JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Yeshayahu Leibowitz e o Monoteísmo Maximalista Jayme Fucs Bar

Nesses últimos tempos tenho observando o triste processo politico que estamos vivendo em Israel e com certeza em vários lugares do mundo entre eles no Brasil, me fez pensar muito numa das personalidades que muito admiro que é Prof. Yeshayahu Leibowitz, que nunca soube como realmente defini-lo um cientista, um rabino, um sábio ou um profeta , talvez ele foi em vida um pouco de tudo isso.
Na verdade, fico até meio inibido e com muita humildade escrever esse artigo, pois estou muito longe de ser um grande entendido sobre esse grande homem que somente com o tempo e a idade comecei a aprender a compreender Leibowitz quando descobri que a muitos anos eu o compreendia dentro do meu olhar como um judeu humanista e descobri que o pensamento dele era, mas complexo do meu entendimento, na verdade não tinha compreendido nada!
Leibowitz. sempre esteve totalmente conectado com uma visão puramente judaica religiosa à crença na totalidade absoluta do monoteísmo maximalista, visão judaica pouco conhecida por muitos, que entrava constantemente em choque e contradição com muitos valores das correntes judaicas religiosas tradicionais e com a própria sociedade israelense, Leibovitz não foi somente um crítico da direita nacionalista mas também foi um desespero para as correntes religiosas e um, tapa na cara dos socialistas trabalhistas. Ninguém e nada escapava das críticas e dos seus discursos diretos e profundos.
Ele alertou de forma muito clara sobre o perigo e as consequências da ocupação de Israel aos territórios de Judeia, Samaria e Faixa de Gaza em 1967 e isso aconteceu no período do governo trabalhista, e veja o seu pronunciamento que talvez ajude a esclarecer as ideias profundas de Leibowitz que muitas vezes vai além da nossa compreensão.
“Quando uma pessoa ou um grupo de pessoas acreditam que o Estado, nação, pátria, segurança, etc. são valores supremos, e a lealdade deve ser incondicional e onde esses valores sãos uma necessidade absoluta e se tornando uma santidade — ele torna essa gente capaz de realizar todos os atos de abominação aos interesses destes sagrados ideais, sem remorso! Isso é válido não só para o povo alemão, mas para todos os povos do mundo e a qualquer pessoa, até mesmo para grupos de judeus que em seus atos se vem como a apoteose do país" …
Para Leiboviwtz no Judaísmo a vida é coisa mais sagrada e não à terra, a pátria ou a nação. Essa visão esta totalmente ligada ao Conceito do Monoteísmo maximalista onde ele nos dizia que existe seres humanos que se comportam como Deuses em nome de ideias “ santificadas” e independente de suas origens podem transformar suas ideias e seus líderes em religiões. Leibowitz sempre nos alertava sobre o perigo desses pensamentos que pode levar a qualquer povo inclusive aos judeus a se comportarem como fascistas.
Um dos grandes Legados de Leibowitz foi a sua coragem de alertar a nossa consciência judaica e humana desse perigo e essa é a sua grandeza que considero esse homem um profeta dos tempos modernos.
Leibowitz tinha a capacidade de ver o mundo na ótica do olhar judaico maximalista , que apesar de negar ser um grande humanista, foi, e sempre será um exemplo de um grande ser humano.
Para muitos, ultra nacionalistas, religiosos, liberais, socialistas, etc… As palavras de Leibowitz sempre feriu como se fosse uma faca pontuda, ele não perdoava ninguém de uma severa crítica,mas se você não tivesse medo e desejava ouvir e aprender algo novo em sua vida, ou melhor encontrar uma luz na nossa escuridão e se libertar,essa era uma boa oportunidade!
Leibowitz diferente de muitos observa o mundo judaico com um olhar totalmente diferente do comum, por isso que suas palavras sempre nos machucava, pois ele tinha a capacidade de nos fazer espelhar em nossos próprios rostos, e nos ver em nossa total nudez , a nudez do medo e das incertezas! Que para ele é era, na verdade,o espectro do fascismo existente em cada um de nos.
Isso me faz lembrar uma magnífica frase que escutei de um outro mestre que venho aprendendo muito o Psicanalista Paulo Blank que diz que “ O Fascismo é a condição natural do homem, e compete a cada um de nos combate - lo "
Leibowitz em sua crença ao monoteísmo judaico maximalista mostrou essa sua fidelidade, em uma de suas conferências que enchiam as salas por todos os lados ele falava de forma apaixonante e com muita clareza sobre o mundo da ciência e as grandes pesquisas que estavam descobrindo muitos dos segredos do universo e da vida. Mas, de forma surpreendente como sempre foi Leibowitz quando estava prestes a finalizar a conferência, ele pegou o apagador e apagou tudo que tinha escrito no quadro, as pessoas ficaram sem entender nada, e ele declarou que tudo isso era sem sentido e que seres humanos jamais seriam capazes de aprender todos os segredos da Criação. Tudo que existe nesse mundo é trabalho de Deus, e disse, compreender os caminhos de Deus, está além da nossa capacidade humana e assim terminou a conferência.
Ele criticava qualquer tipo de idolatria, onde criou uma grande polêmica principalmente no mundo religioso quando chamou de Idolatria todos aqueles que iam " rezar" no muro das lamentações – Kotel em Jerusalém e colocavam seus papelzinhos. Ele dizia " Discoteca do Muro!" " Idolatria!"
Imaginem quantos milhões ou talvez bilhões de pessoas ele ofendeu! Mas esse é o Homem! Assim ele falava sem " Papa na Língua" as coisas para ele eram claras e profundamente Judaica . E quem não gostava ele não estava nem ai, para as críticas e as duras palavras que se referiam a ele!
Quem não foi ao Muro – Kotel fazer um pedido ou colocar seu papelzinho! Eu fui, e vou e todos vamos! Mais se queremos aprender a entender o conceito de Leibowitz do que ele se refere a um monoteísmo Maximalista ele tem razão. Isso é idolatria, pois para ele o Muro o Kotel é tão sagrado como a sua casa ou qualquer lugar no mundo, pois tudo que existe nesse mundo é criação de Deus e não existe um lugar mais sagrado que o outro, é lógico que ele entendia a importância histórica, cultural e religioso do Muro — Kotel e as suas pedras que restou do segundo templo, mas para Leibowitz era inaceitável ver esse lugar como o mais sagrado .
Eu chequei em Israel em 1982 e depois de um ano em Israel o Celso Garbatz que era amigo e educador de um grupo da escola secundária dos Kibutzim da região me convidou para ser Madrich (Monitor) de um grupo de adolescentes de 15 -16 anos e nesse trabalho aconteceu uma tragédia no grupo escolar uma menina se suicidou em casa e isso foi um abalo muito grande na escola , não sei exactamente como, mas o Celso conseguiu marcar um encontro na casa de Leibowitz em Jerusalém, eu não tinha ideia quem era essa figura, na verdade um Figurão!
E não tinha suficiente conhecimento de hebraico para entender tudo o que foi dito lá , somente me lembro que o encontro com o grupo escolar foi para falar com ele sobre o suicídio trágico que aconteceu ,e me lembro o que, mas me impressionou foi entrar na sua casa e ver a simplicidade e a forma espontânea que nos recebeu, onde sua casa estava sempre aberta ao publico em geral.
Lembro dele sentamos na sua sala que era uma grande biblioteca com livros espalhados por todos os lados, e ai estávamos todos sentados e depois de uma pequena apresentação, acho que o Celso perguntou o que ele tinha a dizer sobre a morte da menina do grupo que de forma trágica se suicidou ele a princípio disse que lamentava muito sobre isso, mas de repente do seu estilo especial de ser e da sua forma exótica de se expressar deu um Grito onde ele disse algo assim “ Vieram até aqui falar de Morte! Eu somente falo de vida, pois a morte é a única coisa certa", mas acrescentou “ Só o corpo de uma pessoa morre, mas a pessoa se assim vocês desejarem continuará a existir para sempre"
Yeshayahu Leibowitz morreu em 1994, mas ele continua a existir em nossos corações para sempre!

Exibições: 16

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

© 2020   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço