JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

A reposta imediata é o "Ano Novo judaico," uma resposta tão prosaica como sem sentido. Sintomática da razão pela qual 65% dos judeus sentem que não faz sentido para celebrar Rosh Hashaná assistindo a uma sinagoga.

 

Em quase todas as culturas humanas conhecidas, há uma concepção de períodos temporais que têm um começo e um fim. O judaísmo, como expressa sua liturgia, entende que a criação acontece diariamente. Todas as manhãs, cada nascer do sol repete o primeiro nascer do sol no dia da criação, isso é tudo. Para o Judaísmo Rosh Hashaná não é sobre o movimento do sol e as mudanças das estações, não é sobre o ano, mas sobre a capacidade humana de autotransformação.

 

A palavra hebraica "Shaná" traduzida como "ano" é a razão que a saudação "Shaná Tová" é erroneamente entendida como "Feliz Ano Novo". "Shaná" na verdade deriva de uma raiz hebraica que significa tanto "mudança" como " repetição. "Shaná Tová, portanto, não é sobre o desejo que forças não humanas, tais como que o tempo seja bom (ou misericordioso), mas uma fórmula de encorajamento para fortalecer a resolução de cada indivíduo para fazer mudanças pessoais para melhor.

 

Este não é um desejo vazio. A celebração se baseia na experiência humana que testemunha que as mudanças podem e devem ser feitas, e que também pode se reaprender as lições esquecidas da humanidade.

 

Comemorando Rosh Hashaná  o judaísmo diz que os seres humanos não têm mais do que continuar ininterrompidamente desenvolvendo a suas vidas moral e intelectualmente. A alternativa é cair no buraco negro da falta de propósito.

 

Rosh Hashaná convida os seres humanos para explorar o que pode ser recriado, quais são as barreiras físicas, emocionais, intelectuais e espirituais que precisam ser demolidas, o que precisa ser lembrado para evitar repetir os erros do passado.

 

Isso é algo que não pode acontecer enquanto anestesiados com álcool, música alta ou comportamento descontrolado. É também algo que não pode ser alcançado através da utilização de formas e mitos arcaicos que pretendem sobrepor o passado judaico sobre o presente judaico, ou proclamações de moda, que fazem “se sentir bem,” mas que não por isso deixam de ser menos irreais.

 

Os jovens judeus, nascido há apenas duas décadas atrás, entendem isso. Estudos recentes dizem-nos que os jovens adultos judeus muitas vezes se identificam fortemente como judeus, mas eles veem pouco valor nas formas do judaísmo institucional ou comunitário.

 

Confrontados com instituições visivelmente preocupadas com sua própria auto- preservação a grande maioria dos judeus, pelo menos aqueles preocupados com o significado de suas vidas, ou eles vão para outras partes, ou para lugar nenhum. Assim, a questão fundamental do judaísmo no século 21 é: como salvar-se de si mesmo.

 

A resposta pode ser encontrada na receita que tem sido a chave para a sobrevivência judaica através dos séculos. O judaísmo não só sobreviveu, mas foi aumentando sua contribuição para os seres humanos, não repetindo meticulosamente o passado, mas incorporando as lições do passado no constante desenvolvimento de novas capacidades e formas de entendimento.

 

Longas orações altamente carregadas de poesia teológica medieval não são os instrumentos por como o Judaísmo pode ajudar os judeus do século 21 para compreender adequadamente o estado de suas vidas. Elas não oferecem prescrições suficientemente capazes de oferecer orientação sobre como viver uma vida no século 21.

 

As Grandes Festas são a  inestimável contribuição do Judaísmo para lembrar os seres humanos que alcançar o conhecimento sobre si mesmo não é uma escolha. Goste ou não, a fim de viver, os seres humanos precisam pensar, formar crenças. As falsas religiões, dos quais o judaísmo fala repetidamente são aquelas que ensinam conceitos que dificilmente se qualificam como conhecimento.

 

O vácuo que as instituições carentes de visão criaram não só esvaziou os bancos das sinagogas, ou construi fortalezas para impedir o desenvolvimento humano, ele tem jogado a juventude nas mãos dos pontos de vista que foram desqualificados há muito tempo e que hoje se disfarçam para se aproveitar dos jovens e os inocentes.

 

Enquanto os gregos entendiam que "a vida não examinada não vale a pena viver", o Talmude precisa: "Informe-se antes de quem você está"

 

O nome original do Rosh Hashaná como encontrado nas Escrituras Hebraicas é Yoma Hazikaron, "Dia da Lembrança." Um lembrete que as questões relativas a vida tem que ser perguntadas, bem como um lembrete na frente de quem estas perguntas tem que ser feitas.

 

As sinagogas não devem ser fontes de distração, mas Batei Knesset, "casas de reunião" onde os judeus devem reunires durante este Yoma Hazikaron, este "Dia da Lembrança" para discutir, trocar notas, ser provocados pela sabedoria acumulada das gerações, para encontrar a vida que vale a pena ser vivida, vidas que são boas vidas.

Exibições: 229

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

© 2019   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço