JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Como parte da observância de Yom Kippur, na tarde de quarta-feira, os judeus estarão lendo em sinagogas de todo o mundo o Livro de Jonas.

 

Como os outros livros que formam a coleção conhecida como as Escrituras Hebraicas, Jonas enquadra conceitos que os judeus usam para entender a natureza humana e a maneira como o mundo funciona.

 

O pequeno texto de apenas quatro capítulos é realmente um grande tratado sobre o comportamento humano em geral e a liderança em particular. Estes são considerados numa perspectiva completamente moral: o pecado, a punição, o arrependimento, a justiça em relação a misericórdia.

 

O que torna este abordagem tão digno é que ele é o resultado da acumulação de centenas de anos de experiência humana.

 

A trama começa com Jonas comissionado para entregar a cidade de Nínive uma séria advertência: nota foi tomada de "sua-maldade."

 

A tarefa não combinava com ele, assim que Jonas "começou a fugir para Társis." Uma metáfora para significar que ele foi na direção exatamente oposta à de Nínive.

 

Abraham Maslow, o fundador da psicologia humanista, chamou essa atitude o "Síndrome de Jonas." Este é o medo de estar sozinho, a fuga de grandeza, e a falta de vontade de enfrentar os obstáculos inevitáveis ​​da vida.

 

Quando o navio que está levando Jonas para Társis torna-se envolvido em uma terrível tempestade que ameaça destruir a embarcação, e enquanto todos a bordo tentam desesperadamente de fazer tudo quanto possível para evitar afundar-se, Jonas está profundamente adormecido no porão.

 

Esta é a imagem do homem que a Bíblia considera reprovável: o ser humano que diz que há tarefas morais demasiado grandes para ser confrontadas. O ser humano que, quando confrontando a determinação de uma nação para impor sua vontade sobre os outros só vê um mal pior em confrontá-los.

 

Os judeus leem as Escrituras, por muitas razões. Uma das principais é assegurar que as experiências do passado não são perdidas. Não surpreende, portanto, que para os judeus, as ações e desejos do Irã não são muito diferentes das do antigo império que tinha sua capital em Nínive e os muitos outros que o seguiram.

 

Para o presidente Obama, o principal problema com o Irã é a sua capacidade para produzir bombas atômicas durante seu mandato na Casa Branca. Em linha com o seu pensamento, ele optou por uma "desatenção seletiva" da determinação do regime clerical do Irã de exportar por todos os meios possíveis em todo o mundo sua revolução islâmica.

 

Indicativa da atitude do presidente dos Estados Unidos em relação a história, o que poderia até ser rotulado seu "síndrome de Jonas," foi sua recente confissão em uma cúpula de países da América Latina: "Francamente eu não estou interessado em disputas que, começaram antes de eu nascer"

 

Quando, eventualmente, no livro de Jonas, os ninivitas são confrontados com um definitivo: "Quarenta dias mais, e Nínive será subvertida", o povo de Nínive acreditaram e "se arrepetiram do seu mau caminho de vida."

 

A história está repleta de situações que fazem a história bíblica de Jonas plausível.

 

Ela também está pavimentada com o sofrimento e a destruição causada pela "fuga para Társis" e "dormir no porão do navio."

 

Exibições: 54

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

© 2020   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço