JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Reflexões para um Judaísmo Secular Humanista

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

Reflexões para um Judaísmo Secular Humanista

Reflexões para um Judaísmo Secular Humanista para o século 21
Jayme Fucs Bar - Outubro 2006
Como judeu que se define Secular Humanista, gostaria neste pequeno memorando de compartilhar com o leitor duas importantes reflexões sobre O que vem a ser Judeu Secular Humanista no Século 21 e a centralidade de Deus e do Homem.
O Judaísmo Secular Humanista vem se convertendo, nos últimos 40 anos, não só em um pensamento filosófico, mais sim em um movimento organizado, ou melhor, em uma nova e atuante corrente do judaísmo do século XXI.
Desde meados da década de 1960, surgiram 14 comunidades filiadas ao Jewish Secular Humanistic Community (Comunidade do Judaísmo Secular Humanista), principalmente nos Estados Unidos e em Israel, mas também na Europa, Austrália, México e Uruguai. Tais Comunidades têm como base a influência de personalidades e lideres como o Rabino Mordechai Kaplan, fundador do movimento judaísta reconstrucionista nos EUA e o Rabino Sherwin Wine (fundador do movimento Judaísmo Humanista também nos EUA e em Israel); podemos citar ainda, entre os mais influentes, Yair Saban, fundador do movimento Meitar, que vê o judaísmo como cultura. Saban é ex-ministro de Israel pelo antigo partido socialista Mapam.
O que essas três grandes personalidades, Kaplan, Wine e Saban, têm em comum é a centralidade do Homem no mundo; em suas comunidades judaicas, eles talvez expliquem tais conceitos através de diferentes ângulos, mas mantêm sempre a mesma base do Homem como centro.
Mas o que levou o pensamento filosófico do Judaísmo Secular Humanista a se organizar em comunidades estruturadas no século 21?
Uma resposta a essa pergunta deve levar em consideração isto: o que vem a ser Judeu no Século 21, na era da Globalização?
Se Napoleão vivesse hoje, em plena Revolução Global, logicamente não faria aos 71 senedrim (lideres religiosos) as 12 perguntas que fez na França de 1807. Talvez fizesse apenas uma: Quem é judeu?

E obteria inúmeras respostas, todas diferentes e corretas. Napoleão provavelmente sairia insatisfeito desse encontro; sua grande dificuldade, em pleno século 21, seria definir a quem fazer tal pergunta, uma vez que temos, hoje, um judaísmo de tantos tipos de senedrim diferentes.

Judaísmo é, hoje, uma fusão de identidades mundiais; não existe mais uma identidade judaica única, somos judeus de identidades diversificadas, de valores e conceitos que mudam num ritmo acelerado. As identidades no Judaísmo deste século recriam-se, renascem, revitalizam-se em um novo e versátil judaísmo de "caras novas", onde as correntes clássicas desse judaísmo se transformam para sobreviver e se adaptam ao novo padrão das identidades globalizadas.

O Judaísmo Secular Humanista faz parte integral desse processo, ele está tomando um novo ritmo, criará um novo rumo na vida judaica.

O que se chamou de pensamento Judaico Secular Humanista no passado foi, sem dúvida, o resultado de um processo de 200 anos de emancipação, tem origem na revelação de Copérnico sobre a terra não ser mais o centro do universo; esse judaísmo assumiu a coragem de Darwin ao afirmar que o homem não é mais filho de Deus; esse judaísmo sentou-se no divã de Freud quando se identificou com a revelação de que o homem é um labirinto povoado pelo inconsciente; esse Judaísmo Secular Humanista é fruto do pensamento de Spinoza, Mendelssohn, Hess, Marx, Buber, Sartre, Theodor Hertzl e muitos outros.
Quem desejar se definir como um judeu secular humanista do século 21 terá de enfrentar grandes desafios – não na necessidade de reafirmar o pensamento "O homem como centro do mundo, ou da vida judaica", mas na reconstrução dos fundamentos do pensamento judaico secular humanista, dentro da compreensão de que o judaísmo é uma civilização.
Compreender isso não é o suficiente. É preciso, ainda, saber se unir e atuar como judeus seculares humanistas. E para isso é necessária a organização em estruturas comunitárias voluntárias e ativas, como as que vêm surgindo nos últimos anos em sociedades judaicas em diversas partes do mundo.
Quem crê em um Judaísmo Secular Humanista precisa conhecer e agir de acordo com preceitos judaicos. Essa prática deverá estar presente em toda a esfera da vida da comunidade, nos aspectos cultural, histórico e educativo, realizando o ciclo da vida judaica através do Brit Milá, de casamentos, Bar Mitzva e Bat Mitzva, entre outras festividades judaicas.
Para que o leitor possa compreender melhor a prática desses conceitos, seguem algumas idéias já integradas e definidas em comunidades judaicas seculares humanistas:
· O Judaísmo Secular Humanista para o século 21 deverá restabelecer de forma clara o direito do povo judeu a seu centro civilizatório, que é a terra de Israel. Deverá lutar contra o racismo, o anti-semitismo e o fundamentalismo religioso; deverá restaurar a vida e a cultura judaica através da educação, fortalecendo o núcleo comunitário e o movimento juvenil.
· A educação judaica secular humanista não somente depende da compreensão seus rituais, mas também deve capacitar os seus indivíduos para uma amplitude cultural judaica voltada ao pensamento critico e analítico, para a formação de lideranças capacitadas a enfrentar as possíveis manifestações de antagonismo e hostilidade ao mundo externo.
· A expressão de civilização judaica tem como base de estudo de texto judaico a interpretação das expressões de nossos antepassados e relacionando-as ao pensamento moderno, condicionando-as e interpretando-as de maneira relevante dentro do contexto da sociedade pós-moderna.
Devem ser incentivadas as manifestações culturais e artísticas como forma de criar um espaço comunitário atrativo, absorvendo, assim, judeus afastados do judaísmo. O Judaísmo Secular Humanista acredita que judeu é todo aquele que se identifica como judeu e está vinculado de forma ativa a sua historia, cultura e tradições.
Com tudo isso, onde fica Deus dentro dessa visão de Judaísmo Secular Humanista?
Deus existe ou não?
Se fizéssemos esta pergunta, “Deus existe ou não?”, para Kaplan, Wine ou Saban, eles nos dariam três respostas diferentes – porém, é incerto qual deles poderia responder essa grande pergunta com mais segurança e firmeza. A verdade, pode-se dizer, é que muitos judeus seculares humanistas concordariam que "Sim, Deus existe – em nossas consciências. Ele é um, mas não é o centro deste mundo; o homem é o centro".
Para explicar melhor essa afirmação, temos que voltar às fontes de uma passagem bíblica em Êxodos, que talvez seja uma das mais importantes para os judeus humanistas; ela nos revela algo interessante sobre a questão da centralidade de Deus e do Homem. Essa passagem revela o diálogo sem fronteiras entre Moisés e Deus.
Conta-se em Êxodos que Deus manteve um diálogo profundo com o profeta Moisés, em que revelou, inclusive, um de seus vários nomes. O Profeta Moisés talvez teve que transcender os conceitos de tempo e de espaço para poder chegar mais perto desse Deus.
Esse Deus anuncia um dos mais importantes eventos da humanidade, a todos os seres humanos representados, ali, pelo Profeta Moisés, na entrega das Tábuas das Leis; Tábuas que devem estabelecer o pacto profundo entre Deus e o Homem. Esse pacto, escrito em pedra fundida, é denominado Os Dez Mandamentos.
Mas que Leis são essas? Para quê Deus nos apresenta essas Leis? Talvez Deus tivesse a intenção de nos dizer que os Dez Mandamentos eram o código moral e ético que deveria reger todos os seres humanos que vivem na face da Terra, e, como judeus, deveríamos divulgar esses mandamentos a toda humanidade.
Talvez o nosso Profeta Moisés, nesse dialogo tão humano, ainda tenha tido a coragem de perguntar a Deus: "E agora, Deus? O que vai acontecer? Para onde Vamos?” E talvez esse Deus tenha respondido: "A partir de agora, vocês, seres humanos, serão o centro da terra. Vocês têm um código moral e ético a ser cumprido, portanto, se virem! Eu irei para outros cantos, eu estarei em outros tempos celestiais".
O Judaísmo Secular Humanista procura "se virar", assumindo responsabilidades, neste mundo conturbado em que vivemos. Já se passaram mais de 4 mil anos e as metas de moral e da ética das Tabuas das Leis ainda estão muito longe de ser alcançadas,. E essa é, talvez, a grande missão do Judaísmo Secular Humanista; responsabilidade que deve ser assumida por nós, seres humanos, aqui na Terra, e não entregue a Deus.


O filósofo humanista Kenneth Phife define sua visão de Deus de forma muito interessante:
"O humanismo nos ensina que é imoral esperar que Deus aja por nós. Devemos agir para acabar com as guerras, os crimes e a brutalidade desta e das futuras eras. Temos poderes notáveis. Termos um alto grau de liberdade para escolher o que havemos de fazer. O humanismo nos diz que, não importa qual seja a nossa filosofia a respeito do universo, a responsabilidade pelo tipo de mundo em que vivemos, em última análise, cabe a nós mesmos."
Se a responsabilidade sobre o mundo e os seres humanos cabe a nós e não mais a Deus, de que forma podemos assumi-la?
O Judaísmo Secular Humanista deve assumir o legado recebido pelo Profeta Moisés no alto do Monte Sinai. Devemos fazer de cada uma dessas comunidades a consciência da memória do Legado da Ética e da Moral recebido no Monte Sinai. Devemos nos responsabilizar e garantir que esse Legado seja difundido para todo mundo, com o intuito de alcançarmos um mundo melhor e mais humano.

Jayme Fucs-Bar
Acessado em 24/09/2012

Exibições: 177

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

© 2019   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço