JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

A todos da comunidade judaica de origem Ibérica do Brasil

Shalom !

A todos da comunidade judaica de origem Ibérica do Brasil e do mundo.

Venho através deste manifesto informar a toda comunidade anussita que a Federação Israelita Sefarad benêi a Nussim com sede em São Paulo, se prepara para mais um desafio que e reunir o conselho internacional sefardita da America latina.

Um movimento de resgate para a comunidade anussita das Américas.

Neste mesmo manifesto queremos nos posicionar que não somos contrario a conversão de anussitas.

Somente dividimos em duas categorias, aqueles que conseguem provar sua ancestralidade judaica através da arvore genealógica e DNA e os que não têm prova alguma estes são hábitos a conversão, a Fisba não tem poder de interferir na direção do Deit Din que a quem e direito halachico a decisão de retorno ou conversão.

Todos podem participar de nossos grupos pelo Brasil, ou ainda filiar seu grupo a nossa entidade sem pagar nada por isso.

nosso movimento não e politico não procuramos prosélitos "queremos sinceros"não idolatras, não somos messiânicos, pois não cremos em Yeshua,jesus,Yohoshua ou qual quer que seja o nome do pendurado.(otó Há Yshi).

Somente que esta no programa de cooperativismo religioso promovido pela fisba ao retorno a comunidade oficial, tem seu compromisso com as tachas, para documentos aulas e visitas dos supervisores do curso no Brasil.

http://judaismohumanista.ning.com/profiles/blogs/projeto-de-coopera...

Nos da Fisba acreditamos que não e desonra a nem um de nos passar pela conversão ,dês que o processo seja justo e bem investigado, pois sabemos que as portas da conversão ao povo de Israel esta aberta como esta escrito na Torah,”E sereis como natural,”o talmude e Tanach afirma que a mais honra em ser Prosélito , já que o prosélito(gentil) não tem obrigação de carregar o peso da Torah, mas decidiu  abraçar as alegrias e sofrimentos do povo Judeu.

A Torá nos manda amar o guer. A palavra geralmente é traduzida como "estrangeiro", mas segundo a tradição oral, com freqüência significa tsedec, o 'prosélito justo'. Somos ordenados a demonstrar sensibilidade especial ao convertido. Na amidá diária, fazemos menção especial aos "justos convertidos", rezando para que nosso quinhão seja dividido com eles Os convertidos trazem méritos especiais ao nosso povo.

Em uma responsa, Moises Maimônides foi indagado por um prosélito, Ovadiah, se como convertido tinha permissão de dizer em suas preces: "Nosso D'us e D'us de nossos pais", uma vez que os pais dele não eram judeus. Maimônides respondeu afirmativamente. Um judeu pode ser o filho físico de Avraham, porém o convertido é um dos seus filhos espirituais. "Como você veio para debaixo das asas da Divina Presença e confessou o Senhor", continua Maimônides, "não há qualquer diferença entre você e nós… Não considere sua origem como inferior.

O que é conversão? As pessoas freqüentemente se referem ao caso de Ruth, a Moabita, cuja história é narrada com tanta beleza no livro que leva o seu nome. É da resposta de Ruth à sogra Naomi, que são derivados os princípios básicos da conversão, Ela disse: "Aonde tu fores, eu irei. 

Onde ficares, eu ficarei. Teu povo será o meu povo, e teu D'us o meu D'us."

A última frase – apenas quatro palavras em hebraico – define a natureza dual da conversão até hoje. O primeiro elemento é uma identificação com o povo judeu e seu destino (Teu povo será o meu povo). O segundo é a aceitação de um destino religioso, o pacto entre Israel e D'us e suas ordens (Teu D'us será o meu D'us).

Ambos os elementos são necessários. Isso é o que distingue a conversão ao Judaísmo da cidadania israelense. Há cidadãos de Israel que são cristãos, muçulmanos, drusos, beduínos, budistas ou brâmanes. Você não precisa ser judeu para ser cidadão israelense, assim como não precisa ser cristão para ser cidadão britânico (para assegurar, há diferenças em relação à Lei de Retorno de Israel, mas aqui isso não vem ao caso). A cidadania nas democracias liberais é um conceito secular. A conversão, ao contrário, é irredutivelmente religiosa. É isso que Boaz quer dizer quando fala para Ruth: "Que você seja ricamente recompensada pelo Eterno, o D'us de Israel, sob cujas asas você buscou refúgio." Isso envolve a adoção de um estilo de vida religioso. A conversão secular a uma identidade religiosa é logicamente, impossível.

 

A natureza dessa dimensão religiosa pode ser resumida em duas palavras hebraicas: cabalat hamitsvot, aceitação dos comandos. Isso pode ser feito de maneira estrita ou leniente. A conversão é um caso inusual no qual o rigor da lei é deixado à decisão do tribunal. Porém a condição existe, embora inferida. A conversão deve envolver a aceitação dos comandos. 

Se um convertido, em virtude do seu comportamento, demonstra um genuíno comprometimento com a prática e a Lei Judaica na época da conversão, isso permanece, mesmo se depois ele a abandona. Um convertido faltoso é um judeu em falta, não um gentio em falta. Se, no entanto, não havia observância religiosa na época, a conversão não tem valor. A aceitação dos comandos é constitutiva da conversão. Sem ela, não se pode dizer que a conversão ocorreu.
A conversão ao Judaísmo é um empreendimento sério, porque o Judaísmo não é um mero credo. Envolve um estilo de vida distinto e detalhado. Quando as pessoas me perguntam por que a conversão ao Judaísmo demora tanto, peço-lhes que considerem outros casos de mudança de identidade. Quanto tempo demora para um britânico se tornar italiano, não apenas legalmente, mas lingüística, cultural e socialmente? Leva tempo.

A analogia é imperfeita, mas ajuda a explicar o aspecto mais intrigante da conversão hoje: os padrões às vezes diferentes entre as cortes rabínicas em Israel e na Grã-Bretanha. Há algumas décadas, um Rabino Chefe israelense argumentou que os tribunais rabínicos israelenses deveriam ser mais lenientes que seus pares na Diáspora. Seus motivos eram técnicos, mas faziam sentido. É mais fácil aprender italiano se você estiver morando na Itália. Em Israel, muitos aspectos da identidade judaica são reforçados pela cultura circundante. Sua linguagem é a linguagem da Bíblia.
Sua paisagem está saturada pela História Judaica. O Shabat é o dia de descanso. O calendário é judaico.

No caso da conversão, os códigos concedem explicitamente a cada Bet Din o direito e o dever de exercer a discrição tendo em vista a circunstância local. Durante séculos, isso não criou problemas. O que mudou foi a nossa mobilidade geográfica, bastante aumentada. As pessoas se mudam. Um casal pode se conhecer num país, casar-se num segundo e morar num terceiro. 

A conversão é algo muito sério. Ninguém pode tratá-la levianamente, muito menos um tribunal religioso. Já houve tempos em que a identidade judaica foi uma questão de vida ou morte – não apenas durante o Holocausto. O Talmud afirma: 'É dito ao convertido em perspectiva: ‘Está consciente de que os Filhos de Israel na era atual são perseguidos e oprimidos, desprezados, molestados e dominados por aflições?' Isso não é tanto para desencorajar o candidato, mas para ser perfeitamente sincero sobre o que esta opção envolve.

A conversão também não é afetada por considerações demográficas. Os judeus sempre foram um povo muito pequeno. No Século Dezessete estima-se que houvesse apenas dois milhões de judeus na terra. Hoje há 100 muçulmanos para cada judeu, e quase 200 cristãos. Se o Judaísmo se importasse com o poder dos números, poderia ter se tornado uma fé proselitista como o Cristianismo ou Islamismo. Por uma questão de princípio e história, escolheu de outra maneira. 
Concentrou-se na força espiritual, não demográfica.

O Judaísmo não busca converter. Não porque seja exclusivo, mas pelo motivo oposto; não acredita que é preciso ser judeu para ter uma porção no céu. As pessoas muitas vezes me perguntam como consigo ser tolerante com outras crenças, enquanto ao mesmo tempo insisto em padrões haláchicos para a conversão. Não apenas não há contradição entre estas opiniões, como elas são dois lados da mesma moeda. O Judaísmo é tolerante com outras fé exatamente porque acredita, nas palavras dos sábios, que 'os gentios justos têm uma porção no Mundo Vindouro'. Não há necessidade de conversão. Portanto, isso deve ser feito apenas se a pessoa entende sinceramente, de maneira séria e total, a natureza do compromisso envolvido.

O Judaísmo é uma fé exigente. Há beleza e força. Muitos não-judeus já me disseram o quanto admiram a comunidade pelo seu amor à família, sua dedicação à caridade e justiça, sua paixão pela educação e desenvolvimento do intelecto. Posso entender por que alguém desejaria fazer parte deste estilo de vida.

O que é difícil de entender é por que alguém desejaria adquirir um carro mas nunca usá-lo; um terno para jamais vesti-lo; uma casa para não morar nela; uma religião para não praticá-la. Não há atalhos para as bênçãos da fé, assim como não os há para a saúde física. Sem exercício, sono e uma dieta balanceada, o corpo perece. Sem o Shabat e as Festas, cashrut e leis da família, o espírito judeu atrofia e termina por morrer. Um médico, quando atende um paciente que está com a saúde abalada, seria irresponsável em não dizer-lhe que precisa mudar seu estilo de vida. Da mesma forma, seria irresponsável um rabino que não dissesse o mesmo a um convertido em potencial.

Para um não-judeu que deseja se converter, eu diria: 'Nós o recebemos de braços abertos. Porém você deve entender o que isso envolve. Significa manter as leis que constituem nosso pacto com D'us. Significa uma mudança de identidade e estilo de vida. Ser judeu não é apenas um privilégio, mas também, muito mais, uma responsabilidade.

 

Veja Rashi em Shemot 19:2; Talmud Nazir 61b; Rabi Yossef Rosen de Rogatchov, Tsafnat Paneach, 2ª edição, 13b; Licutei Sichos, vol. 9 pág. 112; Licutei Sichot vol. 18, pág. 113-116.

[16] - Shemot 19:6.

[17] - Devarim Rabá, 87:8.

[18] - Shulchan Aruch, Yorê Deá 274. Veja Sêfer Hasichot 5750, vol. 1, pág. 89-90.

[19] - Citado em muitos lugares em nome do Báal Shem Tov e em nome de Rav Saadia Gaon.

[20] - Terumot 8:12; Talmud Yerushalmi, ibid. 4.

[21] - Livro do Conhecimento, Leis Fundamentais da Torá, 5:5.

[22] - Quanto a estas distinções entre homens e mulheres, veja a palestra do Rebe, por ocasião do yartzheit de sua mulher, Rebetsin Chaya Mushka, que seu mérito nos proteja, impresso em Licutei Sichot vol. 31, pág. 93.

[23] - Shemot 19:3.

[24] - Pirke derabi Eliezer, 41.

[25] - Veja sêfer Hasichot 5750, vol. 2 pág. 457, nota 28. Veja mesmo.

[26] - Talmud Kidushin, 71a.

[27] - Carta a Teman.

[28] - Zôhar parte 3, 73; Veja Licutei Torá, Shir Hashirim 16:4.

[29] - Veja Licutei Sichot, vol. 14 pág, 169, e fontes lá citadas.

[30] - Tana Devei Eliyahu Rabá, 14.

 

Yshaiachu (Isaias)56

Assim diz o Senhor: Mantende a retidão, e fazei justiça; porque a minha salvação está prestes a vir, e a minha justiça a manifestar-se.

2 Bem-aventurado o homem que fizer isto, e o filho do homem que lançar mão disto: que se abstém de profanar o sábado, e guarda a sua mão de cometer o mal.

E não fale o estrangeiro, que se houver unido ao Senhor, dizendo: Certamente o Senhor me separará do seu povo; nem tampouco diga o eunuco: Eis que eu sou uma árvore seca.

Pois assim diz o Senhor a respeito dos eunucos que guardam os meus sábados, e escolhem as coisas que me agradam, e abraçam o meu pacto:

5 Dar-lhes-ei na minha casa e dentro dos meus muros um memorial e um nome melhor do que o de filhos e filhas; um nome eterno darei a cada um deles, que nunca se apagará.

6 E aos estrangeiros, que se unirem ao Senhor, para o servirem, e para amarem o nome do Senhor, sendo deste modo servos seus, todos os que guardarem o sábado, não o profanando, e os que abraçarem o meu pacto,

7 sim, a esses os levarei ao meu santo monte, e os alegrarei na minha casa de oração; os seus holocaustos e os seus sacrifícios serão aceitos no meu altar; porque a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos.

8 Assim diz o Senhor D,us, que ajunta os dispersos de Israel: Ainda outros ajuntarei a ele, além dos que já se lhe ajuntaram.

 

 

Yshaichu 51º capítulo

 

 Ouvi-me vós, os que seguis a justiça, os que buscais ao Senhor; olhai para a rocha donde fostes cortados, e para a caverna do poço donde fostes cavados.

2 Olhai para Abraão, vosso pai, e para Sara, que vos deu à luz; porque ainda quando ele era um só, eu o chamei, e o abençoei e o multipliquei.

3 Porque o Senhor consolará a Sião; consolará a todos os seus lugares assolados, e fará o seu deserto como o Edem e a sua solidão como o jardim do Senhor; gozo e alegria se acharão nela, ação de graças, e voz de cântico.

Atendei-me, povo meu, e nação minha, inclinai os ouvidos para mim; porque de mim sairá a lei, e estabelecerei a minha justiça como luz dos povos.

5 Perto está a minha justiça, vem saindo a minha salvação, e os meus braços governarão os povos; as ilhas me aguardam, e no meu braço esperam.

6 Levantai os vossos olhos para os céus e olhai para a terra em baixo; porque os céus desaparecerão como a fumaça, e a terra se envelhecerá como um vestido; e os seus moradores morrerão semelhantemente; a minha salvação, porém, durará para sempre, e a minha justiça não será abolida.

7 Ouvi-me, vós que conheceis a justiça, vós, povo, em cujo coração está a minha lei; não temais o opróbrio dos homens, nem vos turbeis pelas suas injúrias.

8 Pois a traça os roerá como a um vestido, e o bicho os comerá como à lã; a minha justiça, porém, durará para sempre, e a minha salvação para todas as gerações.

Desperta, desperta, veste-te de força, ó braço do Senhor; desperta como nos dias da antigüidade, como nas gerações antigas. Porventura não és tu aquele que cortou em pedaços a Raabe, e traspassou ao dragão,

10 Não és tu aquele que secou o mar, as águas do grande abismo? o que fez do fundo do mar um caminho, para que por ele passassem os remidos?

11 Assim voltarão os resgatados do Senhor, e virão com júbilo a Sião; e haverá perpétua alegria sobre as suas cabeças; gozo e alegria alcançarão, a tristeza e o gemido fugirão.

12 Eu, eu sou aquele que vos consola; quem, pois, és tu, para teres medo dum homem, que é mortal, ou do filho do homem que se tornará como feno;

13 e te esqueces de Senhor, o teu Criador, que estendeu os céus, e fundou a terra, e temes continuamente o dia todo por causa do furor do opressor, quando se prepara para destruir? Onde está o furor do opressor?

14 O exilado cativo depressa será solto, e não morrerá para ir à sepultura, nem lhe faltará o pão.

15 Pois eu sou o Senhor teu D,us, que agita o mar, de modo que bramem as suas ondas. O Senhor dos exércitos é o seu nome.

16 E pus as minhas palavras na tua boca, e te cubro com a sombra da minha mão; para plantar os céus, e para fundar a terra, e para dizer a Sião: Tu és o meu povo.

 

   Nos da Fisba somos contrario a todo movimento que quer dar o status judaico sem comprometimento religioso ético e moral de seus participantes.

Entendemos que o pacto e conosco e com nossas gerações, sejam de linha liberal, ou ortodoxa embora não nos denominamos nem uma coisa nem outra.

Veja no site judaísmo humanista blog filosofia de nossa entidade.

 

 

Somente somos judeus, vivemos o judaísmo da torah segundo rito sefaradita, a todos que quiserem contato conosco pode entrar em contato

 pelo e-mail,fisba_fisba@hotmail.com

 

Estaremos organizando uma grande manifestação, com manifesto anussita em são Paulo, a hora e agora nunca estivemos em clima tão propicio para nos manifestar para o mundo.

Na oportunidade estaremos elegendo a nova diretoria e votando a mudança de nome da instituição.

Mais informações pelos meus blogs e  no site judaísmo humanista.

Quero falar sobre da palavra Anussim, a palavra Anussim significa forçados, nos da diretoria Fisba ,rejeitamos se chamados de Anussim ,pois não sentido em ser chamado de Anussim,a Fisba não e um grupo e uma instituição que busca os descendentes de judeus na inquisição e acredita na restauração da comunidade judaica de origens ibérica ,entendemos que judeu e quem pratica judaísmo e vive como judeu de forma pratica,mesmo que para isto necessitamos de alguém que de testemunho que somos judeus,para isto temos nossos mestres e Rabinos é beit din.

Visto que existem descendentes dos forçados para quem temos o privilégio de ajudar, ninguém e, mas forçado a dana, volta ao judaísmo quem quer...

Todos somos dono do nosso presente e podemos ter um futuro melhor.

Somos judeus sefaraditas apenas judeus, mas nada.

 

Att ( Marcos Moreira da Silva S,t) Mordechai Moré

Presidente

 

 

Exibições: 673

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

Comentário de Marcos Moreira da silva em 15 outubro 2012 às 22:16
Comentário de Cema Milicich em 10 setembro 2012 às 13:46

Importante. Espero que continuem com uma visao clara dos objetivos, para que unidos, possamos abir as portas aos que realmente desejam o retorno. Meu apoio é integral a esta missao.

© 2020   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço