JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

1.- Nos dias que antecedem a qualquer data festiva do calendário judaico - principalmente Rosh Hashaná (Ano Novo), quando se preparar para o evento e sair para comprar uma camisa de seda que combine com a calça comprada em New York na DKNY ou um sapato italiano ou uma bolsa de Gucci ou um corte de linho irlandês para as camisas ou uma jóia de Cartier ou um cruzeiro pelos fiordos da Noruega ou a moto para o filho ou o carro para a filhoca ou finalmente o chalê em Chamonix ou coisa parecida, lembre que nesses dias nascidos para festejar com alegria, na cidade em que você reside há muitos judeus vivendo em estado de extrema necessidade, e que mesmo querendo não podem comprar a roupa básica ou os livros escolares do filho ou os sapatos da filhoca ou os remédios para a artrite ou pagar o aluguel ou arranjar emprego ou coisa parecida.

.

2.- Quando decidir o que fazer com o dinheirinho que sobrou ou com o lucro inesperado da venda de ações ou com os alugueres recebidos dos apartamentinhos de temporada ou com o dinheiro extra apurado na venda dos saldos da loja ou com os juros recebidos dos depósitos que tem nos Bancos de Miami ou Bahamas, de Cayman ou Montevidéu, pense que há muitos judeus - certamente algum que você conhece - que perderam o emprego ou que ficaram sem casa ou que estão ameaçados de despejo, e que muitos pararam de pagar o seguro de saúde e que não todos podem mandar os filhos ao dentista ou que por causa de tudo isso e de mais ainda estão pensando em acabar com a própria vida ou coisa parecida.

.

3.- Quando descobrir que ainda que seja um gesto solidário ele é insuficiente, pois não basta com mandar um quilo de feijão ou dois pacotes de arroz ou tres quilos de matzá ou alguma roupa de criança velha e rasgada a alguma instituição de caridade ou uns trocados na caixinha da sua sinagoga - esmola que representa um milionésimo daquilo que poderia dar sem atrapalhar as finanças próprias - ou quando entender que doando dinheiro para que algum líder político financie a sua nababesca campanha eleitoral às suas custas, ou para que algum líder comunitário viaje como um nababo a Israel ou até a Cuba com o falso pretexto de visitar aos “coitados” judeus de lá às custas dos dinheiros que poderiam ser usados em benefício dos necessitados de cá, ou para que outros construam mais um andar na casa de fim de semana, não ajuda aos judeus carentes, mas pelo contrário, soma riqueza à riqueza dos ricos, então poderá desfrutar de uma festa realmente feliz. Caso contrário fará como a maioria, usando e abusando do egoismo para usufruir sem partilhar, para aproveitar sem dividir, para olhar para o outro lado, o que, convenhamos, é a marca registrada do gênero humano, ainda que eu espere e deseje que vocês sejam a exceção que confirma a regra.

.

4.- Chega de esmolas e de chás de beneficiência. Basta de sentar nas coberturas e de lá remendar a vida daqueles aos que a vida não lhes sorriu. É hora de parar de jogar no lixo as sobras da opulência própria e investir um pouquinho de nós na construção da infra-estrutura da solidariedade, porque com uma lata de goiabada ou um pacote de feijão ou um litro de óleo ou coisa parecida você poderá pensar que cumpriu com a sua parte, mas eu lhe digo que não, porque o feijão e o óleo e a goiabada ou a matzá são a minúscula peneira com que se quer cobrir o sol. Todos podemos fazer muito mais.

.

5.- A felicidade própria não pode fechar os olhos à infelicidade alheia. Vamos abri-los e também os bolsos. Qualquer instituição séria dará prazeirosamente o endereço de alguma família judia que está esperando há muito tempo a sua visita com uma oferta de emprego que lhes devolva a dignidade, com uma proposta de ajuda na educação dos filhos, com um empurrão que lhes proporcione a chance de escapar às garras da miséria.

.

Vamos lá, gente. Chega de fingir que ajudamos. É hora de mostrar que o fazemos. Vocês nem imaginam a felicidade que produz constatar os resultados de nossas ações. É só ver para crer.

.

.

Bruno Kampel

Exibições: 40

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

Comentário de Paulo Blank em 1 setembro 2010 às 12:32
Caro Kampel, vc me fez recordar as palavras do Rabino Salanter, fundador em Vilna da Tnuat Hamusar. Ele dizia que "as necessidades materiais dos outros são as minhas necessidades espirituais". Era um cara incrível,nunca aceitou o emprego de rabino em nenhuma comunidade e passou a vida criando entidades de apoio social pela europa a fora. Imagino q por aí na europa é 'facil arranjar material sobre ele. são pessoas que em sua atitude pessoal plantam uma réstia de esperança que vai embora com eles.É tudo muito complicado qdo se trta de seres humanos como nós..Hag Sameach.PB

© 2019   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço