JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Mulheres judias conseguem rezar como os homens no Muro das Lamentações - El Pais


Mulheres judias conseguem rezar como os homens no Muro das Lamentações

Grupos de ultraortodoxas batem nas fiéis e as ameaçam por rezarem com os rolos da Torá




Mulheres judias com a Torá depois de rezarem no Muro das Lamentações, em Jerusalém.
Mulheres judias com a Torá depois de rezarem no Muro das Lamentações, em Jerusalém. MENAHEM KAHANA AFP

A guerra religiosa entre judeus explodiu de novo em Jerusalém. Uma centena de mulheres acompanhadas por rabinos reformistas e conservadores conseguiram nesta quarta-feira introduzir no Kotel ­— nome em hebraico do Muro das Lamentações — 12 rolos da Torá, um para cada tribo de Israel, e rezar com eles no lugar sagrado. Trata-se de um fato sem precedentes, que viola as leis do rabinato que administra o Kotel, e que só permite o uso para a reza dos pergaminhos depositados no Muro das Lamentações. Somente os homens podem utilizar os rolos com os textos sagrados, já que as mulheres, segundo a interpretação ortodoxa do judaísmo, nem sequer os podem tocar.



Pela primeira vez não só elas introduziram os rolos da Torá, como tanto os homens como mulheres puderam rezar com eles. Primeiro, em separado, cada grupo reza em sua zona de oração. Depois, todos juntos, mas não no Azarat Yisrael — o espaço à margem designado pelo Governo israelense para um futuro lugar misto de oração — , mas na própria área do Kotel, perto dos espaços tradicionais segregados.

A chegada das rabinas com os rolos da Torá até o Muro das Lamentações não foi tarefa fácil. A procissão que atravessou a muralha da Cidade Velha de Jerusalém pela Porta dos Detritos — o acesso mais direto à praça do Kotel pelo bairro judaico da Cidade Velha de Jerusalém — ultrapassou, cantando, o posto de controle rotineiro de segurança e entoou o Aleluia hebraico ao pisar no espaço sagrado. Homens e mulheres portavam os rolos. Elas, abraçando-os firmemente contra o peito, como se fossem bebês. Entre vaias e gritos de “nazis” lançados por grupos de judeus ultraortodoxos, conseguiram seu objetivo. “Não é a primeira vez que entramos no Kotel com os rolos e nos detêm por isso, mas é de fato a primeira vez que não o fazemos às escondidas”, reconhecia a rabina Sandra Kochmann, do movimento conservador Masorti.

Foi um marco histórico para o qual contribuíram, e muito, os homens do movimento reformista judaico. Eles foram rodeando as mulheres, e se posicionaram como uma barreira que levou a maior parte dos empurrões e socos dados pelos judeus ultraortodoxos, que tentavam lhes tirar os rolos da Torá para impedir que as mulheres os introduzissem em seu espaço de reza no Muro das Lamentações.

Reforço policial

Finalmente, com muito esforço e alguma ou outra queda, a improvisada procissão conseguiu ultrapassar o cordão de segurança que fazia a guarda na entrada da zona feminina do Muro. Os funcionários do Kotel, identificados com vistosos coletes amarelos brilhantes, não tinham como missão impedir o acesso das mulheres ao lugar, mas evitar que judeus radicais penetrassem na área reservada para elas, para agredi-las ou lhes arrancar das mãos os rolos da Torá. Poucos metros adiante, dezenas de policiais israelenses enviados para o local para o caso de a disputa ter maiores consequências tiveram que interferir. Agiram tão somente para separar alguns homens de ambos os grupos — ultraortodoxos e reformistas — que chegaram às vias de fato na disputa religiosa.

Os fatos foram qualificados de “incidente infeliz” pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que também advertiu por meio de um comunicado que “a violação unilateral do status quo no Muro das Lamentações mina os atuais esforços para alcançar um acordo”.

Sua mensagem teve imediata resposta dos que defendem os direitos das mulheres de rezarem no Kotel em igualdade de condições com os homens. “Não só lutamos por um lugar de reza igualitário, lutamos pela igualdade entre homens e mulheres. O Governo aprovou uma zona mista de oração, mas tal como está agora não serve. É um espaço discriminado, e as obras para equipará-lo aos lugares tradicionais de reza não parecem avançar. Por isso, continuamos e continuaremos vindo todo mês rezar na zona das mulheres”, explica Sandra Kochmann.

O rabino-chefe do Kotel, Shmuel Rabinowitz, considera que essa atitude das mulheres e dos judeus reformistas “atiça a chama, convertendo o fogo da disputa em uma eterna fogueira”. Rabinowitz pediu aos fiéis que não entrem em provocações, e aos reformistas e conservadores que permitam a Netanyahu “atuar com sensibilidade e discernimento para pôr fim a esta guerra civil”.

Segundo a ortodoxia judaica, não só é proibido que as mulheres toquem a sagrada escritura como tampouco vestir o talit ou colocarem o tefilin (trajes de reza reservados aos homens), nem rezar em grupo ou em voz alta. São privilégios masculinos que reformistas e conservadores querem eliminar. “Todo dia deveria ser permitido às mulheres lerem a Torá... logo chegará o dia em que poderemos celebrar também aqui cerimônias como o Bar Mitzva”, dizia a rabina reformista Anat Hoffman, líder do movimento Nasot Ha Kotel (Mulheres do Muro das Lamentações). Hoffman, detida várias vezes porque está há mais de 30 anos infringindo normas e rezando no Muro com a cabeça coberta pelo quipá e usando o talit, pôde finalmente nesta quarta-feira levar livremente um rolo da Torá e recitá-lo em voz alta.

Exibições: 148

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

Comentário de Paulo Augusto Lacaz em 21 fevereiro 2017 às 21:56

CUIDADO PELO INÍCIO DOS CONFLITOS INTERNOS! POIS ELAS SÃO MANOBREIRAS. 

EXISTEM DEVERES IGUAIS. EXISTEM DEVERES DIFERENTES. O MESMO EXISTEM DIREITOS IGUAIS, MAS EXISTEM DIFERENTES DIREITOS.

SÃO PELAS DIFERENÇAS QUE OCORREM AS UNIÕES.

ANALISEM ESTES DOIS ARTIGOS:

http://palacazgrandesartigos.blogspot.com.br/2015/09/womens-equalit...

http://sccbesme-humanidade.blogspot.com.br/2012/07/responsabilidade...

DESEJO À TODOS QUE SCHALEM ALEIJEM!

PAULO AUGUSTO LACAZ

GOI GADOL 

 

© 2019   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço