JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

O Livro do Êxodo começa com a informação de que, em conformidade com a promessa divina de Abraão, os filhos de seu neto Israel incharam a tornar-se um povo. Para os egípcios, esta evolução e ameaçante.

 

No século XIX a.e.c. um número crescente de semitas de Canaã imigrou para o Delta do Nilo oriental. referidos com desdém pelos egípcios como "hicsos", "governantes de terras estrangeiras", a sua breve ocupação do Baixo Egito foi, nas palavras do falecido professor de Estudos Bíblicos da Universidade de Brandeis Nahum M. Sarna, uma humilhação vergonhosa para os egípcios, que teve um profundo efeito sobre a psicologia nacional.

 

Após esse período de ocupação, escreve o professor Sarna:

 

o perigo de invasão estrangeira, especialmente da Ásia através da Delta oriental, atormento o Egito depois e não poderia mais ser presunçosamente ignorado ou subestimado.

 

O fato é que a população semita não foi expulso daquela região com a expulsão dos governantes hicsos, e continuou a residir lá durante as dinastias 18 e 19.

 

É neste contexto que o capítulo 1 do Livro do Êxodo torna-se compreensível.

 

É perfeitamente compreensível a ansiedade do novo faraó sobre o rápido crescimento da presença israelita na região estratégica do Delta.

 

Com o objetivo de manter os israelitas cada vez mais poderosos do desenvolvimento de sua força total o faraó egípcio impõe trabalhos forçados.

 

Como o versículo 12 do capítulo um do livro de Êxodo nos diz:

 

Mas, quanto mais os afligiam, tanto mais se multiplicavam e tanto mais cresciam; de maneira que [os egípcios] se enfadavam por causa dos filhos de Israel.

 

O trabalho forçado tendo falhado como meio de diminuir os israelitas, a ideia de limitar ou mesmo impedir completamente o crescimento de outra geração, e gerada. A política genocida é então formulada:

 

 E o rei do Egito falou às parteiras das hebreias (das quais o nome de uma era Sifrá, e o nome da outra, Puá) e disse: Quando ajudardes no parto as hebreias e as virdes sobre os assentos, se for filho, matai-o; mas, se for filha, então, viva (Ex. 1: 15-16)

 

"Isto é infanticídio", diz Michael Walzer, - professor emérito de Ciências Sociais no Instituto de Estudos Avançados de Princeton -, "não controle de natalidade; seu propósito era destruir todo o povo de Israel, destruindo a linha masculina, deixando uma população de mulheres e meninas para ser disperso como escravos entre as famílias egípcias. "

 

As parteiras, porém, temeram a Deus e não fizeram como o rei do Egito lhes dissera; antes, conservavam os meninos com vida (Ex. 1: 17)

 

As duas mulheres não têm nenhum decreto de Deus no sentido de que o assassinato de crianças é errado. Eles chegam a esta conclusão inteiramente por conta própria.

 

Embora a recusa das duas parteiras, (este termo aparece sete vezes em neste episódio breve, de modo a destacar a importância da sua ação), é o primeiro incidente registrado de desobediência civil, não foi motivado  por um corajoso desejo de desafiar Faraó. Nem, para que o caso, por lealdade aos Hebreus, mas porque "temiam a Deus. '

 

"O medo de Deus", é a expressão hebraica mais próximo da Literatura Fundacional de Israel -o TaNaKh- a nosso "consciência ética" moderna, que é, o sentido moral interno que permanece quando as condições sociais, jurídicas e políticas falham a vida humana. A psicanalista infantil Selma Fraiberg ressalta que "quando a criança pode produzir seus próprios sinais de alerta, independente da presença real do adulto, ele está no caminho para o desenvolvimento de uma consciência."

 

Esses entendimentos são ecoados em hebraico moderno, onde o termo para "consciência ética", é matzpun, um termo que conota escondimento. O idioma hebraico moderno também cunhou a palavra matzpen, ou seja, bússola, um termo derivado da mesma raiz de ocultamento. Como o rabino Harold Schulweis- quem faleceu faz poucos dias atrás- observou: homileticamente, a consciência pode ser entendida como a bússola interna escondida que orienta nossas vidas e tem que ser ser procurada e recuperada repetidamente.

 

"O grau em que a Bíblia valoriza a consciência como o núcleo da independência política e moral", diz o filósofo e teórico político israelense Yoram Hazony ", é dramatizada talvez com mais força pelo fato de que os heróis bíblicos não, como seria de esperar, tendem a submeter passivamente, mesmo com a vontade de Deus: Abraão, o primeiro judeu e o protótipo dos valores judaicos posteriores, é descrito como um homem com a consciência e força para desafiar a Deus mesmo.".

 

  A professora da Bíblia Phyllis Tribble  do Union Theological Seminary, não poderia estar mais de acordo: "As mulheres nutrem a revolução", diz ela. "As parteiras hebreias desobedecem Faraó. Sua própria filha frustra-lo, e as suas donzelas ajudam. A princesa egípcia maquina com  as escravas, mãe e filha, para adotar uma criança hebraica quem elas nomeiam Moisés. As primeiras a desafiar o opressor, só as mulheres tomam a iniciativa que leva à lá libertação ".

 

Então, aparentemente, incapaz de conterse mesma, ela anuncia, quase como se um adendo: "Se o faraó tinha percebido o poder destas mulheres, ele poderia ter revertido o seu decreto e tinha fêmeas mortas em vez de homens!"

Exibições: 109

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

© 2019   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço