JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

NETANYAHU EXIGE O ESTADO JUDEU E ABBAS DIZ QUE JAMAIS RECONHECERÁ.

 

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu criticou o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, por sua recusa em reconhecer Israel como um Estado judeu. Declarações de Netanyahu vieram depois que Abbas disse ao The New York Times que o reconhecimento palestino de Israel como um Estado judeu estava "fora de questão".

Em uma reunião da coligação Likud-Beytenu, Netanyahu disse: "Abbas sabe que não haverá um acordo sem o reconhecimento do Estado-nação do povo judeu".

Netanyahu disse que seria "absurdo" esperar que Israel reconheça um Estado-nação para o povo palestino, sem o reconhecimento recíproco de Israel como o Estado-nação para o povo judeu.


"Vamos ver se os mesmos atores internacionais, que até agora têm colocado pressão sobre Israel vão deixar claro para a Autoridade Palestina quais exatamente serão as conseqüências para os palestinos, se não houver acordo", disse Netanyahu. "Porque, a menos que os palestinos entendam que eles vão pagar um preço, se as negociações falharem, eles vão preferir não continuar as negociações."

"A ausência de pressão fará com que abandonem os interesses vitais do Estado de Israel, em primeiro lugar a segurança dos cidadãos de Israel", disse Netanyahu.

Em uma entrevista ao New York Times, Abbas apresentou suas posições sobre as questões de segurança, dizendo que as tropas israelenses poderiam permanecer no território de um Estado palestino, durante cinco anos após a assinatura de um acordo de paz. Abbas também disse que uma força da OTAN, liderada pelos americanos, poderia patrulhar um futuro Estado palestino indefinidamente.

Abbas disse que a força da OTAN poderia ficar "por um longo tempo, e onde quiserem, não só nas fronteiras orientais, mas também nas fronteiras ocidentais, em todos os lugares. O terceiro Eles podem ficar para tranqüilizar os israelenses, e proteger-nos."

"Vamos ser desmilitarizados", disse Abbas. "Você acha que nós temos a ilusão de que podemos ter qualquer segurança, se os israelenses não sentem que têm segurança?"

Abbas disse que o Estado palestino não teria seu próprio exército, mas apenas uma força policial, o que significa que a força da OTAN seria responsável por impedir o contrabando de armas e do terrorismo.

Abbas também sugeriu que os assentamentos israelenses poderiam ser eliminados ao longo de um calendário semelhante à sua proposta de cinco anos para a retirada militar israelense.

As negociações em curso começaram em 29 de julho de 2013 e eram para terminar até 29 de abril deste 2014. Abbas exigia alguma flexibilidade sobre esse prazo.

"Não é uma data sagrada", disse Abbas. "Suponha que, até o final de nove meses, temos algo promissor. Devo parar? Eu não vou parar. Se depois de nove meses, nós não conseguirmos nada, se não há nada no horizonte, aí vamos parar."



Mesmo se as negociações falharem, Abbas descartou um retorno à violência "na minha vida, e se eu tiver alguma vida mais no futuro...Eu nunca vou voltar para a luta armada", disse Abbas.

Abbas está preso à sua intransigência sobre a questão do reconhecimento de Israel como um Estado judeu, dizendo que era "fora de questão". Abbas mencionou que a Jordânia e o Egito não foram convidados a fazê-lo quando assinaram acordos de paz com Israel.

Naftali Bennett, ministro da Economia e Eomércio (Habayit Hayehudi) respondeu à entrevista de Abbas, dizendo: "As forças internacionais são a última coisa que vai nos deixar dormir em paz."

"A partir da história de Israel, aprendemos uma regra muito simples sobre as forças internacionais", disse Bennett em uma reunião do Habayit Hayehudi. "Quando tudo está calmo, eles estão lá. Mas assim que você precisar deles, eles fogem. Isto é o que aconteceu antes da Guerra dos Seis Dias, em 1967, e também o que aconteceu ao longo dos anos no Líbano. Prefiro permanecer no velho estilo e optar para que apenas as Forças de Defesa de Israel protejam as nossas crianças".

Em Washington, a porta-voz do Departamento de Estado dos EUA Jen Psaki não quis prever quando Kerry iria apresentar a proposta de paz que vem formulando.

"Eu não vou fazer uma previsão do tempo", disse Psaki. Obviamente, isso é algo que estamos trabalhando duro mas, novamente, eu não espero que isto seja em breve.

"O prazo de nove meses permanece. Nada mudou quanto a isso. O próximo passo é avançar, mas não mudamos nada sobre a nossa linha do tempo .... Nós temos um pouco de tempo entre agora e o final de abril."

Fonte: Jornal Rua Judaica.

Obs.: Dois fatores são  de suma importância:  A questão sobre a parte de jerusalém que caberá aos palestinos e o reconhecimento por parte da autoridade palestina de ISRAEL COMO ESTADO JUDEU.  A parte de Jerusalém que já é habitada por árabes ficaria com os palestinos, porém sobre o controle de Israel para efeito de fronteira. Essa parte seria a capital do futuro Estado Palestino com a condição de termos o controle total da área do Templo de Salomão; E o total e absoluto reconhecimento de Israel como Estado Judeu.  Sem isso, não haverá acordo  de qualquer ponto em pauta.  Isso sim, é ilusão.

Nosso primeiro - ministro está mais do que certo.  

Nahum.

Exibições: 86

Responder esta

Respostas a este tópico

Onde está o princípio do Direito Internacional da reciprocidade?
Uma proposta sem equilíbrio de soberania não pode ser considerada como proposta de acordo bilateral.

Responder à discussão

RSS

© 2020   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço