JUDAISMO HUMANISTA

O Judaismo Humanista é a pratica da liberdade e dignidade humana

Portugal e Espanha: muito mais judeus e mouros do que se pensava - Fonte Brasil Sefarad

Um grupo de pesquisadores de diversas universidades européias e de renomados institutos de pesquisa analisou haplótipos (tipos de seqüencias de DNA) do cromossomo Y de 1140 homens da Península Ibérica e das Ilhas Baleares. Os resultados surpreendentes demonstraram que em média 19,8% da população masculina ibérica descende diretamente de judeus sefarditas (judeus ibéricos) e 10,6% descende de mouros (berberes do Norte da África).

Os resultados contradizem certas fontes historiográficas tanto dos meios judaicos quanto não-judaicos que afirmavam que a maioria da população judaica original havia abandonado a Península Ibérica em virtude das perseguições religiosas em direção a outros países do Mediterrâneo e da Europa Central. Contradizem também as afirmações dos historiadores de que a população moura (islâmica, de ascendência norte-africana) havia abandonado a Península após a expulsão de 1492.

Conclui-se a partir dos dados do estudo que uma enorme parcela de mouros e judeus permaneceram na Península Ibérica mesmo após as expulsões e as perseguições, de modo que seus genes podem ser observados em grandes proporções ainda hoje na população local.

A origem basca é a de maior proporção na população ibérica como um todo, como já era de se esperar, beirando a 70%, na média de todas as regiões geográficas. O que surpreendeu foi a alta proporção  média de descendentes de judeus sefarditas, variando de zero% em Minorca a 36,3% no sul de Portugal, e a de norte-africanos, variando de zero% na população da Gasconha a 21,7% na população do noroeste de Castela.

Veja no mapa a proporção de descendentes de mouros, judeus e ibéricos (bascos) na população da Península Ibérica, por região geográfica. Quanto maior a barra, maior a proporção dos descendentes daquele grupo étnico na população atual da região.

Distribuição geográfica das proporções de descendentes de mouros, judeus e ibéricos na população da Península Ibérica

Estas proporções atestam que ao invés da saída da Península Ibérica, ocorreu um alto nível de conversões religiosas (sejam voluntárias ou forçadas) das populações de mouros e judeus, em consequência de episódios de intolerância social e religiosa, resultando em última instância na assimilação dos descendentes de mouros e judeus ao grosso da população ibérica. Segundo os pesquisadores, os resultados sugerem que o componente genético judaico sefardita é o mais antigo, corroborando os registros históricos.

Curiosamente, a maior prevalência de descendentes de judeus ibéricos está no sul de Portugal, país  do qual veio a maior parte de imigrantes brancos para o Brasil. Estudos semelhantes poderiam ser feitos no país para que se possa conhecer com precisão qual foi a real contribuição dos componentes mouro e judaico na colonização brasileira.

Leia o estudo completo sobre a composição genética da população ibérica

 

http://www.brasilsefarad.com/joomla/index.php?option=com_content&am...

Exibições: 2016

Comentar

Você precisa ser um membro de JUDAISMO HUMANISTA para adicionar comentários!

Entrar em JUDAISMO HUMANISTA

Comentário de Jayme Fucs Bar em 30 agosto 2011 às 10:47

Marcelo que Legal que voce consequiu fazer esse levantamento de sua familia e de suas raizes.

Eu sou da familia por parte de meu pai ( minha Avo), Nozes Pereira da aldeia de Bel Flores no Norte de Portugal, Tenho nesta pequena aldeia muitos familiares que gracas a minha Tia Nelly que fez um levantamento familiar incrivel, descobrimos tambem as raizes judaica da familia de meu pai (avo). Ate fizemos  um pequeno livro  sobre as raizes da familia, onde destribuimos para todos os tios e primos num historico encontro familiar, No caso da minha familia poucos tem o interesse de voltar ou ate se aproximar do judaismo , mais o mais  importante foi a oportunidade de todos saberem sobre as suas origens .

Um grande abraco a vc e na sua familia!

 

Comentário de Marcelo Barzilai em 30 agosto 2011 às 9:23
Muitos judeus Espanhóis se refugiaram no litoral, principalmente nas Ilhas Canárias. Foi o que aconteceu com minha família, que refugiou-se em La Oratava, no Tenerife e só saiu de lá quando aconteceu a quebra da produção de cochonilha( inseto do corante vermelho) após 1860.

© 2020   Criado por Jayme Fucs Bar.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço