JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Una autoridad rabínica reconoce a los chuetas de Mallorca como judíos.

 


Una autoridad rabínica reconoce a los chuetas de Mallorca como judíos

Pertenecen a una minoría étnica, católica en su gran mayoría, y dispersa socialmente, tras generaciones de represión institucional


ANDREU MANRESA - Palma de Mallorca - 12/07/2011


 


"Somos judíos". Así, escuetamente, algunos chuetas de Mallorca, ciudadanos descendientes de judíos conversos, perseguidos hace siglos por la Inquisición, comunican lo que constituye una novedad "histórica". El gran rabino de la corte Nissim Karelitz, una autoridad ultraortodoxa de Israel, en apenas tres líneas les "reconoce". Son, según Karelitz, judíos "auténticos" que no necesitan convertirse. "Somos hermanos de los judíos y por tanto judíos", escribió a sus amigos un pintor mallorquín implicado.


Solo unos pocos de entre ellos acuden a la sinagoga de Palma

La cuestión de los chuetas mallorquines y los siglos de antisemitismo institucional y social, la diáspora y cripto judaísmo, ocupan decenas de miles de páginas en más de 200 libros, ensayos monográficos y vastas polémicas antes espinosas. Es materia de best seller insular y de larga duración: desde el panfletario La fe triunfante del jesuita Francisco Garau, que justificó en 1691 los asesinatos inquisitoriales en Palma, hasta novelas de Carme Riera En el último azul (Dins el darrer Blau) de 1994 y otra escritura de la experiencia.

Los chuetas mallorquines (xuetes), pertenecen a una minoría étnica, católica en su gran mayoría, y dispersa socialmente tras generaciones de represión institucional y marginación popular. Hasta los años setenta fueron endogámicos, como respuesta a una estrategia solidaria y de identidad. Acostumbraban a casarse entre los miembros de los clanes y evitaban buscar pareja fuera de la comunidad.

Shavei Israel, una ONG internacional judía, ha alentado la operación retorno "a las raíces" y el reconocimiento rabínico, como hace con otras comunidades judías repartidas por el resto del planeta.

Profesionales y artistas de Mallorca, pertenecientes a este colectivo han emprendido una tarea de recuperación de su memoria familiar y colectiva, desde una perspectiva emotiva, histórica y cultural. Solo unos pocos se han aproximado hasta ahora sin embargo a la religión judía y acuden a la sinagoga de Palma. Los nuevos chuetas, orgullosos de su pertenencia a un grupo perseguido, indagan en los libros parroquiales y registros notariales para rehacer el árbol de sus familias a veces hasta el siglo XVI. Los que prefieren prescindir de la militancia religiosa impulsan debates culturales y aprenden hebreo. Tres de ellos, los artistas Jaume Pinya, Rafa Forteza y Ferran Aguiló, homenajearon a Maimónides, en los 800 años de su muerte. Aguiló reivindicó "la identidad de excluidos -por siglos- de la cruel sociedad mallorquina. No es el apellido que nos convierte en lo que somos sino precisamente esta exclusión".

Apellidos chuetas y un origen común

Los rabinos que han avalado el microcosmos étnico judío insular sostienen que "no te puedes convertir en lo que ya eres". Han analizado la gruesa bibliografía y vastas ramas familiares chuetas. El resultado de ese estudio es el certificado rabínico que ahora se hace público. Aguiló, Bonnín, Cortès, Forteza, Fuster, Martí, Miró, Picó, Piña, Pomar, Segura, Valls, Valentí, Valleriola y Tarongí son algunos de los apellidos de las familias perseguidas y señaladas por la Inquisición. Constituyen estas familias el núcleo duro, el tronco de los chuetas, los 15 linajes de las víctimas sacrificadas por la intolerancia de la fe y el poder. Esta singularidad contemporánea se identifica entre de 15.000 y 30.000 ciudadanos de los 800.000 mallorquines que son portadores de los 15 apellidos señalados.

"Los judíos extienden la mano a los chuetas de Mallorca, les decimos que son nuestros hermanos y les pedimos que vuelvan al pueblo de Israel", han explicado en Palma las autoridades religiosas de Shavei, entidad que encabeza Michael Freund. Dos chuetas y personajes públicos de Mallorca, el cocinero Antoni Pinya y el cronista Miquel Segura se han sumado a su causa y participan en los actos de Shavei Israel.

La huella étnica de los chuetas se encuentra en "un bloque genéticamente homogéneo, después de siglos de segregación social", según un estudio realizado por la científica Cori Ramón de la Universidad de las Islas Baleares (UIB). El estudio encuentra similitudes entre el ADN de los chuetas y poblaciones judías del norte de África y Oriente Medio. "Hay una gran similitud", indica Ramón, "aunque no se pueda afirmar que compartan un origen común".

En Mallorca, el doctor Juan Buades del Hospital Son Llàtzer documentó decenas de casos de la fiebre mediterránea familiar, una singular enfermedad hereditaria diagnosticada a personas originarias del litoral del Mediterráneo: sefarditas, armenios, turcos, norteafricanos y árabes. En el norte de Europa y en Estados Unidos aparece entre las comunidades de judíos asquenazíes.

Un exilio de 600 años

Durante los últimos tres meses, los rabinos de Shavei han estado varias veces en Palma de Mallorca, donde aún queda cierta memoria del Call (la calle) el barrio antiguo de plateros y comerciantes de la comunidad.

Otro rabino y chueta mallorquín, Nicolau Aguiló, que en los años setenta emigró a Israel y se convirtió en Nissan ben-Avraham, es un caso excepcional. Nissan viaja con frecuencia como enviado a España. Y cree que los chuetas han protagonizado un "largo exilio" de más de 600 años. Seis siglos tardó un rabino de Mallorca en explicar de nuevo la Torá judía en su isla tras la aniquilación medieval.

La ola de impacto internacional de los chuetas de Mallorca comenzó en mayo de 2011, cuando el anterior Gobierno de Baleares celebró el primer acto de disculpa oficial por la persecución histórica. El entonces presidente balear, el socialista Francesc Antich habló de "gravísima injusticia cometida", contra "aquellos mallorquines que fueron acusados, perseguidos, encausados y condenados a causa de su fe y sus creencias". Hay ya un memorial diseñado, pendiente todavía de levantar.

Exibições: 259

Responder esta

Respostas a este tópico

Oi Marcelo, muito legal ter essa informação.

Essa notícia me faz levantar algumas questões, que acho importante para definir contornos do que é um judaísmo humanista:

  • o que é, na perspectiva do judaísmo humanista, uma autoridade rabínica?
  • é possível  conceber um judaísmo centrado no homem, e não sujeito a autoridades?
  • como devem agir judeus que se consideram humanistas, em relação a cada momento em que uma pretensa autoridade rabínica dá a sua sentença?

Isso tem a ver com a natureza do Estado de Israel: judeus humanistas podem considerar legítima a evolução da sociedade israelense para uma teocracia?

 

Um abraço

Sérgio

Olá Sérgio.

Foi justamente esse o objetivo que imaginei ao postar essa notícia, já que se trata de um rabino utilizando-se de sua "autoridade"  conferida para contrariar os desejos e opiniões de quem lhe conferiu  a  "autoridade".

Parece confuso mas é isso. Foi uma notícia que veio de encontro àquilo que venho percebendo no comportamento dos judeus em geral, Uma assimilação à ponto de não perceberem as mudanças de comportamento dos seus próprios líderes.

Nesse caso, essa suposta distração tem sido favorável à necessidade de toda a comunidade judaica, permitindo que o judaismo pré século 19 volte a ser praticado, onde o Rabino era visto pelos seus como um Sábio professor, respeitado por sua capacidade de discernimento e não como um sacerdote.

Shaná Tová! 

Sérgio Storch disse:

Oi Marcelo, muito legal ter essa informação.

Essa notícia me faz levantar algumas questões, que acho importante para definir contornos do que é um judaísmo humanista:

  • o que é, na perspectiva do judaísmo humanista, uma autoridade rabínica?
  • é possível  conceber um judaísmo centrado no homem, e não sujeito a autoridades?
  • como devem agir judeus que se consideram humanistas, em relação a cada momento em que uma pretensa autoridade rabínica dá a sua sentença?

Isso tem a ver com a natureza do Estado de Israel: judeus humanistas podem considerar legítima a evolução da sociedade israelense para uma teocracia?

 

Um abraço

Sérgio

Oi Sérgio e Marcelo.

Acho que na perspectiva do judaísmo humanista um rabíno não possui a autoridade sobre a interpretação puramente teológica da realidade. A sociedade moderna é muito complexa e uma situação assim pode tentar definir um nó e não a estrutura da rede de relações, políticas, sociais, econômicas, culturais, etc. A autoridade rabínica é um perigo para o judaísmo humanista.

Penso que os judeus humanistas não devem dar poder para nenhuma pretensa autoridade, como humanistas podem escutar, procurar pontos de bom senso mas nunca se desfazer da liberdade para promover uma idéia ou um indivíduo.

Tenho esperança que um dia não só o judaísmo mas todas as ações humanas um dia se centrem no homem, no indivíduo e não em grupos, partidos, estados.

 

Um Abraço.

 


Sérgio Storch disse:

Oi Marcelo, muito legal ter essa informação.

Essa notícia me faz levantar algumas questões, que acho importante para definir contornos do que é um judaísmo humanista:

  • o que é, na perspectiva do judaísmo humanista, uma autoridade rabínica?
  • é possível  conceber um judaísmo centrado no homem, e não sujeito a autoridades?
  • como devem agir judeus que se consideram humanistas, em relação a cada momento em que uma pretensa autoridade rabínica dá a sua sentença?

Isso tem a ver com a natureza do Estado de Israel: judeus humanistas podem considerar legítima a evolução da sociedade israelense para uma teocracia?

 

Um abraço

Sérgio

Marcelos

O artigo que o Marcelo Barzilai nos trouxe me parece demarcar uma das características onde o JH se diferencia de outras correntes.  É uma crença minha que um dos fatores mais importantes na gênese do antissemitismo foi o quanto os judeus antigos eram irreverentes em relação a autoridades. No mundo dominado pela Igreja Católica em expansão, isso se refletiu na questão da tributação, que era feita com o uso da autoridade divina. 

Estou certo? Quem pode acrescentar algo sobre isso?

Estou pensando nisso: Os judeus possuem vocação para a liberdade? São humanistas ou querem apenas obedecer uma autoridade rabínica?

 

Mais tarde escrevo algo mais inteligente. Beleza Sérgio?

 

É, acho essa questão fundamental. E sugiro que você bata uma bolinha com o Jayme Fucs, que certamente tem muito a dizer sobre isso. Acho importante trazê-lo para essa discussão. Também acho o seguinte: devemos dar um destaque a essa questão maior do que como comentário a um artigo. O assunto tem um ciclo de vida: nasceu aqui, mas pode migrar para um post de blog. Que tal você tentar se aprofundar nisso e escrever um post bem fundamentado? Outra pessoa que certamente tem muito estofo para ajudá-lo é o Alexandre Leone. 

De minha parte, acho que a resposta para a sua pergunta é nem um nem outro. Nem os judeus são inerentemente humanistas, pois a identidade é uma construção social, e ninguém nasce humanista; nem têm necessariamente vocação para a liberdade. É até uma frase de um sábio: "foi mais fácil tirar os hebreus do Egito do que tirar o Egito de dentro dos hebreus". Mas um dos valores no judaísmo que eu mais prezo é essa instigação para a liberdade. Daí a terem ou não a vocação, são outros quinhentos. Mas é de se esperar que em qualquer comunidade judaica alguém vá buscar isso no fundo do baú e venha incomodar os outros. Ah, outra pessoa que certamente pode contribuir para esse tema é o Edgard Leite, professor de História das Religiões. Há aqui no JH um excelente artigo dele sobre o profetismo judaico.

De tudo isso eu tiro o seguinte: ser judeu humanista é UMA opção, entre muitas que o judeu pode ter. E se todos os judeus fossem humanistas, não haveria sentido em usar o qualificativo. Bastaria dizer que é judeu, e pronto. Mas não é assim. E muitas das pessoas que vêm a este site não vêm em busca do humanismo, e sim acham que será mais um site onde poderão encontrar mais judeus, ou encontrar um espaço de acolhimento que não encontra na comunidade presencial nos clubes, sinagogas etc. Nos deparamos com isso de forma engraçada: ao decidirmos o preço do ingresso para o nosso Seder em SP em abril. Havia pessoas que achavam que teria que ser gratuito (e quem pagaria a conta?) , pois os ortodoxos até quase pagam para que as pessoas vão lá, e que tínhamos que ser competitivos. Foi duro convencer que não estamos aí para sermos concorrentes dos ortodoxos. 

 

Um abraço

Sérgio

Marcelo Cesar Dias disse:

Estou pensando nisso: Os judeus possuem vocação para a liberdade? São humanistas ou querem apenas obedecer uma autoridade rabínica?

 

Mais tarde escrevo algo mais inteligente. Beleza Sérgio?

 

Valeu Sérgio, tua resposta abriu caminho para eu meditar mais sobre a questão do humanismo e de acordo contigo, penso também, que outros deveriam entrar nesta discussão.

   Vou escrever algo relacionando o judaísmo e humanismo, antes porém, lerei Spinosa e Arendt para fundametar melhor as idéias. Pois para mim existe uma linha muito difícil de perceber, se isso é possível, entre religião e liberdade. Ou seria entre Estado e Libredade?

 

Abraço,

Marcelo

Legal, Marcelo. Vai ser ótimo nos trazer Spinoza e Hanna Arendt num post. Sobre essa linha difícil de perceber, eu não tenho nada a dizer. Aliás, as coisas que não enxergo são muito mais numerosas do que as que eu enxergo:-)

Hehe, é verdade Sérgio, droga de cegueira fisiológica-existencial!  \o/

 

 

Responder à discussão

RSS

© 2019   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço