JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Levítico, o terceiro livro da Torá, termina com uma longa e detalhada lista de recompensas e punição divina.

 

O povo de Israel é avisado que, enquanto a prosperidade e bênçãos será o resultado de sua fidelidade à aliança com Deus, o infortúnio e desastre será a consequência de sua infidelidade.

 

À primeira vista, isso parece fácil de ser engolido. Se "de como você mede você será medido" é um princípio regulador aceito na vida, por que não acreditar em retribuição divina?

 

A doutrina bíblica da recompensa e punição, no entanto, vai além de uma simples fórmula matemática de causa e efeito. É parte de uma complexa rede de ideias que ligam a compreensão humana de Deus com conceitos como o bem e o mal.

 

A forma como o livro de Levítico entende recompensa e punição, no entanto, não se sustenta em face da experiência humana. Profetas como Jeremias e Ezequiel, por exemplo, argumentaram muito cedo contra a doutrina da responsabilidade colectiva estabelecida pelos sacerdotes de Levítico, uma doutrina que incluiu punir filhos pelos pecados dos pais.

 

O rabino Eugene Borowitz, um dos principais filósofos e teólogos judeus desta geração, argumentou de forma convincente que como a justiça de Deus se baseia na liberdade humana, se cada boa ação seria recompensada e cada mal ato punido, rapidamente o comportamento humano seria automatizado

 

"Isso iria produzir o comportamento desejado por Deus", disse o rabino Borowitz, “mas à custa da dissolução do livre exercício da vontade. Se Deus quer que as pessoas sejam verdadeiramente livres e capazes de obter justiça através do uso apropriado de seu dom único de liberdade, a recompensa e o castigo de Deus não podem ser mecânicos ".

 

Frederick S. Plotkin, o ex-diretor da Divisão de Ciências Humanas da Yeshivah University em Nova York, afirma esta mesma ideia desde uma perspectiva diferente. Os seres humanos não podem controlar a Deus sendo boms." Deus não é obrigado a vir na batida dos dedos morais do bom ser humano"

 

Se a humanidade do século 21 não pode aceitar literalmente algumas das doutrinas bíblicas de recompensa e castigo, tal como previsto no capítulo 26 do livro de Levítico, isso não significa que este é um princípio falso e inútil.

 

Tudo em todo o TaNaKh visa transmitir a mensagem de que as ações humanas têm repercussões incorporados no mesmo agente. Nas palavras do estudioso bíblico Klaus Koch, professor emérito da Universidade de Hamburgo, Alemanha:

 

"Não há espaço entre o ato e a consequência na qual uma cunha de retribuição divina poder ser inserida. O papel de Deus não é simplesmente lubrificar os mecanismos e avaliar os interruptores; nunca precisa interferir para manter a máquina em funcionamento, e nunca teria sonhado para inserir um pedaço de pau nas rodas."

 

O conceito de recompensa e punição significa que a longo prazo boas ações produzem bons resultados e más ações levam a um mundo do mal.

 

Exibições: 312

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

© 2020   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço