JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Não ser considerado culpado não significa que não se é culpado

"Nenhum de nós", escreveu o psicólogo existencial Rollo May, " consegue evitar de alguma forma distorcer a realidade do seu próximo, e ninguém cumpre plenamente as suas próprias potencialidades."

 

Muito antes de as consequências dessa condição humana foram completamente esclarecidos, Israel tinha desenvolvido uma estratégia para lidar com as suas síndromes: o pecado, a culpa, a necessidade de confessar, punição e perdão.

 

Como desconcertante que seja para a mente moderna, os meios utilizados para lidar com esse complexo de emoções, era a prática de "sacrifícios".

 

Para colocar dúvidas de lado, como apontado pelo falecido rabino ortodoxo Inglês Isidore Epstein, na religião bíblica judaica, ao contrário das religiões pagãs:

 

"Não são as necessidades de Deus, que os sacrifícios são destinados a satisfazer, mas as necessidades dos seres humanos. Eles não são concebidas como presentes a uma divindade ofendida no apaziguamento da sua raiva ou em reparação de uma injustiça feita para com o próximo "

 

Nem sacrifícios são para o abate de animais, sacrifícios também podem consistir de ofertas de farinha, ou dinheiro. Tal como o entendemos hoje, "sacrifício" significa abrir mão de algo que é de interesse vital para adquirir algo que é considerado ainda mais valioso.

 

Quando alguém, por exemplo, tinha jurado falsamente, enganado em matéria de depósito ou de segurança, o roubo descarado, ou deixa de testemunhar, o capítulo 5 do livro de Levítico diz que, depois de ter confessado sua culpa, o culpado pode solicitar e obter o perdão, oferecendo uma oferta pela culpa (em hebraico = asham).

 

O transgressor conscientes do sofrimento que ele causou lamenta o que ele fez. A oferta asham foi o dispositivo que permitia lidar com as emoções derivadas de danos não intencionais causados ​a outros.

 

Todos os casos previstos ou implícitos na oferta asham, diz o estudioso bíblico e rabino conservador, Jacob Milgrom ", mostra-nos a situação existencial de pessoas atormentadas, torturadas pela consciência de seu pecado real ou percebido. Ninguém pode ajudá-los, porque só eles sentem sua dor ... É para essas pessoas que sofrem em silêncio que a lei sacerdotal traz seu bálsamo terapêutico: Se a restituição prescrita é inspirado por seu arrependimento, o pecado pode ser absolvido. Eles precisam de não sofrer mais. "

 

 

No entanto, é necessário fazer uma advertência: antes de permitir que o infrator arrependido de normas humanas, poda ser autorizado a trazer a oferta asham que irá absolvê-lo de ser julgados como tendo tido intenções malévolas, convertendo sua ilegalidade em algo não intencional, ele tem que ( além de confessar seu erro), fazer a restituição completa além de pagar uma multa de 20%.

 

Como observado pelo rabino Milgrom:

 

"Antes que os agressores podem vir a Deus para expiação eles devem primeiro fazer a restituição para as pessoas que foram feridas. Em questões de justiça civil as pessoas têm prioridade sobre Deus. Uma inovação surpreendente"

 

Exibições: 82

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

© 2019   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço