JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Marcelo Barzilai
  • 49, Masculino
  • Curitiba Paraná
  • Brasil
Compartilhar

Amigos de Marcelo Barzilai

  • Jonathan Gibran
  • Alexandre Israel
  • Manoel Ramão  Ferreira  Queiroz
  • Ronaldo A. Fernandes da Silva
  • Andréa Brandão Garcia
  • jeann charlles
  • CLAUDIO DACHI
  • André Garcia Martin
  • Luciano R. Mendes
  • Angela Natel
  • Tatiana Cavalheri Borges Dias
  • Thayná Duarte
  • JOSE YOSEF JOSEPH TEIXEIRA
  • Marcela Tendler
  • Ronald Silva Marçal

Discussões de Marcelo Barzilai

DESCOBERTAS RAÍZES GENÉTICAS SEFARADITAS EM ÍNDIOS DO COLORADO.

Iniciou esta discussão. Última resposta de Shmuel de Mattos 19 Jul, 2012. 11 Respostas

Clique no link :…Continuar

NOVAS REVELAÇÕES A RESPEITO DA CONSTRUÇÃO DO TEMPLO EM JERUSALÉM.

Started 23 Nov, 2011 0 Respostas

 A Arqueologia mudando os rumos da História! …Continuar

Los nuevos miembros de la UNESCO planifican destruir el Muro de las Lamentaciones

Started 11 Nov, 2011 0 Respostas

 LOS NUEVOS MIEMBROS DE LA UNESCO.SU AMBICIOSO PROGRAMA CULTURAL:…Continuar

Parlamento israelense proibe testes em animais

Started 8 Nov, 2011 0 Respostas

Os abrigos de animais em todo o Estado de Israel se prepararam para receber novos inquilinos segunda-feira, depois que o Knesset (Parlamento) aprovou uma lei proibindo todos os testes em animais para…Continuar

 

Página de Marcelo Barzilai

QUEM SOU EU:

Sou casado há 17 anos com a Célia e tenho dois filhos. A Marcela de 15 anos e o Thiago de 10. Há 20 iniciei minha Teshuvá ( Retorno), não somente no aspecto espiritual, mas também física, quando me tornei um estudioso da Sabedoria Hebraica, o que resultou na fundação do Instituto Israelita Teshuvá, com o objetivo de proporcionar conhecimento à pessoas que queiram saber melhor à respeito de nossa cultura e tradições. Tenho alunos espalhados por esse Brasil disseminando um conceito de Judaísmo Civilização, onde a religião é uma opção individual.

Sou descendente de Iehudá Ben Barzilai, Rabino de Barcelona no Século XI, de quem herdei o senso crítico aos dogmas impostos pela ortodoxia.

Fotos de Marcelo Barzilai

  • Adicionar fotos
  • Exibir todos

Vídeos de Marcelo Barzilai

  • Adicionar vídeo
  • Exibir todos

Blog de Marcelo Barzilai

PARASHÁ BERESHIT ( No Princípio ) – HORA DE UM NOVO COMEÇO.

Postado em 10 outubro 2015 às 19:30 0 Comentários

PARASHÁ BERESHIT ( No Princípio ) – HORA DE UM NOVO COMEÇO.

É  muito difícil nos aceitarmos como o último elemento da Criação de D’us e concebermos a ideia de que somos os únicos responsáveis por nós mesmos. Isso nos faz inseguros diante da necessária dependência que buscamos estabelecer em relação a um “ser superior”, cujos atributos estabelecidos por nós vão desde nos proteger  a nos conceder uma suposta vida eterna, na qual seríamos poupados de todas as mazelas a que fomos forçados…

Continuar

SHANÁ TOVÁ DO JH DO PARANÁ À TODOS!

Postado em 14 setembro 2015 às 8:59 0 Comentários

Quero desejar a todos os membros da CJHB um SHANÁ TOVÁ mais que especial em agradecimento pelo esforço dedicado nos preparativos, durante toda a semana, para que realizássemos essa linda festa. Que nos próximos 10 dias até YOM KIPUR todos continuem no mesmo espírito, de União e Amor, para que possamos fazer jus aos três princípios básicos que norteiam o Judaísmo Humanista.

Foi lindo ver as crianças correndo e brincando lá fora e…

Continuar

Parashá Nitsavim - MEU CORPO SOBRE O ARREPENDIMENTO ( Por Gustavo Gitti)

Postado em 12 setembro 2015 às 10:19 0 Comentários

Na parashá dessa semana, NITSAVIM, Moshe reúne o Povo pela última vez e a base do seu discurso está no ARREPENDIMENTO.

Quero trazer aqui um texto de Gustavo Gitti “ MEU CORPO SOBRE O ARREPENDIMENTO” para a reflexão dessa semana.

O que quero com isso é refletir sobre: “SE NÃO TIVESSEMOS AGIDO DA FORMA COMO AGIMOS, SERÍAMOS OS MESMOS?

Meu corpo sobre o arrependimento ( Por Gustavo Gitti )

Se te casas, arrependes-te;

se não te casa, arrependes-te também;

cases-te…

Continuar

Caixa de Recados (37 comentários)

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

Às 15:18 em 21 setembro 2015, Carlos Braverman disse...

Shana Tova ve Jatima tova. Quiero hacer más amigos

Às 12:28 em 29 junho 2014, Uildicler E Silva disse...

Meus primeiros contatos.

Às 8:54 em 28 janeiro 2014, Jimmy Ortiz y Luna disse...

Karo Marcelo muchas gracias 

Buena Semana 

Às 20:41 em 10 agosto 2012, marco antonio figueiredo disse...

Shalom  Rabi

Não  tenho recebido mais o newsletter do judaismo humanista, você tem alguma noticia?

Às 0:19 em 8 junho 2012, Marcelo Cesar Dias disse...

Shalom Konrad! Wie geht's?

Achei muito curioso os teus pensamentos, sem dúvida o cristianismo e o islamismo são religiões onde a morte, a vontade por ela, o sacríficio, são valores exaltados. Por outro lado a origem do judaísmo se fundamenta na negação da morte, do não ao sacrifício. A própria circuncisão é uma negação ao sacrífício da vida no seu limite histórico e genealógico.

Parafraseando Nietzsche (sic): temos no judaísmo a vida como valor maior, pelo menos no humanista. hahahahahha

Um abraço caro Rigermann.

Às 12:51 em 3 junho 2012, Konrad Yona Riggenmann disse...

Parte segunda: 

Meus pensamentos: Os Judeus contra os nekrófilos – e para a vida humana:

 

1. O não-sacrificio de Isaac como ato de fundação do Judaismo: Sarah e Abraão negaram a sacrificar o filho primogênito Itzchaque (“ele vai rir“) , sacrificio que era o costume das tribos vizinhas na epoca.

 

2. A rebeldia contra a nekrofilia dos Egipcios: Dezenas de milhares de escravos tiveram que labutar na construção do tumulo gigantesco para o cadavere de uma pessoa morte e mumificada da elite. Quando o farao manda matar os primogenitos dos Hebreus, as parteiras Shifra e Puah desobedecem, a mãe de Moyses (Jokhebed) não obedece, a irmã dele (Miriam) não obedece e a filha de Farao tambem não obedece á ordem mortal do homem poderoso, todas as mulheres cooperando para salvar a vida de uma criança: Esse menino que mais tarde guiou o povo do pais dos pirámides ao Sinai, onde receberam o mandamento “Não mataras.” 

 

3. O verso Devarim 30,19: “Eu tenho dado á sua escolha vida e morte, bendição e maldição.  Vote para a vida - que tu e teus descendentes vão ficar na vida, amando JHVH o teu deus, obedecendo á voz Dele e atendo-se firme a Ele. Por isso tu terás a vida e ficarás muito tempo na terra que Deus dedicou aos teus ancestrais, Abraão Isaque e Jacô.”

 

4. Da celebração de morte cruelissima pelos Romanos á hostilidade letal e exterminadora da religião filha, o Cristianismo: O alvo da crucifixão era o espalhar de terror. Depois de ter “espirado a alma gota por gota“ (Cicero), os cadaveres das vitimas ficaram exhibidas na cruz, muito contrario ao Judaismo, que não conhecia crueldade intencional na pena capital, (cuja aplicação mesmo foi extremamente restringida pelos Rabinos) e proibe a exhibição de corpos mortos, por causa de respeito para a pessoa morta. Entre os 6.000 Judeus que o governador Pilato mandou “ir á cruz” durante os dez anos de seu poder em Jerusalem, estava um rabino galileo chamado “Jesus Bar Abbas”, que era fendido pelos autores dos evangelios em dois: o bom Jesus e o ruim Barabbas (veja as pesquisas do historiador britânico-judeu Hyam Maccoby). Esse “Jesus filho de Maria” nas suas palavras manifesta uma notavel atração pela morte, causado talvez por um acontecimento traumatico no inicio da vida dele: Os teólogos Jane Schaberg, (The Illegitimacy of Jesus. A Feminist Theological Interpretation of the Infancy Narratives. San Francisco 1994), Donald Capps, (The Child’s Song. Religious Abuse of Children. Louisville 1995, p.110 f.); William Nicholls (Christian Antisemitism. Lanham 2004, p.15), e o Rabino Nilton Bonder (A Alma Imoral, Rio de Janeiro 1998, p. 88-101) sugerem que Jesus foi o produto do estupro da mãe dele (Miriam) por um soldado Romano. Cruzificado pelos Romanos, esse Judeu coitado fica sendo abusado neste “simbolo antisemita” (D. Goldhagen), que na epoca da Inquisição os monges mostraram a inumeraveis vitimas Judeus, antes de serem queimados, salvando assim as almas suas para o além.

 

5. A hostilidade letal e exterminadora do nazismo do Adolf Hitler: “Educado” pelo pai com humiliações e pancadas duras (uma vez quase mortais), Hitler por toda sua vida ficou inclinado a pensamentos suicidais; as namoradas dele se suicidaram ou tentaram suicidio em pelo menos tres casos. Quando oficiais do exercito relataram a ele o numero imenso de jovens morrendo nos campos de batalha, Hitler irritado apenas disse: “Mas por isso è que a gente jovem existe (serve), não è? (“Aber dafür sind die jungen Leute doch da?”). Nem por acaso, as suas gardas elite mostraram a nekrofilía do Nazismo com o simbolo de uma caveira de prata na lapela da farda preta da SS.

 

6. O “amor da morte” dos fundamentalistas muçulmanos, que elogiam o martirio de jovens que se suicidam em ataques suicidas, levando com eles meninos, mulheres e homens inocentes.

Às 12:50 em 3 junho 2012, Konrad Yona Riggenmann disse...

Oi Marcelo,

para facilitar  a correçao do meu texto de ontem, corrigi e completei o texto mesmo (embaixo).  Sendo ele cumprido demais, tenho que reparti-lo em duas mensagens, primeiro os textos do Imam e a jornalista, depois meus pensamentos.

Desejo que você reconvalesça rapidinho da gripe.

Abraços

Konrad Yona

SHAVUOT    achados por Konrad Yona Riggenmann

 

 

Primeiro:

O Sheik  Ikremah Sabri, o Imam mais alto de Palestina, em Junho de 2001 proclamou: “Nós falamos a eles [aos Judeus]: Assim que vocês amam a vida, o muçulmano ama a morte e o martirio. Existe uma grande diferença entre alguem que ama o além, e o outro que ama esse mundo. O muçulmano ama a morte como martiro.”

 

Segundo:

A jornalista inglesa Julie Burchill no ano 2003 apercebeu “uma aversão estranha contra o estado de Israel, que, não obstante todas as faltas dele, fica sendo o unico pais nessa região seca, onde você ou eu ou outro alguem pudesse viver como feminista, áteu, homosexual ou sindicalista (…). Não se deve acreditar que os Judeus são odiados por causa de Israel; são odiados por causa da sua modernidade e mobilidade, por causa do seu prazer da vida e amor do saber. O brinde mais simples deles, Le’chaim – á vida –  já é um pano vermelho para aqueles que estão venerando a morte porque não conseguiram ganhar alegria alguma da vida sua na terra.”  (The Guardian, 29.Nov.2003; citado por Robert Wistrich em: A Lethal Obsession. Anti-Semitism from Antiquity to the Global Ji­had, New York 2010, p.394 (ambos textos).

 

 

Em 2:55am on maio 31, 2012, Jayme Fucs Bar deu para Marcelo Barzilai um presente...
Presente
Querido Mestre Marcelo, Feliz Aniversario de Paz Saude e Harmonia para voce , para toda sua familia! com Carinho do Jayme
Às 1:25 em 30 maio 2012, Noel Carlos de Souza disse...

mazal tov ao celebrar o dom da vida.

Às 22:35 em 6 março 2012, fatima c. silva disse...

Boa Noite Macelo!

Quero saber como proceder para iniciar os estudos sobre o judaismo.

Não tenho ninguem para me ensinar.

Shalom

Fatima

 

 
 
 

© 2017   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço