JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

O êxodo do Egito, que tem ocupado para as últimas semanas a agenda de estudo dos judeus de todo o mundo, é, sem dúvida, o evento fundamental da história judaica.

 

Não é novidade que, nas palavras de Brevard Childs, professor da Universidade de Yale,  o livro do Êxodo faz muito uso do milagroso como um meio variada e sutil. Este material tem a sua função teológicas que atua como um controlo contra a sua má utilização sob a forma de qualquer racionalismo ou supernaturalíssimo.

 

Na verdade, a libertação no mar, o tema da leitura da Torá desta semana, foi afetada por uma combinação do maravilhoso e do comum. Os israelitas não são, afinal, magicamente transportados para  a terra prometida, eles devem marchar para chegar lá, e a marcha é cheia de dificuldades, crises e lutas, tudo realisticamente apresentado.

 

As águas foram divididas pela vara de Moisés, mas um vento forte soprou toda a noite e pôs a nu o fundo do mar. As águas se levantaram como uma poderosa parede à esquerda e à direita, e ainda os egípcios se afogaram quando o mar voltou para seus canais normais.

 

Na verdade, nunca houve um momento em que o evento só foi entendido como ordinário, nem houve um momento em que o sobrenatural absorveu o natural.

 

O professor de Harvard, e uns dos teólogos mais proeminentes de América, Harvey Cox, afirma que para os Hebreus Deus não falou decisivamente em um fenômeno natural, como um trovão ou um terramoto, mas através de um acontecimento histórico, a libertação do Egito.

 

É particularmente significativo que este foi um evento de mudança social, um ato massivo que hoje poderíamos chamar de "desobediência civil". Foi um ato de insurreição contra um monarca devidamente constituído, um faraó cuja relação com o deus-sol Re constituiu a sua reivindicação de soberania política.

 

O êxodo dos hebreus se tornou mais que um evento menor, que aconteceu com um povo sem importância. Tornou-se o evento central em torno do qual os hebreus organizaram toda a sua percepção da realidade.

 

Que a principal forma de memória do Êxodo é expressada em linguagem milagrosa é muito compreensível. O falecido filósofo judeu ortodoxo, Yeshayahu Leibowitz, explicou-o da seguinte maneira:

 

"Os judeus não mantiveram sua fé por causa dos milagres que experimentaram. Foi a sua fé que os levou a interpretar a sua experiência

Exibições: 46

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

© 2020   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço