JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

 

 O Senhor disse a Moisés: “Vá ao faraó, pois tornei obstinado o coração dele e o de seus conselheiros, a fim de realizar estes meus prodígios entre eles, (1)

 

Assim, foram Moisés e Arão a Faraó e disseram-lhe: Assim diz o Senhor, o Deus dos hebreus: Até quando recusas humilhar-te diante de mim? Deixa ir o meu povo, para que me sirva. (3)

 

O Senhor, porém, endureceu o coração de Faraó, e este não deixou ir os filhos de Israel.(20)

 

O significado desses versículos do capítulo 10 do livro do Êxodo é desconcertante em sua contradição. Faraó não pode receber a mensagem dada a ele, porque o mesmo Deus que lhe pede para aquiescer está manipulando simultaneamente o seu interior, de modo que, mesmo que ele queria, ele não poderia obedecer.

 

Isto não só nega a autonomia humana - a liberdade humana - mas parece ir contra a própria natureza de Deus, que supostamente só deseja o bem humano.

 

   A razão para ver um problema aqui, escreveu Umberto Cassuto, rabino e estudioso bíblico nascido na Itália é que

 

"... Não estamos lidando aqui com questões filosóficas, tais como a relação entre o livre arbítrio do homem e a presciência de Deus, [...] A Torá não pretende nos ensinar filosofia; nem mesmo o que é chamado filosofia religiosa. Quando a Torá foi escrita, a filosofia grega ainda não tinha sido pensada; e a lógica foi igualmente inexistente. Além disso, a Torá não fala aos pensadores, mas a todo o povo, e isso se expressa em linguagem compreensível para as massas e adaptado para o pensamento das pessoas comuns. [...] No período do Pentateuco, as pessoas ainda não tinham consciência da contradição que deve ser observado entre a presciência de Deus de eventos e da responsabilidade imposta ao homem por suas ações";

 

Além disso, Cassuto pediu para ter em mente que para o modo bíblico de pensar era "costume de atribuir todo fenômeno a ação direta de Deus. Cada acontecimento tem uma série de causas, e essas causas, por sua vez, ter outras causas, e assim por diante ad infinitum; segundo a concepção de Israel, a causa de todas as causas é a vontade de Deus.

 

Em outras palavras, de acordo com Cassuto e outros comentaristas , a polaridade entre endurecimento como uma decisão autónoma do Faraó e como causado por Deus nunca foi um problema nos tempos bíblicos; ver aqui, um problema entre livre-arbítrio e predestinação cheira a ultrapassar a interpretação dos textos.

 

Quando o acima é em grande parte verdade, quando se considera a questão a partir de certos aspectos, todo o TaNaKh ainda é uma prova viva de que o antigo Israel estava ciente das questões difíceis da vida.

 

A questão levantada pelo "endurecimento do coração" de Faraó é: até que ponto um é responsável por aquilo que se é, e em que medida, a pessoa tem a capacidade de alterar o que se é.

 

"Os autores sagrados", observa  o comentarista bíblico James Plastara, "não têm tentado responder a estas perguntas na narrativa do Êxodo." Seu mérito está enraizada no fato que eles "delinearam claramente o problema."

 

O TaNaKh, é em grande parte o resultado do acúmulo de questões sobre identidade e sobrevivência, feitas por pessoas, questões que, aliás, são universais.

 

Muito do que faz o TaNaKh resistente à o passagem do tempo é o reconhecimento da intemporalidade das questões que ele tocou, ao mesmo tempo ter uma consciência aguda da precariedade de todas as respostas. Ele alcançou, assim evitar a armadilha ideológica (ou dogmática) que, invariavelmente, parecem cair aqueles que não leem as Escrituras de forma crítica. 

 

Uma das falhas do ensino bíblico em escolas religiosas e não-religiosas - é a respostas 'fabricadas' onde elas não existem, em vez de abrir uma conversa, que é o que o o texto está implorando,

 

 

 

Exibições: 68

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

© 2019   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço