Origem e significado dos sobrenomes dos judeus Jorge Magalhães em Coisas Judaicas

 

Origem e significado dos sobrenomes dos judeus
Coisas Judaicas
 
Há dezenas de milhares de sobrenomes judeus utilizando a combinação das cores, dos elementos da natureza, dos ofícios, cidades e características físicas.
 
Um pequeno exercício é perguntar: Quantos sobrenomes judaicos podemos reconhecer com a raiz das seguintes palavras?
 
Cores: Roit, Roth (vermelho); Grun, Grin (verde); Wais, Weis, Weiss (branco); Schwartz, Swarty (escuro, negro);
 
Gelb, Gel (amarelo).
 
Panoramas: Berg (montanha); Tal, Thal (vale); Wasser (água); Feld (campo);
 
Stein (pedra); Stern (estrela); Hamburguer (morador da vila).
 
Metais, pedras preciosas, mercadorias: Gold (ouro), Silver (prata), Kupfer (cobre), Eisen (ferro), Diamant, Diamante (diamante), Rubin (rubi), Perl (pérola), Glass, (vidro), Wein (vinho).
 
Vegetação: Baum, Boim (árvore); Blat (folha); Blum (flor); Rose (rosa); Holz (Madeira).
 
Características físicas: Shein, Shen (bonito); Hoch (alto); Lang (comprido); Gross, Grois (grande), Klein (pequeno), Kurtz (curto); Adam (homem).
 
Ofícios: Beker (padeiro); Schneider (alfaiate); Schreiber (escriturário); Singer (cantor).
 
Holtzkocker (cortador de madeira), Geltschimidt (ourives), Kreigsman, Krigsman, Krieger, Kriger (guerreiro, soldado), Eisener (ferreiro), Fischer (peixeiro, pescador), Gleizer (vidreiro).
 
Utilizaram-se as palavras de forma simples, combinadas e com a agregação de sílabas como son, filho; man, homem; er: que designa lugar, agregando-se preferencialmente após o final do nome da cidade.
 
Em muitos países adaptaram-se as terminações dos sobrenomes ao uso do idioma do país como o sufixo "ski", "sky" ou "ska" para o caso de mulher, "as", "iak", "shvili" , "wicz" ou "vich".
 
Então, com a mesma raiz, temos por exemplo: Gold, que deriva em Goldman, Goldrossen, Goldanski, Goldanska, Goldas, Goldiak, Goldwicz, etc.
 
A terminação indica que idioma falava-se no país de onde é o sobrenome.
 
Sobrenomes espanhóis: Entre os sobrenomes judaicos espanhóis é fácil reconhecer ofícios, designados em árabe, ou em hebraico, como: Amzalag (joalheiro); Saban (saboneiro); Nagar (carpinteiro); Haddad (ferreiro); Hakim (médico).
 
Profissões relacionadas com a sinagoga como: Hazan (cantor); Melamed (maestro); Dayan (juiz). Cohen (rabino). Levy, Levi (auxiliar do templo).
 
Títulos honoríficos: Navon (sábio); Moreno (nosso mestre) e Gabay (oficial).
 
O sobrenome popular Peres, muitas vezes escrito Perez, com a terminação idiomática espanhola, não é, no entanto, sobrenome de origem espanhola, mas uma palavra hebraica que designa os capítulos nos quais a Torá (os cinco livros do Pentateuco), se divide para sua leitura semanal, de forma a completar em um ano a leitura da Torá.
 
Muitos sobrenomes espanhóis adquiriram pronuncia ashkenazi na Polônia, como exemplo, Castelanksi, Luski (que vem da cidade de Huesca, na Espanha).
 
Ou tomaram como sobrenome Spanier (espanhol), Fremder (estranho) ou Auslander (estrangeiro). Na Itália a Inquisição se instalou depois que na Espanha, de modo que houve também judeus italianos que emigraram para a Polônia. Aparece o sobrenome Italiener e Welsch ou Bloch, porque a Itália é também chamada de Wloche em alemão.
 
 
 
Nomes de cidade ou país de residência: Exemplos: Berlin, Berliner, Frankfurter, Danziger, Oppenheimer, Deutsch ou Deutscher (alemão), Pollack (polonês), Breslau, Mannheim, Cracóvia, Warshaw, (Varsóvia).
 
Nomes comprados: Exemplos: Gluck (sorte), Rosen (rosas), Rosenblatt (papel ou folha de rosas), Rosenberg (montanha de rosas), Rothman (homem vermelho), Koenig (rei),Koenigsberg (a montanha do rei), Spielman (homem que joga ou toca), Lieber (amante), Berg (montanha), Wasserman (morador da água), Kershenblatt (papel de igreja), Kramer (que tenta passar como não judeu).
 
Nomes designados (normalmente indesejáveis): Exemplos: Plotz (morrer), Klutz (desajeitado), Billig (barato).
 
Sobrenomes oriundos da Bíblia: Uma boa quantidade de sobrenomes judeus deriva dos nomes bíblicos, ou de cidades européias da Ásia Menor. Isto muitas vezes fez os judeus levarem consigo as pegadas dos lugares em que se originaram. Tomemos como exemplo de "raiz de sobrenome" o nome de Abraham (Abrahão). Filho de Abraham se diz diferentemente em cada idioma. Abramson, Abraams, Abramchik em alemão, ou holandês. Abramov ou Abramoff em russo.
 
Abramovici, Abramescu em rumeno. Abramski, Abramovski nas línguas eslavas.
 
Abramino em espanhol, Abramelo em italiano. Abramian en armênio, Abrami, Ben Abram em hebraico. Bar Abram em aramaico e Abramzadek ou Abrampur em persa.
 
Abramshvili em georgiano, Barhum ou Barhuni em árabe.
 
Os judeus de países árabes também usaram o prefixo ibn. Os cristãos também passaram a usar seus sobrenomes com agregados que significam "filho de". Os espanhóis usam o sufixo "ez", os suecos o sufixo "sen" e os escoceses põem "Mac" no início do sobrenome. Os sobrenomes judaicos não tomaram a terminação sueca nem o prefixo escocês.
 
Pode-se constatar essas variações olhando em catálogos telefônicos quantos sobrenomes há derivados de Abraham, Isaac e Jacob. Há também sobrenomes judeus que seguem o nome de mulheres, mas é menos comum. As vezes isto acontecia porque as mulheres eram viúvas, ou por alguma razão eram figuras dominantes na família. Goldin vem de Golda. Hanin de Hana. Perl, ou Perles de Rivka. Um fato curioso apresenta o sobrenome Ginich. A filha do Gaon de Vilna se chamava Gine, e se casou com um rabino vindo da Espanha. Seus filhos e netos ficaram conhecidos como os descendentes de Gine e tomaram o sobrenome Ginich.
 
Também há sobrenomes derivados de iniciais hebraicas, como Katz ou Kac, que em polonês se pronuncia Katz. São duas letras em hebraico, K e Z iniciais das palavras Kohen Zedek, que significa "sacerdote justo".
 
Sobrenomes adquiridos em viagens: Nos sobrenomes que derivam de cidades a origem é clara em Romano, Toledano, Minski, Kracoviac, Warshawiak (de Varsóvia). Outras vezes o sobrenome mostra o caminho que os judeus tomaram na diáspora. Por exemplo, encontramos na Polônia sobrenomes como Pedro, que é um nome ibérico. O que indica? Foram judeus que escaparam da Inquisição espanhola no século XV.
 
Em sua origem, possivelmente eram sefaradim, mas se mesclaram e adaptaram ao meio azkenazi. Muitas avós polonesas se chamam Sprintze. De onde vem esse nome? O que significa? Lembrem-se que em hebraico não se escrevem as vogais, assim que é um nome que se escreve em letras hebraicas Sprinz, que em polonês se lê Sprintze, mas como leríamos esse nome se colocássemos as vogais? Em español, seria Esperanza, e em português Esperança, que escrito em hebraico e lido em polonês resulta Sprintze.
 
Mudança de sobrenomes: Existem muitas histórias nas mudanças dos sobrenomes. Durante as conversões forçadas na Espanha e em Portugal, muitos judeus se converteram adotando novos sobrenomes, que as paróquias escolhiam para os "cristãos novos" como Salvador ou Santa Cruz. Outros receberam o sobrenome de seus padrinhos cristãos.
 
Mais tarde, ao fugir para a Holanda, América ou ao Império turco, voltaram à religião judaica, sem perder seu novo sobrenome. Assim apareceram sobrenomes como Diaz ou Dias, Errera ou Herrera, Rocas ou Rocha, Marias ou Maria, Fernandez ou Fernandes, Silva, Gallero ou Galheiro, Mendes, Lopez ou Lopes, Fonseca, Ramalho, Pereira e toda uma série de denominações de árvores frutíferas (Macieira, Laranjeira, Amoreira, Oliveira e Pinheiro). Ou ainda de animais como Carneiro, Bezerra, Lobo, Leão, Gato, Coelho, Pinto e Pombo.
 
Outra mudança de sobrenomes foi causada pelas guerras. As pessoas perderam, ou quiseram perder seus documentos, e se "conseguia" um passaporte com sobrenome que não denunciava sua origem, para cruzar a salvo uma fronteira, ou escapar do serviço militar.
 
Nos fins do século XIX o Czar da Rússia, exigia 25 anos de serviço militar obrigatório, especialmente dos judeus. Quantos imigrantes fugiram da Rússia e da Ucrânia com passaportes mudados para evitar uma vida dedicada ao exército do Czar? Outra questão é que somos filhos de imigrantes, e muitos sobrenomes se desfiguraram com a mudança de país e de idioma. As vezes eram os funcionários da Alfândega ou da Imigração, outras o próprio imigrante que não sabia espanhol, ou escrevia mal. Por isso, muitos integrantes da mesma família têm sobrenomes similares em som, mas escritos com grafia diferente.
 
Além disso, na Polônia a mulher tinha um sobrenome diferente do masculino, terminava em "ska", no lugar de "ski", pois indicava o gênero. Esses, são só alguns dos milhares de sobrenomes judeus existentes. E assim a história continua...
Quem quiser fazer busca por sobrenomes sefaradi entre no Site: http://www.sephardim.com/

Exibições: 1458

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

Comentário de Liliane Lesniowski em 19 janeiro 2013 às 21:41

Sim sr. Konrad, sabemos de muitos irmãos mortos em Auschwitz provenientes de Lesniow, que inclusive é uma cidadezinha rica em simbolismos cristãos!

Shavua Tov!

Comentário de Konrad Yona Riggenmann em 19 janeiro 2013 às 21:02

Obrigado pelos parabens, chavér Mario!

Tenho que corrigir meu comentario: No site http://en.wiktionary.org/wiki/Appendix:Jewish_surnames os nomes Mandel, Mendl e Mann figuram como derivados de Menahem, em vez de Imanuel.

Neste site interessante, mais um exemplo interessante de raiz judaica escondida em nome alemão é Hornstein, Gorenstein. Quem suspeitar que nesses sobrenomes se escondeu um Aaron?   

Para quem gosta de ler textos ingleses, http://www.cryptojews.com/personal_stories.html oferece historias muito comoventes de anussim norteamericanos. 

Infelizmente, não achei o artigo na revista cienciahoje. Porém, o nome do rabino Jacques Cukierkorn me lembrou do rabino Celso Cukierkorn, que nasceu e cresceu em São Paulo e hoje mora em Miami, ajudando a muitos anussim na volta ao Judaismo.

Sim, a genética é nova aliada na historia criptojudaica. O laboratorio www.familytreedna.com de Bennett Greenspan em Texas me ajudou muito, confirmando a minha origem patrilinear: Respeito ao gene Y, tenho pouco de ver com alemãos, mas muito com Armenianos, Curdos, Palestinianos, Yemenitas, Sefardim e Arabes.         Com orgulho, SHALOM!     

Comentário de MARIO COUTO BEZERRA em 19 janeiro 2013 às 15:42

Parabéns por tua postagem meu chavér!  Esse tema está bombando no Brasil, quer desejem ou não! Na minha pós  eu trabalhei com o mesma temática retratando o Brasil colonial entre os séculos xvi e xviii  e bebi de diversas fontes q tem retratado uma questão que sempre ficou guardada em sete chaves pelos setores da Igreja romana que porém, hoje pode ser melhor dissecado, pois agora a história criptojudaica tem como nova aliada a genética. E com base nisso a origem patrilinear  do brasileiro de origem portuguesa tem sido parte de um trabalho do Setor de Genética da UFMG. Parte desse trabalho está disponibilizado na REVISTA CIÊNCIA HOJE de  maio de 2000. Mas, também temos a tese de rabinato do rabino Jacques Cukierkorn que estudou os traços de judaidade nos habitantes da cidade de Venha-Ver no interior do Rio grande do Norte.SHALOM!

 

Comentário de Konrad Yona Riggenmann em 18 janeiro 2013 às 9:55

Muito interessante mesmo,

porém: 

"Kershenblatt" não significa "papel de igreja" (noossa!), mas folha de cereja (que bonito!)

"Kramer" não é pessoa "que tenta passar como não judeu", mas que tem uma pequena loja ("Kremerladen") numa aldeia. No meu ver, o nome alemão dessa profissão "Krämer/Kramer/Kremer" vem do frances "crème", sendo o "crèmier" aquele que ganhou a vida produzindo e vendendo creme, manteiga e outras coisas na sua loja. 

Aliás, os nomes ashquenazi muitas vezes contem um significado religioso ou biblico escondido:

baruch        Berg, Bahr, Baer (urso)

Me-ir          Meier

Chaim        Heim, Hain, Heine

Cohen (sacerdote) Kahn und Kohn

Levi            Löw, Leibowitz, Löwenstein, Leão, Lewinski, Lieberman

Moise         Meisel, Maus (ratinho)

Nahum        Nachmann

Imanuel       Mandel, Mendel, Mendelejeff

Salomon      Seligmann

Hillel            Heilman

Meu proprio nome Riggenmann se escrevou em documentos oficiais dos seculos 17 e 18 em muitas variações como Rikhman, Rykman, Rickeman, Rueckman.

O "-ow-" de "Lesniow" no meu ver significa "campo" (de/do Lezni) como o alemão "-au-" em Krakau, Stockerau (perto de Viena), Gruenau (campo verde), Blumenau ("campo das flores"). Mas o nome Lesniowski certamente refere-se ao lugar de moradia, o grupo "-ski" quase sempre indicando proveniencia geografica, como muitas vezes o alemão "-er" em Berliner (de Berlim), Krakauer (Cracowski), Ostrauer (Ostrovski) ...  

 

Comentário de Liliane Lesniowski em 15 janeiro 2013 às 13:08

Muito interessante!

Os sobrenomes eslavos, são tidos como os mais complicados de se verificar, pois se encontra uma série de dificuldades ligadas ao idioma, grafia etc.

Lesniowski que vem de minha ancestral Ana por exemplo  se refere a Lesniow Polônia ,foi achado em , diversos documentos com muitas variações de escrita como por exemplo Lesnoski, (Lechinhoski ,comum no Brasil,é a forma escrita da pronuncia de Lesnioski em polach) Lesnioski,Lesniewski(achado em sinagogas alemas) São muitos os sobrenomes adotados por judeus na Polônia,Alemanha.

© 2014   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço