JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana


MOACYR SCLIARA voz da coerência


Anos atrás, eu estava em Jerusalém para um encontro de escritores, às vésperas de uma eleição decisiva que opunha o atual premiê, Benjamin Netanyahu, ao trabalhista Shimon Peres, cuja plataforma pacifista incluía uma confederação dos países da região. Proposta, aliás, que tinha o apoio dos israelenses: Peres era o franco favorito.

Uma manhã, acordei com o ensurdecedor som de sirenes. Liguei a TV: tinha havido um atentado a bomba contra um ônibus, deixando dezenas de vítimas. Corri até lá, mas quando cheguei só restava a carcaça queimada do veículo, ao redor do qual estava uma silenciosa multidão. Nos rostos das pessoas era visível a raiva e a revolta. Na eleição, não deu outra: Peres perdeu. Os terroristas tinham conseguido seu objetivo: um governo linha-dura, precondição para perpetuar o conflito e justificar atentados.

Tempos depois, voltamos a Israel e aí, uma manhã, tomamos café com Shimon Peres, àquela altura meio marginalizado na política. Perguntei-lhe a que atribuía esse fato. Ele poderia, obviamente, culpar os terroristas, os direitistas. Não o fez. Segundo ele, o trabalhismo tinha se afastado de seus ideais igualitários, representados pelo kibutz, a colônia coletiva que agora dá lugar aos assentamentos, boa parte dos quais povoados por fanáticos (“Esta é a terra que Deus nos deu, os palestinos têm de sair daqui”, disse uma dessas pessoas ao programa Sixty Minutes, da TV americana). Mas, depois, Peres tornou-se presidente de Israel, e é nesta condição que agora nos visita. Como acontece nos regimes parlamentaristas, o cargo é principalmente simbólico, mas isto não diminui a importância da liderança moral de Peres. Sua firmeza ficou evidente nas entrevistas que deu, uma das quais apareceu em O Globo de sábado. O repórter perguntou o que ele achava do Brasil como intermediário em negociações com o Irã. Resposta de Peres: “Se alguém pode oferecer ao mundo uma ponte, por que não? Os iranianos não são nossos inimigos. Tampouco os árabes ou os muçulmanos. Nossos inimigos são a guerra, as ameaças, o terror, a destruição. Estamos apenas defendendo nossas vidas. Sobre o presidente do Irã, todos sabem quem é e quais as suas posições. Não vou ditar opiniões ao governo brasileiro”. E, aí, uma resposta que me lembrou aquela conversa no café da manhã. Perguntado se culpava a mídia pela eventual má imagem de Israel, disse Peres: “A única pessoa que posso culpar é a mim próprio. Não sou um sacerdote ou o mestre do mundo. Faço o máximo para continuar leal a nossos valores e virtudes”. Grande Peres. Ele á a voz da coerência.

Exibições: 34

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

Comentário de Elias Salgado em 17 novembro 2009 às 20:58
Jayminho, mt. bom vc. postar este artigo do nosso querido chaver shomer Moacyr Scliar- ele mostra muito bem a q. valores nosso imortal representa - o equilíbrio, a a tolerância e a compreensão e contatação da exist^necia do outro. mais pertitente ainda é o momento no qual se faz esta postagem - a proximidade da FLIC - FESTA LITERÁRIA E CULTURAL DO CCMA - onde entregaremos o PRÊMIO MOACYR SCLIAR 2009(26/11) e lançaremos a Coletânea ESCRITOS REVELADOS , no SHABAT DO LIVRO dia 27/11.
ELIAS

© 2020   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço