia ou estado de alerta e coincide com a participação do individuo nos acontecimentos do ambiente que o redeia.

 

A auto-consciencia não é auma função tão direta como poderia parecer a primeira vista e muito menos uma resposta as emoções. Se eu falo que estou bravo, talvez esteja, mas talvez não. Pode ser que estou com medo, com ciumes ou que sinta as duas coisas.

 

Como fazemos para ter uma consciencia exata do que nos esta passando? A nivel sensorial, emocional e racional?

 

A esta pergunta responde o principio da auto-consciencia. Somente quando há uma integração da informação afetiva com o sistema perceptivo. Por exemplo, para poder controlar nossa irritabilidade devemos ser conscientes de quais são os agentes desencadeadores e qual o processo pelo qual surge tão poderosa emoção. Para evitar o transborde emocional, temos que ter consciencia da razão pela qual permitimos que determinados fatos o afirmações negativas contra nós afetam nosso animo.

 

A chave da auto-consciencia e saber sintonizar com a totalidade das informações que possuimos – nossas sensações, emoções, valores, pensamentos, intenções, ações – sobre nos mesmos. Estas informações nos ajuda a comprender como respondemos, comportamos, comunicamos, atuamos em diversas situações. Ao processamento de toda esta informação é que chamamos de auto-consciencia.

 

Junto com os sentimentos ou emoções, aparecem manifestações fisicas como transpirar, respirar com dificuldade, “pele de galinha”, dores de barriga, tensão, cansaço e manifestaçõaes cognitivas como falta de concentração, conduta motriz desequilibrada, congelamento e bloqueio da memoria. Ou seja a manifestação emocional automaticamente desperta manifestações sensoriais e cognitivas.

 

Uma ferramente da auto-conscientização é a conscientização do proprio corpo, dos sentidos. Temos que ter a capacidade de descrever nossos corpos e nossa mente em detalhes, no aqui e agora, incluso a respiração, transpiração, irriquietudes, falta de concentração, pensamentos inquietantes, o conteudo destes pensamentos.

 

Começar a observar as manifestações exteriores da excitação interior como absolutamente naturais e comuns.

 

2. Canalização Emocional

 

A segunda habilidade pratica é a capacidade de canalização dos estados emocionais, nos quais há um transborde emocional.

 

Forma parte da sabedoria universal o fato de que sentimentos alteram o pensamento: quando estamos “cego de raiva”, enfurecidos como um touro” ou loucamente apaixonados”, a propria linguagem indica a razão e o pensamento e em tais situações não temos a minima possibilidade de um dialogo entre o emocional e o racional. Estamos profundamente envolvidos com fxf.

 

Como vimos antes as emoções basicas relacionadas a fome, sede, medo, raiva, sexualidade e o cuidado as crianças, formam parte de nosso repertuario primario. Estão enraizadas biologicamente na nossa natureza e formam parte de nosso ser. No entanto o modo que manejamos esses sentimentos em ação estão em nossas mãos, na nossa capacidade de dialogar entre as zonas distintas de nosso cerebro. A capacidade de dialogar entre as diferentes zonas é a capacidade de canalizar nossas emoções.

 

Por canalizar emoções não entendemos como reprimir-las, muito pelo contrario, criar um repertuario comportamental que nos possibilite expressar nossas emoções de forma positiva a nos mesmos e na relação com o outro, inclusive determinando quando expressar-las canalizadas ou totalmente liberadas.

 

Não podemos elegir nossas emoções. Não se pode simplesmente desconectar ou evitar. Mas esta em nosso poder a forma com que expressaremos esta emoção e o objetivo desta expressão.

 

3. Motivação

 

A terceira habilidade no desenvolvimento da inteligencia emocional é a motivação ou a “relação a vida”. A forma com que me relaciono com a vida será motivadora ou desmotivadora dependendo da forma com que me relaciona a:

 

  1. Medo ou amor: posso relacionar-me      com a vida através do medo ou do amor. Uma relação de medo paralisa      qualquer tentativa de ação, de criatividade, de mudança. Logicamente uma      relação de medo é criada através de uma relação da punição a sentimentos,      pensamentos e comportamentos inadequados segundo o punidor. Uma relação de      amor cria, motiva, encoraja a pessoa a arriscar na vida, a tentar. O medo      ao fracasso, o amor ao viver. O medo gera o pessimismo, o amor o otimismo.
  2. Pessimismo ou otimismo: uma visão      pessimista do mundo é uma visão que gera passividade, inativismo,      determinismo. “nada vai melhorar”, “para que?”, “não vai dar certo”, “já      tentei” são frases tipicas do pessimismo. Uma visão otimista do mundo gera      a iniciativa, a tentativa de melhorar uma situação, o ativismo.      “transformar um problema numa oportunidade” é ser otimista. Pessimismo      leva a vitima, otimismo a responsabilidade.
  3. Vitima ou responsavel: A vitima é      passiva, se julga incapaz de agir, não assume responsabilidade, não      aprende da experiencia. O responsavel analise a situação, conclui e assume      sua responsabilidade nos resultados para bem e para mal, aprende da      experiencia. A vitima desproporciona as situações, o responsavel      proporciona-as.
  4. Desproporcional ou proporcional: “fazer      uma tempestade num copo d’agua” é o lema do “desproporcional”. Brigar aos      gritos com o filho por este haver quebrado um copo, com a mulher por um      comentario, com um funcionario por uma falta minima. “Há coisas piores” é      o lema do “Proporcional”. O primeiro cria uma relação W-L, o segundo uma      relação W-W.
  5.  W-l ou W-W: Encarar a vida sempre como      competição, na qual um ganha o outro perde, e sempre medindo que vai      ganhar e lutando contra todos para ganhar é a visão w-l. Já o   w-w sempre vai achar a formula para que      ambos os lados saiam satisfeitos de uma solução de problemas. Na relação      pais-filhos, casal, familia, empregado-empregador, educando-educador a      visão w-l levará a destruição das relações, enquanto que a visão w-w      poderá projetar-la a esferas mais altas.

 

Motivação e motivo vem do mesmo verbo latino movere, mover-se. Para agir, relacionar-se, mudar, confrontar é preciso motivação. Motivar é conseguir uma mudança no comportamento proprio ou do outro, dirigido a um fim determinado.

 

4. Empatia

 

Reconhecer os sentimentos de outras pessoas, comprender porque os outros se sentem assim, sentir as emoções dos outros como se fossem as suas proprias. Esta habilidade de sentir-se como os outros é a “empatia”.

 

Quando desenvolvemos a empatia, a quarta habilidade pratica da inteligencia emocional, as emoções de outros refletem em nos mesmos. Sentimos quais são as emoções, a sua potencialidade e a sua origem. È importante diferenciar empatia de simpatia. A ultima é uma relação positiva em relação a outra pessoa, sem necessariamente saber e entender os seus sentimentos. A empatia inclui a compreensão das perspectivas, pensamentos, desejos e valores alheios.

 

5. Relações Interpessoais

 

As relações interpessoais, a quinta habilidade pratica da inteligencia emocional, são a capacidade de se relacionar com o outro, de escutar e ser escutado, de absorver e ser absorvido, numa relação de dialogo real e verdadeiro.

 

A comunicação interpessoal se faz em tres niveis – cognitivo, emocional e moral-etico. Uma vida plena e exitosa se constroi gradualmente a partir de uma serie de interações cotidianas com outros seres humanos, nas quais algumas são vitais e outras triviais, no entanto, nenhuma deixará de ter consequencias. O exito na vida particular-social ou profissional, a capacidade de solucionar conflitos dependerá indiscutivelmente da eficacia das relações interpessoais.

 

Para se obter um bom manejo nas relações interpessoais é preciso um auto grau de autoconsciencia, canalização emocional, motivação e empatia. Talvez seja esta o objetivo final de nosso processo, a capacidade do individuo de relacionar-se com o mundo objetivo e subjetivo de forma positiva, na qual consiga criar relações verdadeiras, intimas, construtivas, eficientes, produtivas. Uma relação na qual o individuo tenha consciencia de seu ser, saiba transmitir seus sentimentos, pensamentos, valores de tal forma que o outro seja capaz de absorve-los, motivado para uma propria mudança e sendo capaz de motivar uma mudança no outro, entendendo as dificuldades do outro nesta transformação.

 

OS DEZ MANDAMENTOS DA IE

 

Ao lado do desenvolvimento das habilidades praticas da inteligencia emocional, como fator para um melhor desenvolvimento do individuo em seu relacionamento consigo mesmo, com o outro e com o mundo que o rodeia e como fator primordial e preventivo ao CMR, acreditamos na existencia de um modo de vida mais são emocionalmente, possibilitando ao individuo a criação de um meio no qual as contingencias se apresentariam como reforçadoras na imunibilidade do individuo de entrar no CMR, e se porventura este entrasse no circulo, lhe daria maior capacidade de sair dele o mais rapido possivel.

 

  1.  Falar: expressar nossos sentimentos,      pensamentos, ideias, valores a outro. Expressão esta que pode ser atraves      da palavra falada e escrita, das artes, da musica, dança, teatro. “Falar”      resulta em 50% da solução do problema, conflito.
  2.  Humor: Para “emburrar necessitamos ativar      mais de 100 musculos, para rir somente 24, assim que comecem a rir, é mais      facil”. Alem disso nunca vi alguem gritar enquanto ria!!! O riso libera      endorfinas e nos da uma sensação de felicidade, prazer. Humor é o primeiro      passo no processo de nossa relação positiva com o mundo. Aprenda a rir!!!
  3.  Exteriorizar as raivas: Encontrar a forma      pela qual extrapolizar o rancor, a raiva. Qualquer forma que não machuque      a outro é valida. Eu costumo parar no meio da estrada a noite e gritar o      mais alto possivel. Cinco minutos por semana me bastam!!!
  4.  Escolher as “brigas, problema, conflitos”:      “Uma vez um professor de administração foi convidado a dar uma palestra a      seus colegas. Sabios como ele, não sabia o que fazer. Ao final trouxe um      vaso de vidro, pedras grandes, pedregulhos, areia e agua. Colocou as      pedras grandes até a borda e perguntou ao publico se achavam se o vaso      estava cheio. A resposta foi unanime positiva. O professor pegou os      pedregulhos que se infiltraram por entre as pedras. De novo perguntou se o      vaso estava cheio. Desta vez a resposta foi negativa. Assim seguiu e      colocou a areia por entre os pedregulhos e finalmente a agua até      transbordar. Neste momento todos concordaram que o vaso estava cheio.      Perguntou qual a conclusão e eles responderão, que aprendemos que sempre      se pode dar mais tarefas em um determinado tempo. O professor contestou      “Errado. A conclusão é que temos que saber em que ordem por as coisas,      pois se tivessemos colocado a agua em um principio não haveria espaço para      as pedras grandes. Saibam quais são as vossas pedras grandes!!!”.
  5.  Relaxamento: Meditação, yoga, relaxamento      fisico proporcionam um re-equilibrio mental e emocional, assim como      reforçam o sistema imunologico.
  6.  Contato com a natureza: Pesquisas      realizadas por Mayer comprovam que pacientes em contato com a natureza      apresentam uma melhoria maior do que pacientes que não estiveram em      contato (doentes fisicos e mentais).
  7.  Atividade fisica
  8.  Alimentação sã
  9.  Apagar a televisão e criar lazer ativo e      criativo: O principal não é não ver televisão, mas sim apagar-la. Isto      significa assumir a responsabilidade do tempo livre, do lazer. Escolher o      programa que queremos ver e não chegar em casa se jogar no sofa e ligar a      televisão. Paralelo a isto seria apagar o celular em determinadas horas do      dia, não ligar o ar condicionado 24 hs por dia, não usar o carro para ir a      100 m de casa, etc. Ou seja nos dominamos os instrumentos que criamos para      facilitar nossas vidas e não o contrario, tornando-nos escravos da vida      moderna. Liberar tempo de televisão significa buscar novas formas de      lazer, ativar-se, ser criativo.

10.Contato fisico: Estamos num mundo cada vez mais virtual e temos  

menos contato fisico. Por outro lado ensinamos a nossos filhos e a nos a não nos tocarmos (exagero das normas de abuso sexual). Mesmo com a sexualidade atual, não temos um toque de intimidade, amizade, amor, prazer, verdadeiro orgasmo. Temos uma relação de medo do toque , de superficialidade e do gozo imediato, parte do modelo sexual que nos transmite a midia.

 

 

 

 

11.Auto realização: Colocaria um decimo primeiro mandato que seria aprender a utilizar o tempo livre para si proprio, para o casal, para a familia de forma ativa e realizadora. Definir areas de interesse e se desenvolver, não só profissionalmente, mas principalmente como pessoa, como ser humano.

 

Só nos resta definir as metodologias, já existentes, para o desenvolvimento da inteligencia emocional e de cada uma de suas habilidades praticas, assim como criar um processo pedagogico e terapeutico nos quais possamos dar força ao individuo que desenvolva seu sistema de vida baseado nos “dez mandamentos”.



[1] Frames of Mind – Dr Howard Gardner, 1983.

[2] Neocortex – a camada superior no cerebro dos mamiferos superiores, a parte responsavel pela capacidade cognitiva. Atraves de suas redes de circuito eletrico, permitem um processo de analise de dados, pesquisa de opções de ação e definição de estrategia operativa.

[3] Paul MacLean, neurofisiologo do Instituto Nacional de saude Mental dos USA.

Exibições: 428

© 2020   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço