JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Sigmund Freud escreveu certa vez em uma carta à Princesa Bonaparte: “No momento em que alguém pergunta sobre o significado e o valor da vida, está doente.” Coloque na linguagem de hoje isso deve soar algo como “você deveria estar louco para se preocupar com o sentido da vida”.

 

Não é que acreditemos que a vida não tenha significado, muito provavelmente é que queremos evitar ter que nos preocupar com isso. Nos tempos em que vivemos, talvez a estratégia mais popular para tentar evitar ter que pensar muito sobre a razão de nossa existência na Terra seja viver a vida de outra pessoa, fingindo que ela é nossa.

 

Outro famoso psicanalista judeu, Erich Fromm, observou que uma estratégia alternativa para não ter que refletir sobre a razão e o objetivo de nossa vida individual é nos considerarmos apenas um sistema de desejos e satisfação. Como Fromm diz: “Eu nunca estou sozinho comigo porque estou sempre ocupado - trabalhando ou me divertindo. Eu não preciso estar consciente de mim mesmo porque estou constantemente absorvido tendo prazer. ”

 

Milhares de anos de experiência acumulada do povo judeu apontam para a conclusão inevitável de que esta é uma estratégia fracassada. O judaísmo descobriu há muito tempo que toda vida humana é única, intransferível e, se aplicada, capaz de mudar o mundo. É essa convicção, mais do que qualquer outra coisa, que que estabelece as bases que definem quem é judeu.

 

O encapsulamento dessa idéia e sua dramática reencenação anual é o que está por trás de Rosh Hashaná, o Ano Novo judaico não celebra o nascimento de um salvador, nem mesmo um evento judaico como o Êxodo do Egito ou a revelação da Torá no Sinai. Rosh Hashaná celebra o nascimento do universo e da humanidade.

 

Rosh ha-Shanah, “Ano Novo”, é concebida não para nos perdermos por meio de festas, mas para nos redescobrirmos através do auto-exame, para encarar a incômoda questão sobre a humanidade da qual fazemos parte. Por que eu vim para este mundo? Que significado tem a minha vida para mim e para os outros? Eu sou uma parte ativa de uma mudança nas regras do jogo ou o que eu faço é simplesmente irrelevante?

 

E, sim, nossas respostas a essas perguntas ou mesmo ignorando os problemas não passam despercebidas, nossas vidas são inexoravelmente julgadas pelo modo como as vivenciamos.

 

À medida que entramos no novo ano, acredito ser mais apropriado mudar nosso foco do desejo de um ano feliz para uma apreciação mais profunda do que poderia fazer desse um bom ano. Eu diria que o que tornaria este um bom ano é a nossa compreensão da razão da existência individual de cada um de nós e do poder que temos para melhorar o mundo.

Exibições: 26

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

© 2019   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço