JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Numa pequena cidade ucraniana, por volta de 1876, Salomão Rabinowitz foi entrevistado por um rico proprietário de terras judeu para a posição de professor particular. O potencial empregador queria sobretudo saber se Rabinowitz tinha estudado a passagem bíblico sobre as filhas de Zelofeade: "Sim, senhor", respondeu o licenciado de 17 anos.

O que o magnata estava tentando descobrir era se o jovem Salomão seria o professor certo para a sua filha e netas: Rabinowitz conseguiu o emprego.

Dezanove anos depois e pelos 21 anos seguintes, escrevendo sob o pseudónimo "Sr. Como você está?", o outrora tutor deixou sua marca como um dos escritores judeus modernos mais reconhecidos. Ao compor o que viria a ser a sua composição principal, o "Mark Twain judeu" aplicou as lições aprendidas sobre as filhas de Zelofeade.

Quando suas histórias de "Tevye o leiteiro” se tornaram o primeiro teatro musical da história a superar 3.000 apresentações sob o nome de “Violinsta no Telhado, como Shalom Aleichem – ("Sr. Como você faz ”)- é amplamente conhecido- transmitiu a lição das filhas de Zelofeade.

O " Violinista no Telhado ", em efeito, abre com Tevye exclamando:

"Tenho cinco filhas", e, assim, sugerindo desde o início uma associação com Maala, Noé, Hogla, Milca e Tirsa, as cinco filhas de Zelofeade.

O facto de conhecermos os nomes de cada uma destas cinco mulheres bíblicas é, por si só, notável. De fato, o quarto livro da Torá faz questão de repetir seus nomes individuais duas vezes, enfatizando que essas não são apenas as filhas de seu pai, Zelofeade, mas também suas próprias pessoas.

Elas conquistaram esse respeito planejando uma ação oportuna e corajosa para aparecer diante do que seria o equivalente ao Supremo Tribunal de Justiça de hoje. Cada filha argumentou uma razão diferente que desafiava a injustiça de permitir que apenas os filhos, e não as filhas, herdassem dos seus pais. 

Apesar do seu alarmante desafio à tradição, centenas de anos mais tarde os sábios judeus ainda elogiariam a sua motivação para estabelecer a justiça, a sua sabedoria na apresentação do caso, e a sua capacidade de compreender o propósito das leis.

A sua lição é que não é apenas a justiça de uma causa, mas o espírito de solidariedade, a compreensão da lei e a forma como é apresentada que explica a mudança bem-sucedida de situações jurídicas que são injustas.

O mundo do Sholem Aleijem, como o das filhas de Zelofeade e de muitos outros entre eles e depois deles, enfrentavam condições imorais, se não mesmo completamente odiosas. As filhas de Zelofeade, como as de Tevye, enfrentaram estas circunstâncias com sabedoria e a convicção de que a sua causa era justa.

As filhas de Tevye reagiram às leis que encorajavam a pobreza, a discriminação, a desigualdade, a divisão, e a complacência com coragem e articulação clara dos problemas que enfrentavam.

No início do " Violinista no Telhado ", durante o que é chamado o Prólogo Musical, todos cantam "Tradição". Mas é aí que começa o " Violinista no Telhado," e não onde termina.

As filhas de Tevye, como as filhas de Zelofeade, como os judeus do século XXI, não estabelecem a sua ligação ao judaísmo por causa da sua antiguidade, mas sim na medida em que o judaísmo contém ideias valiosas. O tipo de ideias que podem subscrever e com as quais podem enfrentar as injustiças, muitas das quais são o resultado de mudanças nos tempos em que cada geração vive.

Da mesma forma que o " Violinista no Telhado " canta " Tradição ", ele também canta "Para a vida", "Lekhayim".

O valor da tradição reside apenas na sua capacidade de fomentar a vida. A tradição não é uma desculpa para a preservação de um passado que impede o futuro.

Exibições: 18

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

© 2020   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço