JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

PAZ AGORA|BR de cara nova! - Para onde vão as ruas árabes?

 




 

INFORME

PAZ AGORA|BR

22|02|2011

www.pazagora .org

»    PAZ   |BR

»  Mais artigos

»  Informes anteriores

» Fale conosco

Para onde vão as ruas árabes?

 

Amigos, estamos de cara nova!!!

 

As nossas informações estão mais acessíveis, fáceis de encontrar e com visual mais agradável.

Experimente entrar AGORA em www.pazagora.org, e procure [por autor, assunto ou data]  entre as centenas de artigos que publicamos. Você encontrará muito material exclusivo sobre o processo de paz no Oriente Médio, educação para a paz, iniciativas de diálogo e direitos humanos.

Esperamos que você goste, comente, recomende e que, também, colabore com a nossa luta por um mundo melhor. Este é um recomeço e temos muito a caminhar, juntos.

Envie suas idéias, críticas e colaborações para contato@pazagora.org.


Em tempo: este informe enfoca primordialmente a revolta no Egito. A velocidade do alastramento dos momentos populares pelo mundo árabe faz com os graves e decisivos acontecimentos em outros países sejam abordados numa próxima edição.

Boas leituras!

Coordenação dos Amigos Brasileiros do PAZ AGORA

 

 

 

 

 

 

 

O Egito visto de Israel

» Ori Nir

Quando as autoridades do governo de Israel seguem a instrução do seu primeiro-ministro para não façam declarações públicas sobre certo assunto, a situação é séria. Este tem sido o caso nos últimos dias, com respeito aos acontecimentos no Egito. O primeiro-ministro Binyamin Netanyahu instruiu seus ministros e outras autoridades de alto escalão para não comentar sobre os eventos dramáticos que se desenrolam além da fronteira, no principal aliado regional de Israel. E eles estão silenciosos.

É um silêncio muito pesado, porém. Reflete o choque inicial de Israel, sua profunda ansiedade sobre as futuras relações com o maior - e mais poderoso - país árabe, e a angústia sobre uma potencial instabilidade mais ampla na região. Os comentaristas israelenses – dezenas dos quais vem sendo entrevistados em estações de rádio e canais de TV – parecem unânimes na opinião de que qualquer resultado potencial da revolta popular no Egito seria mau para Israel.

“A revolução no Egito destrói a tranqüilidade estratégica de Israel no Oriente Médio: o país fica só, sem nenhum aliado”, escreve Itamar Eichner no Yedioth Ahronot. No mesmo jornal, Eli Shaked - antigo embaixador israelense no Egito diz: ”os acontecimentos futuros não serão bons para nossa paz com o Egito e a estabilidade na região”. E explica: “As únicas pessoas no Egito que estão comprometidas com a paz são o pessoal do círculo mais próximo de Mubarak, e se o próximo presidente não for um deles, teremos problemas. Mesmo caso o próximo presidente seja Mohamed ElBaradei, o Egito não mais será o mesmo, e a nossa paz não será a mesma”.

 


A paz Israel-Egito resistirá?

Israel está notadamente preocupado, não apenas com que suas relações bilaterais diplomáticas e estratégicas possam ser negativamente impactadas, mas também com que tudo seja desestabilizado. Em nível bilateral, toda relação de Israel com o Egito está ameaçada, seja no turismo (turistas israelenses estão voltando para casa e o Ministério do Exterior emitiu uma recomendação séria para não viajarem), comércio (as exportações para o Egito estão congeladas), segurança, ou no papel do Egito nas relações entre Israel e os palestinos. Uma delegação do Hamas de Gaza, que estava se preparando para embarcar para Damasco, para discutir uma possível troca de prisioneiros com Israel, teve que cancelar sua viagem, porque a única saída para o Hamas de Gaza é através do Egito.

De forma geral, os especialistas israelenses não estão otimistas sobre o impacto de uma possível mudança democrática no Cairo quanto às relações do Egito com Israel. As intenções dos estudantes egípcios em manifestações na Praça Tahrir são boas, escreve Nahum Barnea no Yedioth, mas “o problema é que intenções boas, no Oriente Médio, muitas vezes abrem o caminho para o inferno”, e conclui: “Frente à virada de eventos no Egito, Israel só pode ter uma esperança. A esperança de que a crise produza em sua esteira um governo estável que seja fiel à política externa anterior, incluindo suas relações pacíficas e laços com Israel e sua orientação ocidental”.

Os eventos no Egito estão emitindo ondas de choques para a inteligência israelenses e seus analistas estratégicos. Normalmente, esses analistas políticos concentram-se nos governos e nos regimes árabes. Um amigo, que é próximo dessas comunidades, me disse que os padrões de interpretação certamente irão mudar. Irão prestar mais atenção à opinião pública e aos grupos populares reprimidos no mundo árabe. De repente, disse ele, toda uma hipótese axiomática ruiu. As especulações com respeito ao futuro político do Egito eram focadas no presidente Mubarak – e não sobre o que as ruas o obrigariam a fazer. Se as ruas egípcias podem derrubar Mubarak, o que não seriam capazes de fazer as ruas da Cisjordânia, Jordânia e Síria?

 


Poucos comentaristas estão falando sobre as repercussões políticas sobre Israel e, como sempre, os comentários variam com o posicionamento político deles.

Os linhas-duras de direita, como previsível, apontam para os acontecimentos no Egito como prova de que Israel não pode confiar em regimes árabes, e que devem afiar suas espadas e evitar acordos de paz “arriscados”.

Os pacifistas defendem o oposto. Gideon Levy, do Haaretz, escreve que os fatos na Tunísia e no Egito mostram o quão importante é Israel adotar uma doutrina diplomática que leve em conta os sentimentos populares no mundo árabe. Para conseguir se dirigir à população árabe, diz ele, Israel precisa acabar com a ocupação da Cisjordânia e Gaza, que é o prisma através do qual os árabes em geral enxergam Israel.

Conforme Levy, “A verdadeira aliança com o Egito e seus irmãos só pode ser baseada no fim da ocupação, como o povo egípcio deseja, e não limitada ao combate de um inimigo comum, conforme o interesse do regime de turno”. 

Ori Nir, porta-voz do Americans for Peace Now, escreveu de Jerusalém. Publicado pelo APN em 30|01|2011 e traduzido pelo PAZ AGORA|BR.


» para imprimir   » AQUI

 

 





Agende
-
Rio de Janeiro

Oriente Médio: Paz agora, nunca, ou quando?

» Curso com Paulo Blank e Paulo Geiger

Onde: Pólo de Pensamento Contemporâneo – RJ


Quando: 31|05, 07|06 e 14|06


( 3ªs feiras das 19h30 às 21h30 )

detalhes e inscrições » AQUI

 

 

Mais artigos
Clique sobre os títulos para ler na íntegra.



Veto dos EUA na ONU é golpe no processo de paz

» Americans for PEACE NOW

Não estaríamos hoje aqui se Netanyahu tivesse cessado a construção de assentamentos nos territórios.

E não estaríamos nesta situação se o presidente Obama tivesse adotado uma política coerente com seu discurso.



O futuro do Egito está com os militares

» Alon Ben-Meir

Mais uma vez, desde a revolução de 1952 que acabou com a monarquia do Egito e trouxe os militares ao poder, o Egito está diante de uma encruzilhada história. A população, com o apoio das suas forças armadas, precisa escolher agora qual o futuro que deseja...

Incerteza no Egito favorece direita em Israel
» Guila Flint

Enquanto a instabilidade no Egito e outros países árabes geram incertezas sobre o futuro do Oriente Médio, o governo israelense fortalece posições de direita e abre caminho para aumentar o orçamento militar...

Primavera em pleno inverno no Cairo

» Mamede Mustafa Jarouche

Após a revolta popular que levou à queda de Hosni Mubarak, os egípcios assimilam os acontecimentos, refletem sobre o papel da TV e dos jovens e, com bom humor, especulam sobre circunstâncias e conseqüências da revolução...

ElBaradei: Exército egípcio preocupa

» Marcelo Nínio

Governos ocidentais têm que entender que para ter credibilidade é preciso ficar ao lado do povo. E entender que uma paz duradoura no Oriente Médio só virá quando houver democracias...

Democracia árabe será boa para Israel
» Nechama Duek

O desenvolvimento da democracia no mundo árabe deverá produzir tratados de paz com Israel, mais fortes e duráveis...

 

Quando o Messias chegar a Israel
» Bradley Burston

Quando o Messias chegar, receberá da ONU o status de refugiado, mas será mantido num campo de detenção próximo ao aeroporto...


Religião e Estado em Israel – a solução é simples
» Uri Avnery

Em vez de dizer aos rabinos no que eles devem crer, devemos separar a religião do Estado...


Os documentos da Autoridade Palestina - uma oportunidade política
» Yossi Beilin

Os ‘Parâmetros do presidente Bill Clinton’, já em dezembro de 2000, delinearam os detalhes da paz possível entre Israel e os palestinos.
Os palestinos não precisam se envergonhar por terem feito progresso significativo rumo a um compromisso. Israel também não precisa ficar embaraçado...

Exibições: 31

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

© 2020   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço