JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

                  Um Candelabro em Petrópolis: relembrando Stefan Zweig

               A Alberto Dines pelos oitenta e por não ter permitido esquecer Zweig.

Manhã de carnaval do ano dois mil e doze. Dia ensolarado e quente em Petrópolis bem perto do lugar onde está enterrado Stefan Zweig e, ao seu lado, Lote Altman, nascida em Katowice, neta de um rabino de Frankfurt que, refugiada em Londres, apaixonou-se pelo escritor a quem se entregou pelo resto da eternidade. Entre cruzes e jazigos em forma de catedrais góticas, perto do túmulo dos príncipes da casa dos hamsburgos e longe da Europa que sonhava unificada Stefan foi enterrado no lugar que não desejava.  

No dia vinte e dois de março de mil novecentos e quarenta e dois, uma semana depois do carnaval, algumas quadras daqui, no bairro do Valparaiso, Stefan Zweig, o escritor mais lido das primeiras décadas do século vinte, sofrendo intensamente a guerra que destruía seus sonhos humanistas, apressado em conhecer a paz, havia decidido tomar o atalho do suicídio para sair da historia uma vez mais. Avesso a qualquer tipo de nacionalismo desprezava a diplomacia internacional que iludia os cidadãos construindo guerras por debaixo dos panos das negociações, horrorizado frente ao destino do seu povo, decidiu partir e, numa manhã como hoje a setenta anos, ele ultimava os preparativos organizando cartas e documentos como um hóspede que deixa o quarto arrumado para não dar trabalho ao anfitrião.

Ontem ao meio do dia de um sol quente da terça feira engordada de blocos fui visitar Stefan Zweig em companhia do amigo Jaime Leibovitch. Jaime se protegia em baixo do chapéu de Panamá enquanto eu caminhava ao seu lado usando o gorro colorido que me serve de kipá, querendo redescobrir o caminho até o túmulo do escritor. Lembrava que era perto de um terreno coberto de capim com uma cruz fincada parecendo o quadro da primeira missa do Brasil. Avançando no labirinto avistei um retângulo negro de linhas retas que destoava no meio da diversidade arquitetônica dos mausoléus dos mortos locais. Espremido entre sepulturas plantadas em solo próprio avistei a lápide e as letras estrangeiras lembrando a grafia do Yidich de minha infância. Eram eles. Stefan e Lote em seu último exilio.

Meu segundo olhar percebeu sobre o mármore as pedrinhas que indicavam outras visitas. Surpresa. No paraíso tropical ainda existe quem se lembre de Zweig a ponto de inclui-lo na contagem dos que contam. Doze pedrinhas. Três pessoas no mínimo. Um bom número em se tratando do Eldorado da hospitalidade sem discriminações que Stefan via através de seu olhar de perseguido. O que ele não sabia é que temos a memória curta, característica que nos ajuda a construir a ilusão do país sem preconceitos. Em seguida percebi que só havia pedrinhas do lado de Stefan. E para Lote nada? Apagada na morte como em vida? Ninguém para se lembrar de inclui-la? Comentei com o Jaime e continuei fotografando até que reparei que ele se aproximava com três cascalhos recolhidos do caminho e os colocou sob o nome de Lote trazendo-a de volta ao rol dos que contam em Israel. Momento supremo como pensava Zweig. Emocionei-me com o gesto poético, simbólico, único, decisivo.  Jaime se limitou a um sorriso quase invisível enquanto eu lhe falava entusiasmado sobre o candelabro enterrado que ele acabava de acender num gesto despretensioso.

O Candelabro Enterrado é uma “lenda” que Stefan publicou em 1936 e onde ele narra a saga imaginária do candelabro sequestrado do templo de Jerusalém por Tito, o construtor daquele arco que os turistas contemplam de passagem quando vão a Roma. Com a queda do império, roubado sucessivas vezes pelos vitoriosos da vez, o candelabro, Menorah em hebraico, passa de mão em mão e é seguido por judeus de Roma que não querem perde-lo de vista. Metáfora desvendada pelo próprio autor, os judeus sobrevivem aos impérios graças ao seu desapego da terra e do nacionalismo fanático e destrutivo. Mantendo-se unidos pelos ideais humanistas que moram nos pensamentos e alimentam o sentimento de pertencimento a um povo à margem da política, eles se tornam indestrutíveis apesar dos alemães queimarem os livros de Zweig em praça pública. Permanecendo ao largo da historia os judeus se transformam num exemplo de como é possível viver sem fronteiras e fanatismos, como ele diz em carta a Martin Buber.

Salvo das mãos bárbaras dos povos que só vêm o ouro sem perceberem o brilho da sua luz humanista, o candelabro, afinal, retorna à terra de Israel levado por um herói de noventa anos, que, menino, viu a Menorah sair de Roma no navio dos conquistadores. O judeu Idoso chega a Yafa trazendo o tesouro disfarçado dentro de um caixão a ser enterrado na Terra Santa segundo o antigo costume. Junto a outros mortos ele aguardaria a hora mágica em que um agricultor pudesse descobri-lo em seu ataúde de tempo fazendo-o “ressuscitar” num nova era sem nacionalismos enlouquecidos e radicalismos embrutecedores.  Ideia que remete ao Talmud quando num debate de sábios um deles afirma que a diferença entre o mundo que se vive e o tempo messiânico é tão somente a dominação dos impérios. Somente os impérios, as guerras e a opressão de um povo pelo outro, marcam a diferença entre este mundo e o que há de vir. Sábia percepção daquele sábio hebreu de bendita memória.

 Sete ramos do candelabro leio mais de uma vez no livro com cheiro de mofo até que a palavra salta das folhas amareladas e me convoca a enxergá-la. Ramos são “zweigen” me diz uma voz interior recordando a palavra dita em Yidich pela mãe, mandando o menino apanhar o Zweigale, um galhinho solto para rabiscarmos letras na terra arenosa do Campo de Sant’Anna. Malka foi a primeira pessoa a me falar em Zweig: “ele se matou porque não aguentava mais a sujeira do mundo”. E se Zweig fosse um ramo do candelabro? Comento com o Jaime pensando na mãe e na carta de despedida do escritor que apostava no humanismo num tempo em que esta palavra ainda tinha valor real.

““.... seriam necessárias forças excepcionais para um recomeço, e as minhas mãos estão esgotadas pelos anos de errância sem fim. Assim, julgo preferível dar fim, no momento certo e de cabeça erguida, a uma vida para a qual o trabalho intelectual sempre representou a mais genuína alegria, e a liberdade individual, o bem supremo na Terra.  Saúdo a todos os meus amigos! Que ainda possam ver a aurora após a longa noite! Eu, demasiado impaciente, vou-me embora antes¨

 

Impaciente ele parte e nos precede. Como o candelabro Stefan anuncia a luz da alvorada após a longa noite que um dia, ele sabia,teria fim. Como judeu sem pátria e sem fronteiras, só palavras e ideais como Jeremias, com quem se identificava a ponto de comentar em carta sobre a obra em que retratava o profeta durante a destruição de Jerusalém dizendo a Buber que era: ¨ a integralidade de minha profissão de fé”. Derrotado na guerra mas vencedor nos princípios resta ao profeta a mesma crença nas palavras que permitiram a Zweig desfrutar da ¨liberdade absoluta entre as nações¨. Sonho de judeu vienense durante a primeira grande guerra quando escreveu esta peça teatral num tempo em que ainda podia  afirmar a sua liberdade nômade.  Mas, desta vez era diferente. Errante mas esgotado num caminho que vinha de longe resolveu partir na frente de tão ansioso que estava por encontrar a paz sem morte que sobreviveria em sua herança de palavras. O seu trabalho intelectual. Nosso legado de leitores. Seus amigos.

Reconhecendo no gesto de Stefan o suicídio de um mártir que se mata para afirmar o resto de vida que ainda possui ao tomar conhecimento do suicídio o Rabino Tzekinosky, do Grande Templo na Rua Tenente Possolo, convoca os membros da Hevre Kadisha, a Santa Irmandade que administrava o cemitério e juntos seguem para Petrópolis com a intenção de resgatar o morto e enterra-lo sem exclusões no cemitério judaico de Vila Rosali. Influenciado pela leitura do Candelabro Enterrado, como narra Alberto Dines, o rabino estava disposto a quebrar a prática judaica de enterrar os mortos “junto ao muro”, ou seja, fora da comunidade.

Mas a ditadura Vargas desejava o corpo do escritor. Pressionando com ameaças antissemitas de reações rancor por parte da população, o chefe da policia local forçou o rabino a desistir e comentar na saída: “não tem importância, onde um judeu está enterrado torna-se um campo santo” Enquanto isto, o Rabino Lemle da ARI, sinagoga de Yekes, os judeus de origem alemã, também chegava ao local aceitando fazer o enterro no cemitério da cidade. Ignorando as circunstâncias, Lemle recitou o mesmo kadish que Jaime e eu fizemos ouvir entre o mar de cruzes ao lado de Stefan e Lote por puro impulso de não deixar os que contam caírem no esquecimento de uma terça gorda de carnaval.  

Petrópolis, quarta feira de cinzas de 2012.

 

 

 

 

Referências:

Alberto Dines: Morte no Paraiso, Nova Fronteira, 1981, RJ.

Donaldd Prater, Stefan Zweig, biografia, Paz e Terra, 1991.

Stefan Zweig: Ed. Koogan, 1941 e 1942, Rio de Janeiro.

Jeremias

O candelabro enterrado.

O momento supremo

 

Correspondance, Grasset, Paris, 2000.

 

.

Exibições: 415

Respostas a este tópico

Shalom,Querido Paulo, que viagem essa saga na procura do legado de Stefan Zweig.

Sinto como se voce estivesse  descoberto  um tesouro perdido, no esquecimento da memoria judaica carioca, que não sabe ou talvez não deseja saber , que existe ao lado de suas casas  um tesouro judaico , rico de preciosidades , sabedoria e humanismo.

Me fez lembrar um velho proverbio judaico que diz " Não necessitamos ir   tão longe a procura de tessouros muitas vezes ele está enterrado em nossas propias casas".

Essa historia e metafora que voce fez sobre o calendabro é incrivel ! e veja que interessante, não sei se voce percbeu em suas fotos!  está escrito na lapida (masseiva) em hebraico Stefan Zweig.נפטר  niftar (morreu) e não להתאבד leitabed.( suicidou).

Realmente morreu pois já não tinha mais lugar para ele viver neste mundo! Morreu sufocado , provavelmente de lagrimas em ver o caminho que estava tomando a humanidade.

Um dia as pessoas tambem vão descobrir esse  tesouro que é o Paulo Blank , um verdadeiro "Indana Jones" do Judaismo Carioca!

 

Um grande abraço!

 

Jayme

Acho que vc está enganado de pessoa meu caro José Mauricio.vale a pena ler Morte no paraíso de Alberto Dines.
 
jose mauricio de moraes vinha disse:

este homem foi um lutador pela educaçao e evoluçao cultural do povo brasileiro

Paulo: Fiquei profundamente comovido por esse ensaio hassídico que você escreveu tendo por tema o Stefan Zweig. Estou terminando de preparar a publicação de um livro para o CHCJ onde há um capítulo sobre Zweig escrito pelo Dines, palestra que ele deu em 2007 na Fundação Eva Klabin. Vou propor à turma do CHCJ a inclusão do seu texto como um adendo ao artigo do Dines - inclusive porque o homenageia expressamente. 

O fato de o também meu amigo Jayme ter estado ali com você intensificou ainda mais a minha emoção. Houve uma época em que nós três fazíamos tudo juntos, e foi uma pena que desta vez eu não estive com vocês ali em Petrópolis. Mas pela força da minha emoção posterior talvez vocês tenham sonhado que eu estive ali sim.

Concluindo: Quanto mais te leio, mais te gosto.

Não vou comentar o trabalho em si, porque o outro Jayme, o Fucs Bar, disse o que eu senti e pensei ao ler. Faço minhas as palavras dele.

Davy.

Paulo, faço minhas as palavras do Jayme e do Davy, exceto as memórias do passado a três com o Jayme Leibovich, do qual sinto saudades sem ter feito parte dele. Não fosse você, eu não teria atentado para a data, tão importante de ser relembrada. Me fez recordar a luta de Zweig que conheci no "O mundo que eu vi", ao lado de outros pacifistas alemães e franceses que foram derrotados em seus respectivos partidos, ainda antes da Primeira Guerra Mundial.

Que bom ter sempre alguém desperto para nos trazer tesouros como esse.

Shabat Shalom

Fico comovida a cada texto do Paulo,nao só pela beleza de sua escrita mas pelo fato de conseguir emocionar a todos.Sem duvida,um tesouro!

Shabat Shalom!

Queridos Chaverim.

Em se tratando de Paulo Blank já não me surpreendo mais, pois a cada contribuição sinto que o mundo melhora através dos seus textos. E para exemplificar isso conto com a ajuda do próprio Stefan Zweig.

"Toda a beleza do ser humano consiste em se tornar algo melhor do que se foi"


Paulo não só nos melhora, mas também nos torna mais belos!


Shabat Shalom.

RSS

© 2019   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço