JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Pessach: O lugar das mulheres - Por Sandra Kochmann

Pessach: O lugar das mulheres
Por Sandra Kochmann

Se nos perguntarmos qual é o lugar que “tradicionalmente” ocupam as mulheres durante a celebração da festa de Pessach, a primeira – e até “instintiva”- resposta que surge é...a cozinha!!!
Esta resposta pode gerar um sorriso de orgulho ou de resignação em nós mulheres, ou talvez de aprovação e soberba em alguns homens. Mas, com certeza, deveria gerar em todos a sensação de insuficiência, de que “podia ser melhor ainda”...
O cuidado da casa, das regras alimentícias de Pessach e a preparação da comida festiva tão especial desta celebração – essa que fica em nossa memória de “cheiros e sabores inesquecíveis” e que nos marcam para toda a vida - fazem parte das grandes responsabilidades das mulheres judias no lar, na família e na transmissão das tradições e costumes judaicos às próximas gerações...
Mas – embora todas elas sejam muito importantes - estas não constituem as únicas “opções” de participação da mulher judia em Pessach!
Na busca de tornar a noite do Seder ainda mais especial para as mulheres – e, em conseqüência, para toda a família-, surgiram novas propostas e idéias que vão se transformando aos poucos em novas “tradições” desta festividade.
Como, por exemplo, Hagadot feministas” (ou “femininas”...) que, além das rezas e narrativas “tradicionais”, lembram as mulheres que participaram ativamente da história do êxodo do Egito. Entre elas, as parteiras que se recusaram a cumprir a ordem do Faraó de jogar no rio Nilo os meninos recém-nascidos do povo hebreu; ou Miriam, a irmã de Moshé, considerada uma profetiza, que ficou cuidando do seu irmãozinho flutuando na “cestinha” e cuja presença – no midrash - é relacionada com uma fonte d’água que acompanhou o povo ao longo da sua travessia pelo deserto; ou ainda Tzipora, a mulher de Moshé, que o salvou da morte ao fazer ela mesma o “Brit Milá” – o pacto da circuncisão - em seu filho...
Existe também a proposta de lembrar, paralelamente aos “Quatro Filhos” que – “tradicionalmente”- representam os diferentes tipos de pessoas que compõem o povo judeu, as “Quatro filhas” que compartilham junto e apesar das diferenças de gênero e de temperamento, a noite do Seder.
Finalmente, há propostas de incluir novos “símbolos” ao lado dos símbolos “tradicionais” da festa, para incentivar novas perguntas:
Um deles é o “Kos Miriam” - a “Taça de Miriam” - que é colocada ao lado da taça do Profeta Eliahu, mas com a diferença de estar repleta de água, lembrando o relato do midrash que relaciona a irmã de Moshé com este elemento vital.
Outro costume novo, que revela uma história interessante, é colocar uma “laranja no meio da Keará”, bem no centro do prato ritual de Pessach.
E que história é essa? Nos anos 80, a Dra. Susannah Heschel estava dando uma palestra sobre a possibilidade das mulheres serem ordenadas Rabinas. Foi interrompida por um homem que se oponha veementemente à ideia e disse: “Uma mulher no púlpito é como uma laranja no meio do prato de Pessach”.
Aquela afirmação, que parecia ser o cúmulo do contra-senso e que tinha a intenção de envergonhar as mulheres, foi muito pelo contrário, adotada como uma idéia a favor da luta das mulheres por um lugar mais igualitário dentro do Judaísmo em geral. Foi transformada em símbolo do anseio por igualdade, em todos os momentos da vida da mulher judia e no Seder de Pessach em particular.
Uma laranja no meio da Keará é uma novidade que chama a atenção e gera perguntas, que é justamente um dos objetivos do Seder de Pessach e dos símbolos colocados à mesa! É importante sublinhar que não é de maneira alguma prática proibida. Dá uma imagem nova e diferente à Keará, transmite cor, sabor e cheiro à nossa “tradição”, e.... “preenche um vazio” bem “no meio” da Keará, num lugar central das nossas comemorações!!!

“Ma nishtaná halaila hazé?...
Por que esta noite é diferente de todas as outras?”
É a pergunta “tradicional” desta festividade...
“Ma nishtaná?...”
Qual é o lugar “diferente” – renovado, mais central, acrescido - que a mulher pode – e deve - conquistar em nossos lares em Pessach?”
É a pergunta que deveria motivar-nos - tanto mulheres como homens -, a buscar novas idéias e propostas capazes de nos ajudar a renovar nossas “tradições” e rituais.
É assim que, sem perder nossa essência, jamais, mas procurando, através das inovações, cumprir os rituais riquíssimos de nossa tradição com renovado entusiasmo, vamos conseguir transmitir nossa herança para as novas gerações, e sentirmos – todos e todas JUNTOS! - como se “cada um, cada uma, tivesse mesmo saído de Egito”....
Chag HaPessach Kasher ve Sameach!

Exibições: 622

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

Comentário de Jayme Fucs Bar em 3 abril 2017 às 10:33

Pessach: O lugar das mulheres - Por Sandra Kochmann

Comentário de Jayme Fucs Bar em 9 abril 2016 às 4:09

Pessach: O lugar das mulheres - Por Sandra Kochmann

Comentário de Angela R. C. Nespoli em 27 março 2010 às 11:00
Que bela forma de abordar esse tema tão melindroso...
Eu não conhecia essa historia, mas refletindo muito nesta semana sobre Pessach e no lufa lufa da limpeza da casa depois das 12 hs de trabalho, numa pausa para a leitura, percebi que a unica coisa que HaShem pediu para as mulheres fazerem foi a matza... Ele prometei tirar-nos com mao forte e grande poder, mas, pediu aos homens, o sacrificio do carneirinho, e a brit mila (ja que nenhum poderia comer do Pessach sem te-la feito) em consequencia nao sairiam do Egito... E a nós? Pensando sobre isso gostaria eu mesma de fazer minha propria matza, mas o medo de errar me paralizou... Entao liguei para uma amiga e disse: que tal inovarmos nesse Pessach e sermos nos a contar a Hagada? As crianças interagiriam mais... Entao, estamos fazendo mascaras de EVA, com as carinhas das pragas e faremos um teatrinho como o de Purim, para contarmos a Historia...Minha filha perguntou-me ao ouvir-me ao telefone: Voce vai vestida de que? De Mirian? Eu quero ser a Tziporah!!! E agora com certeza com uma laranja no centro da Keara e a taça com agua ao lado da taça de Eliahu naavi... Muito obrigada, Jaime mais uma vez pelo alimento diario!!!
Aqui vivemos um judaismo primitivo, uns ajudando aos outros no que podemos. Um faz pedido de carne casher e distribui a todos, outro o vinho, outro oferece a casa... Enfim na galut da galut cada gotinha para nos é um manacial de muitas aguas!!!

© 2019   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço