JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Reflexões Sobre o Pessach (I)

Classificação:
  • Atualmente, 5/5 estrelas.

Exibições: 201

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

Comentário de IVONE HERZ em 26 março 2010 às 19:44
EXCELENTE COMENTÁRIO SOBRE O PESSACH, MAIS PARTICULARMENTE SOBRE O
O SEDER. A NOSSA LEITURA DA HAGADA TAMBÉM DEVE SOFRER NOVAS INTERVENÇÕES, NOVOS TEXTOS, SEM PERDER ESSE SENTIDO BEM COLOCADO: CELEBRAR O PRESENTE, O ESTARMOS REVIVENDO, RECONTANDO ESTA HISTÓRIA.ELA TEM MESMO UM FRACASSO IMPLÍCITO,MAS QUE DEU VIGOR PARA SEGUIREM EM FRENTE.ÓTIMAS COLOCAÇÕES.CHAG SAMEACH
Comentário de Paulo Blank em 23 março 2010 às 10:21
Patricia,concordo em parte com a tua leitura de Doresh, mas prefiro pensar que é um pedido-Drishá, ao texto no qual vamos buscar mais uma vez um novo caminho.Existe aquele princípio: Dor Dor Ve DorShaiv , ou seja cada geração e os seus buscadores,interpretes,pessoas que pedem ao texto novos sentidos. Casa da Procura, me parece um movimento que vem de dentro,tem mais poesia e liberdade, vem de dentro da pessoa que pede ao texto novos sentidos.Casa da Exigência soaria a algo que vem de fora,impostos,e que,como sabemos de nossa história,do próprio pessach,não há nem milagre e nem exigência que mude alguém.. Adorei vc ter escrito.
PS o nome Tomasquim faz parte da minha história.Trabalhei como consultor de grupos em 1980 com uma Dra Tomasquim no INT.Isto faz algum sentido p. vc?? Grande abraço e mto obrigado.Paulo
Comentário de Patricia T. Tolmasquim em 23 março 2010 às 10:13
Paulo talvez Nehama Leibovitch, z"l, discordasse de seu irmão em relação ao momento do fracasso, pois em suas aulas ela nos ensinava que, na hora exata do milagre, o povo já estava alienado da realidade e nos provava sua tese apontando para a revelação dessa negação ou alienação do milagre no próprio texto-relato. Na fala do povo durante a travessia do mar aberto. Tit sham, tit po. Era uma reclamação, um lamento nostálgico em relação à escravidão. Chag Hapessach kasher ve sameach pra vc.
Comentário de Patricia T. Tolmasquim em 23 março 2010 às 9:58
Beit Midrash talvez pudesse ser compreendido também como Casa da Exigência ou da Demanda - onde se DORESH - se exige, se demanda sentido, compreensão daí Midrash - Da exigência de compreender, entender, dar sentido, buscar, enfim todas as ações que nos torne (de torno) mais humanos, mais civilizados.
Comentário de Marcos kiperman em 22 março 2010 às 22:16
Prezado Paulo.
Excelente a sua mensagem quanto ao conteúdo e marco do início do Beit Midrash virtual.. Chag Sameach!
Comentário de Jayme Fucs Bar em 22 março 2010 às 12:45
Grande Mestre e Harav Paulo Blank
Fantastico essa sua iniciativa!
ela sem duvida abre para todos nos uma nova porta de estudos, aprendizado e reflexao sobre o nosso judaismo.
Toda Raba , por vc nos proporcionar essa oportunidade de ter diretamente em nossas casas um Beit Midrash" A Casa da procura " espaco judaico vivo e de muita sabedoria que mesmo sendo uma comunidade virtual com pessoas espalhados nos diversos lugares do Brasil e do mundo , voce nos faz unir num momento especial ,onde podemos nos sentir parte de um judaismo relevantes e identificados com a responsabilidade e o compromisso dos profetas.
A abertura desse Midrash virtual nos faz de certa forma dizer e refletir "manistana a laila aze"
Comentário de magale dorfman em 22 março 2010 às 12:19
Lindo seu texto!Consigo ser mais judia quando v. traduz tantas parabolas e metaforas que passam a fazer sentido p/ mim.Tao simples"comemorar " e" celebrar" e,no entanto,tao diferente e verdadeiro.Grata.Magale

© 2019   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço